domingo, 11 de agosto de 2013

MARILENA CHAUÍ ...A LUCIDEZ PERMANENTE. in Entrevista – Cult 133

Trabalhei com a filósofa, e professora Marilena de Souza Chauí, na gestão de Luiza Erundina, então secretária da Cultura, eu no Centro Cultural São Paulo,onde tive oportunidade de conhecê-la mais de perto, como administradora .Pulso forte e determinada ás vezes entendida como carrasca, rss, mas sua administração teve seus brilhos diante de um emaranhado burocrático e de forças políticas. Como professora fui testemunha de sua aura eloquente, presente em alguns dos seus cursos, professora brilhante, de didática exemplar. Contestada por uns como fisiológica,dentro de algumas raias, divisões do PT, o que não aceito. Algum tempo ausente da Mídia, por dissensões, ou por oportunismo da própria mídia em cravar entendimentos sobre ela, que não corresponde a realidade, ela volta, aos poucos a falar. Marilena, tem uma clareza política, que a ilumina como um cérebro que vinga a Filosofia brasileira, e a faz uma mulher lúcida e de amplitude do pensamento nas esferas da política, e mostra-nos o terror da mídia, frente a uma sociedade que ainda vaga dispersa de compreensão de si e do todo. Mostra-nos a filósofa, o político e sua dimensões várias, na articulação do poder e na suas estâncias de articulação do sujeito e do estado. Não presa a docência, ela pula os muros diversos para opinar dizer, contestar,os fatos políticos sociais, e mesmo a apontar as contradições dentro da Academia a que pertence, como extensão do poder do estado, na linha do saber e tratamento das formulações de políticas públicas educacionais. Na última Cult de Agosto, Marilena mais uma vez faz um arresto dos últimos acontecimentos - Manifestações pelo país e destrinça a seu modo,o que acho vibrante,tais fatos, apontando as relações do povo, classe média, de quem é crítica ferrenha, e aponta o aproveitamento da política, nos diversos partidos face a essa classe em ascensão. Revela a fotografia do Neoiberalismo em nosso país, e a fragilidade de compreensão da política institucional por essa fala que está nas ruas, revelando a classe média que não compreende tais fatos e a cumplicidade do poder. . Fala da organização das manifestações, dissecando sua estruturas possíveis, a que se dar amostra, e revela a não compreensão do poder por tais gritos e como os trata. Destaca a baboseira do referedum e elege o plebiscito como medida democrática e como instrumento da mesma. Vale a pena conferir e pensar.

Nenhum comentário: