quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

O Carnaval sem Cajú

Diferente de muitas Capitais Aracaju é paraíso aos avessos a folia.É cianinha de vestidos antigos, nao amarelados pelo polimento do areial e seus intestinos brancos que os oma. Sua terra, seu mar já são folias, seu povo bebe na cachaça do mar, do ar, e na brejeirice de maior qualidade cosmopolita que ela ostenta, esquecida da grande mídia.Não importa,melhor sua cama limpa de lençóis avantajados A cidade é um trançado de rios, mares, lagoas, e coqueiros e caranguejos. Seu planejamento litorâneo é faca amolada de cegar as vistas, que se mistura entre areial e mar. A fala é de uma brasilidade estupenda, misturado ao nordeste todo, mesmo com o um encontro desmarcado com Salvador, que tenta ostentar um imperialismo econômico e cultural, mas Sergipe resiste em fôlego de cajus,de águas marinhas de cocos e de seu petróleo que explode. Seus rios fazem maternidades para a fauna marinha e fluvial, é de uma tessitura de crochê requintado e luxo da natureza. Lá é terra de rei, rainhas e súditos e o mar os acoberta com pedras salinas encrostadas sobre as túnicas. As lagostas , pargos, dourados, pitus são como vegetais em fôlego de algodoais, que estancam ainda com rendas de velhas e novas mulheres que as tecem. Seus cajus dão perfume que as grandes perfumarias do mundo invejam, e o sol não traga apenas acaricia Difícil não amar Aracaju E concluo com um fragmento de um poeta da terra Mário Jorge CUIDADO SILÊNCIOS SOLTOS. ....de que estranhos esgotos vem a lama onde habitam tão belos caranguejos? de que tamanhos sóis nasce essa luz que ofusca os olhos de minh´alma? ah! se eu soubesse diria e esperava o eco e saberia o silêncio que dorme nas palavras..(.http://bit.ly/X7ObHa)

Nenhum comentário: