sábado, 21 de fevereiro de 2009

De tudo na vida ele fazia literatura” Richard Zenith, tradutor, escritor e investigador de Fernando Pessoa


De tudo na vida ele fazia literatura”
Richard Zenith, tradutor, escritor e investigador é, sobretudo, conhecido como profundo conhecedor da obra de Fernando Pessoa, sobre quem acaba de assinar os textos da ‘Fotobiografia’.




Este biógrafo de Pessoa é um norte-americano em Lisboa que veio por seis meses e ficou 20 anos, seduzido pela cidade e pelo poeta.

"Vim por seis meses para traduzir poesia medieval; afinal ainda cá estou. Lisboa é uma cidade de luz e calor, suficientemente grande para me dar actividade cultural e suficientemente pequena para me fazer sentir em casa... Depois, descobri que estava por traduzir ‘O Livro do Desassossego’ – a que o próprio Pessoa chamou a sua autobiografia sem factos – e pronto: estava instalado e a trabalhar", recorda.

Tão diversa como dispersa, a obra de Pessoa tem sido a obra de uma vida para Zenith. Inesgotável .

"Com este livro pretendi fazer uma síntese da sua vida e obra, do seu tempo e dos lugares onde viveu. Na África do Sul, por exemplo, assistiu ao boicote à chegada de Gandhi e, 20 anos depois, escreveu sobre este episódio: "Gandhi é o único grande homem do Mundo", revela.

Explicar a multiplicidade de heterónimos mais como uma evolução de personalidade e menos como uma liberdade literária é outra novidade... "A heteronímia é comum nas crianças. São os amigos imaginários. Pessoa terá começado assim até decidir que um ser uno e coeso não era para si", afirma.

Em Pessoa, vida e obra confundem-se no mesmo fingimento, o maior dos quais responde por Ophélia: "Para mim, é um heterónimo às avessas, uma criação sua. Não estava apaixonado. Queria estar", diz.

Por último, a conclusão possível: "De tudo na vida ele fazia literatura. Não era um fingidor, mas um fazedor. Um inventor e não um mentiroso."

PESSOAL

O TRADUTOR

"Álvaro de Campos e Alberto Caeiro são os meus preferidos, mas, modo geral, Pessoa é fácil de traduzir, ao contrário de Camões e Lobo Antunes, de quem traduzi os sonetos de um e quatro romances do outro."

O ESCRITOR

"O meu único livro publicado, ‘Terceiras Pessoas’, é de contos. O resto é poesia e ensaio, mas tenho dois romances na gaveta só à espera de me animar para tratar deles."

O INVESTIGADOR

"O estudo comparado da obra de Pessoa revelou uma faceta pouco ou nada conhecida: ele não era tão sério como parecia. Tinha um grande sentido de humor e vivia como quem brincava."

Dina Gusmão by correio da manhã Lisboa PT

Nenhum comentário: