sexta-feira, 27 de agosto de 2010

O caso Sakineh Astiani


By JORNAL DO COMËRCIO RECIFE PE Publicado em 20.08.2010

O caso Sakineh Astiani
Selma Vasconcelos




A sexualidade feminina, desde a Grécia clássica, foi sempre alvo de preocupação e teorização, havendo a origem mítica da sociedade matriarcal impregnado as ideias relativas à esfera da sexualidade e do papel da mulher na criação do mundo.

No entanto, as ideias evolucionistas de Darwin, no século 19, influenciaram desde a religião à economia e ciências sociais. Na antropologia, o suíço J.J. Banhofen aplicou a linha progressista para fortalecer a ideia de evolução das primitivas sociedades matriarcais para o patriarca, atribuindo – à vitória dos deuses masculinos sobre as deusas-mães. A razão desta "progressão" não seria outra senão aquela de controlar a promiscuidade sexual das sociedades primitivas que deixavam a mulher em situação de domínio por ser a única a poder apontar a paternidade dos filhos gerados por acasalamentos circunstanciais e sem vínculo afetivo. Ao homem reservava-se o papel de mero reprodutor.

Posteriormente, Marx e Engels, desprezavam as razões míticas para explicar a origem do patriarcado e atribuíram esta mudança da ordem social, à introdução do princípio da propriedade privada. Isto porque, os homens vitoriosos em combate e defesa de seus territórios, só admitiam legar os seus bens aos filhos consanguíneos e, portanto "legítimos". Daí a criminalização do adultério como delito passível de pena capital.

A questão da terra também se relaciona com a divisão de trabalho por gênero, atribuindo ao homem maior capacidade de controle da natureza, de criar novas tecnologias e de vencer as guerras.

Para consolidar este poder masculino devemos nos remeter ao mito cristão legitimado no Gênesis da Bíblia Hebraica que atribui a "parturição" da mulher a partir da costela de Adão. O relato bíblico foi tomado, durante a inquisição, como testemunho da devida submissão do gênero feminino e (pasmem!) da propensão da mulher à maldade, uma vez que "nasceram de um pedaço curvo que seria exatamente o oposto da retidão atribuída ao homem gerador de sua vida” (O martelo da feiticeira - 1486).

O Gênesis também legitima a mulher como culpada pela desestabilização da relação do homem com Deus, sacralizando assim a cisão entre sexualidade e afeição e a relação de domínio do homem sobre a mulher e a natureza. Estava assim santificada a estrutura patriarcal que existe até nossos dias.

O caso da iraniana Sakineh Astiani condenada à morte por apedrejamento ou enforcamento, por adultério, é um exemplo contemporâneo do poderio patriarcal atávico agravado por um regime autoritário, intolerante e fundamentalista. Segundo entrevista da ré ao jornal The Guardian, o assassino do seu marido foi condenado e preso mas não lhe foi cobrado o preço do delito com a própria vida. A sociedade do século 21, particularmente o gênero feminino, por haver percorrido duro caminho para conquista de seus direitos, repudia o abuso de poder em qualquer esfera que nos perpetue na posição de inferioridade desigualdade e injustiça.

» Selma Vasconcelos é professora universitária e membro da Sociedade Brasileira de Escritores Médicos

Nenhum comentário: