segunda-feira, 23 de junho de 2008

Tradição perde espaço para a modernidade no 'São João' de Campina Grande (PB)Ana



Segunda-feira, 23 de Junho de 2008
Ana


Sou de Campina Grande, nasci perto , muito perto do forródromo, antigo açude velho, perto da rua 13 de maio.No meu tempo havia fogueiras nas portas, o cheiro invadia as casas junto com cheiro de milho cozido, assado, pamonha canjica, pé de moleque, bolo de mandioca, baeta, e mais fogos como rojões, vulcões, peido de veia, estrelinhas, advinhações,milho assado na fogueira e um cheiro de madeira e polvora etc.Na cidade o grande são joão era na rua , nos bairros de jose pinheiro, catolé, palmeiras, volta do Zé leal. alto branco afora clube dos caçadores, clube médico, e festas em Queimadas-cidade vizinha-, nosso tempo era mais enxuto e menos capitalista, a não ser período em que meu pai faturava bem na sua PADARIA DAS NEVES, mas passou esse tempo, tempo meu de Braulio Tavares Jose Newman, de Rosil CavaLcante,(convidei a comadre sebastiana para dançar ) Marines, Lua Gonzaga , de Elba Ramalho e Vava, sua irmã.
PAulo a c vASCONCELOS
Luisa Bartholomeu
Enviada especial do UOL
Em Campina Grande (PB)
O 'maior São João do Mundo', como ficou conhecida a tradicional festa junina de Campina Grande, na Paraíba, ganha ares de modernidade a cada edição. No 26º ano de sua realização, o grande número de outdoors, camarotes e shows que fogem do 'menu' regional acabam descaracterizando um evento que se vende como manifestação cultural e religiosa, mas que caiu nas garras da indústria do entretenimento.


Campina Grande é a segunda maior cidade do Estado da Paraíba

Localização: 130 km da capital do Estado, João Pessoa

População: 371.060 habitantes

São João: Segundo a Embratur, 1,5 milhão de pessoas devem visitar a cidade neste mês de junho
O forró eletrônico é o estilo que mais toca nos alto-falantes. Pelas vielas do Parque do Povo (o coração da festa), espalham-se estandes de vendas de equipamentos eletrônicos e barracas promocionais de patrocinadores. No figurino dos freqüentadores, a ordem é esquecer o vestido xadrez e o chapéu de palha em casa. Meninas usam salto alto e fino, enquanto os garotos calçam tênis, jeans, camiseta e boné. A fogueira, símbolo maior das comemorações juninas, é grandiosa: tem 20 metros de altura. E seria mais se não fosse por um 'detalhe': é iluminada artificialmente.

Os números da festa impressionam, a começar pelo calendário, com um mês inteiro de comemorações. A infra-estrutura é de embasbacar: 44 mil metros quadrados do Parque do Povo, por onde se espalham 380 barracas, 400 atrações musicais e mais de 500 horas de forró para todos os gostos. Além deste reduto, que também abriga um grande palco, camarotes e várias palhoças (ilhas) de forró, outros 40 mil metros quadrados guardam o Centro de Cultura e Arte Marinês (localizado no parque Evaldo Cruz), sem contar o parque cenográfico 'Sítio de São João' e a Feira de Artesanatos, que completam o complexo preparado para receber os festejos juninos.

Entre os cerca de dois milhões de visitantes que visitam as instalações durante todo o mês, é possível encontrar desde moradores antigos da cidade até turistas que enfrentam mais de 10 horas de viagem para participar da festa, como é o caso da professora e comerciante cearense Madalena Lopes. "Formamos um grupo de 26 pessoas e montamos um pacote. No Ceará só se fala nesse 'São João' de Campina Grande. Vim para ver se é bom mesmo", conta.


Fogueira de 20 metros de altura
em Campina Grande é artificial
Seduzidos pela propaganda do regionalismo, gringos de passagem pelo Nordeste também começam a descobrir o 'São João'. Segundo Yara Santos, que arrumou um emprego temporário na festa, a presença de estrangeiros está aumentando a cada ano. "E eles vêm para gastar", diz.

Circulando pelo Parque do Povo, a sensação, sem dúvida, é a de estar em um grande evento, mas sem saber exatamente qual. Enquanto é possível encontrar toques de regionalismo na Vila Nova da Rainha (reprodução de como era Campina Grande antigamente) e na Tabladrilha (palco onde se apresentam quadrilhas dos 64 bairros da cidade), o turista pode saborear uma gastronomia que vai muito além da tipicamente junina. "Quando se pode encontrar yakisoba, pizza, hambúrguer e pastel num mesmo lugar, não é possível dizer que ele conserve sua essência", critica o missionário Gustavo Lucena.

"Nosso objetivo é atender todos os gostos. Aqui nós respeitamos a diversidade ideológica e cultural, mas a raiz é preservada", defende o coordenador de Cultura da cidade, Alexandre Tan.

Origens da festa
A festa de São João em Campina Grande começou a ser realizada no Parque do Povo em 1983, na gestão de Ronaldo Cunha Lima. Naquela época, a área útil da festa se limitava a um único pavilhão, onde se misturavam as tendas típicas, os shows bem mais regionais (xote, xaxado e forró pé de serra) e barracas de comidas típicas. A questão da religiosidade era também, de acordo com relatos de moradores, bem mais valorizada.


Nos estandes, marcas conhecidas e comida que vai de pizza a yakisoba
A partir de então, cada prefeito deixou sua contribuição para a ampliação da festa, segundo a assessoria de imprensa oficial da cidade. "O que houve com o festejo foi uma transformação natural, em decorrência da ampliação do espaço e do próprio progresso de Campina Grande. Se hoje somos o 'maior São João do mundo' é porque o turista gosta e prestigia a festa", explica Tan.

O custo do 'São João' é estimado em R$ 4,2 milhões, sendo R$ 3 milhões dos patrocinadores e R$ 1,2 milhão do governo municipal. Devido a um desentendimento político entre o governador do Estado da Paraíba, Cássio Cunha Lima (PSDB), e o prefeito de Campina Grande, Veneziano Vital do Rêgo Neto (PMDB), a festa não recebe verba do governo estadual há três anos. Apenas a parte de segurança pública é feita pelo Estado, que cede efetivo das polícias Civil e Militar para manter a ordem durante o mês de junho.


No São João de Campina Grande, ruas têm nomes 'engraçadinhos'

Veja álbum de fotos
A 'nova cara' da festa divide opiniões. "É certo que o 'São João' ficou mais comercial nos últimos anos, mas não perde seu encanto. Acho que ela dá opções aos visitantes, pois aglomera muita coisa diferente. O que não dá para negar é que se tornou o principal evento da cidade, trazendo trabalho e renda para o povo", explica Amaral dos Santos, um massagista cearense que adotou Campina Grande como 'cidade do coração'.

O excesso de pessoas que prestigiam o evento muda a rotina de toda a cidade nesta época do ano. Segundo o taxista Márcio Silva, trajetos que levam normalmente cinco minutos, chegam a demorar uma hora para serem percorridos. "Ainda falta muito investimento na cidade. Mas é aquela história: quanto melhor fica, mais gente atrai. E aí o resto a gente já sabe como fica", afirma.

Leia também
Disputa política marca festa de São João em Campina Grande
Com 10 mil habitantes, distrito de Galante tem 'trânsito paulistano' durante o 'São João'
"Campina Grande praticamente não tem vida noturna. Por isso, esse acaba sendo o grande evento da cidade. O movimento dobra em todos os estabelecimentos comerciais. Não dá para falar que isso é ruim", explica Lindimar Martins, sócio de um tradicional restaurante campinense.

"Na minha época de criança, festa de São João tinha balão no céu e fogueira na terra. Isso que está aí é algo sem cultura e sem identidade", resume o funcionário público Silvestre Maia.

Nenhum comentário: