quarta-feira, 26 de março de 2008

Andy Warhol lidera a lista dos artistas "mais valiosos" do mundo em 2007


Andy Warhol lidera a lista dos artistas "mais valiosos" do mundo em 2007
Segundo Baudrillar"(apud Pessoa, web) em Duchamp, há ainda chama de “utopia crítica”
e um certo “lirismo”....mas é com com Andy Warhol, principalmente na série das polaróides —Celebrites and self-portraits —, que o auto-retrato surge como um tema
equivalente a qualquer outro. Sua auto-imagem, a lata de sopa Campbell’s ou
a Marilyn Monroe possuem o mesmo significado ou nenhum significado.
Warhol, segundo Baudrillard, “é o primeiro a introduzir no fetichismo
moderno, no fetichismo transestético, o fetichismo de uma imagem sem
qualidade, de uma presença sem desejo”É com Andy Warhol, principalmente na série das polaróides —Celebrites and self-portraits —, que o auto-retrato surge como um tema
equivalente a qualquer outro. Sua auto-imagem, a lata de sopa Campbell’s ou
a Marilyn Monroe possuem o mesmo significado ou nenhum significado.
Warhol, segundo Baudrillard, “é o primeiro a introduzir no fetichismo
moderno, no fetichismo transestético, o fetichismo de uma imagem sem
qualidade, de uma presença sem desejo”(Pessoa:web http://64.233.169.104/search?q=cache:CaZjxBJsW00J:poseca.incubadora.fapesp.br/portal/bdtd/2006/2006-me-pessoa_helena.pdf+warhol+e+baudrillard&hl=pt-BR&ct=clnk&cd=9&gl=br)-Helena G R Pessoa)O fato é que o artista, Warhol ainda representa as rupturas mais recentes destes tempos nossos e que se traduz por uma estética nova ausente de um lirismo, ou com um outro da sociedade de consumo, e de umaidentidade dispersa.
Paulo a c Vasconcelos

Andy Warhol lidera a lista dos artistas "mais valiosos" do mundo em 2007
GUSTAVO MARTINS
Da Redação

"Green Car Crash", de Andy Warhol, leiloado por US$ 64 milhões em maio

Quadro mais caro de 2007, "White Space", de Mark Rothko, foi vendido por US$ 65 mi
VEJA IMAGENS DOS ARTISTAS MAIS VALIOSOS DO MUNDO
Pela primeira vez na década, a soberania do espanhol Pablo Picasso no mercado de arte foi interrompida. De acordo com o site especializado Artprice, que anualmente divulga a lista dos artistas que mais venderam obras em leilão, o novo líder é o norte-americano e guru da pop art Andy Warhol, cujos trabalhos movimentaram em 2007 um total de US$ 420 milhões. A soma supera em US$ 101 milhões o valor obtido pelas obras de Picasso, segundo lugar na lista.

A vitória de Warhol - que no ano passado ficou em terceiro lugar, movimentando "apenas" US$ 200 milhões - é reflexo de uma mudança no "gosto" do mercado de arte mundial, que, como as bolsas de valores, coloca em "alta" ou "baixa" determinados criadores ou movimentos artísticos.

As obras impressionistas, especialmente as de Auguste Renoir e Claude Monet, foram as mais valorizadas em leilões durante a década de 90, segundo o Artprice. Após o ano 2000, Pablo Picasso e Gustave Klimt lideraram a "alta" de obras do período moderno. Essa tendência se manteve predominante até o ano passado, no qual uma explosão da arte contemporânea fez o movimento total dos leilões subir 44%, atingindo a impressionante marca de US$ 9,2 bilhões em obras vendidas.

Além de Warhol, os grandes puxadores desse crescimento foram o irlandês Francis Bacon e o letão Mark Rothko. Bacon é um dos pintores mais valorizados do momento, tendo saltado da 19ª posição em 2006 para a terceira em 2007, com um total de US$ 245 milhões em vendas. Já Rothko foi responsável pela obra mais cara leiloada em 2007, o quadro "White Center", cujo martelo bateu para uma oferta de US$ 65 milhões.

Veja a lista dos dez artistas "mais valiosos" de 2007:

1º lugar: Andy Warhol, US$ 420 milhões
No ano de 2007, Warhol reafirmou seu status de grande vendedor em volume, com 74 obras arrematadas por mais de US$ 1 milhão. E em valor unitário também: o recorde do artista, que há oito anos era de "Orange Marylin" (US$ 15,75 milhões), foi vistosamente batido em maio por "Green Car Crash", adquirido na Christie's de Nova York por US$ 64 milhões.

2º lugar: Pablo Picasso, US$ 319 milhões
Apesar de ter vendido US$ 20 milhões a menos que em 2006, Picasso ainda está longe de poder ser considerado "em baixa". Com menos obras famosas à venda após quase uma década de liderança no mercado de arte, o espanhol ainda assim cravou um recorde mundial em 2007: a estátua de bronze "Tête de Femme, Dora Maar" foi vendida em novembro, na Sotheby's de Nova York, por US$ 26 milhões, o maior valor já pago por uma escultura em leilão.


Detalhe de "Estudo para o Papa Inocêncio X", de Francis Bacon
3º lugar: Francis Bacon, US$ 245 milhões
O preço médio das obras de Francis Bacon triplicou em dez anos, com uma ascensão ainda mais acentuada em 2007. Sua performance no ano foi excepcional por conta da grande quantidade de telas postas a leilão: treze, contra uma média que variou de duas a sete entre 1997 e 2006. Sete delas ultrapassaram a marca de US$ 10 milhões na oferta final, a maior delas feita para "Estudo para o Papa Inocêncio X", em maio na Sotheby's de Nova York - US$ 47 milhões, novo recorde para o artista.

4º lugar: Mark Rothko, US$ 207 milhões
Os proprietários de quadros do pintor se beneficiaram largamente do "boom" contemporâneo no mercado de arte em 2007. Além do "White Center", de 1950, venda mais cara do ano (US$ 65 milhões), outros cinco quadros do pintor superaram a casa dos US$ 10 milhões. Com isso, outros trabalhos antes menos procurados voltaram aos leilões, como desenhos em papel e telas da série "Untitled", de 1969.

5º lugar: Claude Monet, US$ 165 milhões
Para se ter uma idéia de como o mercado de artes esteve aquecido em 2007, bastaram US$ 80 milhões em vendas para que Monet ficasse em segundo lugar na lista do Artprice de 2004 - com o dobro desse valor, alcançou apenas a quinta colocação no ano passado. Em dois dias de vendas na Christie's de Londres, 18 e 19 de junho, um catálogo de trabalhos do artista foi vendido por 45 milhões de libras (cerca de US$ 84 milhões). No total, 27 trabalhos de Monet foram leiloados por valores acima de US$ 1 milhão em 2007.

6º lugar: Henri Matisse, US$ 114 milhões
O pintor francês foi outro que bateu recordes em 2007. Superando a expectativa em US$ 10 milhões, o quadro "L'Odalisque, Harmonie Bleue" foi arrematado em outubro por US$ 30 milhões, maior valor já pago por uma obra do artista.

7º lugar: Jean-Michel Basquiat, US$ 102 milhões
Mais jovem artista do ranking, o nova-iorquino foi também o que mais se valorizou em 2007, atingindo uma média de preços 480% maior do que suas obras valiam em 1998. O quadro "Warrior", por exemplo, leiloado em 2005 por US$ 1,6 milhão na Sotheby's, foi revendido na mesma casa por mais de US$ 5 milhões em 2007.

"Nymphéas", de Monet: impressionismo foi líder na década de 90 e continua em alta

8º lugar: Fernand Lèger, US$ 92 milhões
A maior venda de Lèger em 2007 foi o quadro "Les Usines", de 1918, vendido na Sotheby's por US$ 12,75 milhões (a expectativa mais otimista era de sete milhões). Outro destaque do francês foi o desenho em guache "Dessin pour Contraste de Formes (Composition II)", de 1913, vendido por US$ 4,2 milhões, um recorde para desenhos do pintor.

9º lugar: Marc Chagall, US$ 89 milhões
Assim como Picasso, a queda de três posições de Chagall na lista se explica mais pela ausência de grandes obras em oferta do que pela diminuição da procura. Em 2006, cerca de cem telas do pintor da Belarus foram a leilão, em 2007, apenas 62. Ainda assim, por conta de sua grande produção, mais de 400 trabalhos foram a leilão no ano passado, e um quadro circense de três metros de comprimento vendido em maio por US$ 12,25 milhões garantiu seu lugar no ranking.

10º - Paul Cézanne, US$ 87 milhões
Outro artista com poucas obras importantes colocadas no mercado durante 2007, Cézanne conseguiu dobrar sua marca do ano passado, quando completou-se o centenário de sua morte. Considerado por Picasso como o pai da arte moderna, o impressionista francês teve como maior venda do ano uma natureza morta de 1877, "Compotier et Assiette de Biscuits", arrematada por US$ 11,25 milhões em novembro. Bem distante de seu recorde, "Rideau, Cruchon et Compotier", leiloado pela Sotheby's em 1999 por US$ 55 milhões.
by UOL http://diversao.uol.com.br/ultnot/2008/03/25/ult4326u766.jhtm