sábado, 6 de fevereiro de 2010

O Brasil do passado ditatorial lança frieza entre Lula e o exército


Par CHANTAL RAYES SAO PAULO, de notre correspondante

"É tempo de calma entre o presidente brasileiro, Lula e seu exército. No final de dezembro, os chefes dos três exércitos, imitado pelo ministro da Defesa, Nelson Jobim, ameaçou demitir-se devido a um decreto criando uma "Comissão Nacional da Verdade" para lançar luz sobre as violações dos direitos humanos durante a repressão política ", ou seja, a ditadura militar (entre 1964 e 1985). Para eles, o texto "excessivamente abusivos, agressivos e vingativos - ele já foi reformulado por Lula - pode levar a uma revisão da anistia de 1979.

Então chegou a vez do Secretário Nacional de Direitos Humanos, Paulo Vannuchi para colocar a sua demissão na mesa, se o decreto, que foi o autor, foi desfigurado. Membro do Partido dos Trabalhadores de Lula, Paulo Vannuchi vem dos rebeldes de esquerda que lutou contra a ditadura. Em seu retorno de férias, 11 de janeiro, o presidente admitiu ter assinado o decreto sem ler ... pois, Lula disse que não tinha intenção de retornar à anistia. Ele suprimiu as palavras "repressão política" do objeto da comissão, abrindo o caminho, como desejado pelo exército, que os atos da guerrilha também são discutidos. Ele deve, no entanto, que o Congresso aprove a criação de comissão de verdade. "A comissão é necessária, porque o Brasil é o único país da região que não revelou o seu passado ditatorial", disse Victoria Grabois, Tortura associação Nunca Mais (Tortura Nunca Mais "). "Mas, acrescenta ele," não sabemos se os horrores dos arquivos militares não estão abertas. "No entanto, os militares afirmaram ter destruído. O governo Lula pediu provas, sem resultado.

Como seus predecessores, o líder de esquerda é ter cuidado para não perturbar o militar. Para o cientista político David Fleischer, é devido ao carácter específico da transição democrática no Brasil. "O esquema começou em si, uma abertura política [para o retorno gradual à democracia, a nota do editor], disse ele. O exército está fora menos vergonhoso do que outros para a ditadura. "Especialmente desde que o seu recorde é muito mais leve do que na Argentina ou Chile: 400 mortos e desaparecidos, mas ainda 20 000 pessoas torturadas.

Até agora, os policiais não foram julgados porque a lei de anistia deve abranger a mesma forma que os antigos guerrilheiros. Mas, a pedido da Ordem dos Advogados, a Suprema Corte deve decidir neste ano se a anistia se aplica quando funcionários do Estado que tenham praticado tortura, um crime considerado inalienável.

Nenhum comentário: