quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Rosil ou Capitão Zé Lagoa um mestre da MPB .

PUBLICADO PELA REVISTA BRASILEIROS.

Rosil  de Assis Cavalcanti.( 1915-PE-1968-CG. PB)

Muito se fala de Jackson do Pandeiro, na música Nacional, mas, não tanto de Rosil Cavalcanti- os dois estiveram centrados no cenário da MPB , em que Elba, Lenine Alceu ,Gal ,Luiz Gonzaga e tantos outros gravaram.
Ele  fez rádio em J .Pessoa. PB, onde criou a dupla com Jackson do Pandeiro-Café com Leite-mas  é em Campina, PB, que se afirma, na Rádio Borborema no Forró  de Zé Lagoa,  programa de rádio, atuando com humor, e falando como seu povo e critica social.
Ele, contudo, ficou esquecido na sua terra natal, Macaparana,  PE, ou mesmo, em Campina Grande-PB, onde adotou-a, fez seu nome no  São João, em C.G.PB,mas não é mencionado no parque do povo, um dos maiores forródromos do Brasil, diz Ana Tratai, sobrinha e herdeira dos seus direitos.

José Telles, Recife-Pe, jornalista, estudioso da MPB afirma :”… pelo volume, qualidade e originalidade de sua obra, é um dos cinco mais importantes compositores que definiram o forró, termo que engloba os muitos ritmos da região nordestina. Está ao lado de Humberto Teixeira, Zé Dantas, Onildo Almeida,e Miguel Lima, no time de autores que através de Luiz Gonzaga, Marinês ou Jackson do Pandeiro, criaram um repertório básico para a música do Nordeste… http://bit.ly/15ixQBo
“Convidei a comadre Sebastiana
Pra cantar e xaxar na Paraíba
Ela veio com uma dança diferente
E pulava que só uma guariba
E gritava: a, e, i, o, u, yJá cansada no meio da brincadeira
E dançando fora do compasso
Segurei Sebastiana pelo braço
E gritei, não faça sujeira
O xaxado esquentou na gafieira
E Sebastiana não deu mais fracasso
Mas gritava: a, e, i, o, u, y(Sebastiana)
Continua Teles -J.do Comércio –Recife.Pe “Um rápido passeio pela música de Rosil Cavalcanti para lamentar o atual estágio do forró, onde se contam nos dedos, autores que não se limitam ao xote romântico. Em Rosil há desde o lúdico ao lírico: Na base da chinela, e Aquarela Nordestina. A primeira é um exemplo do forró malicioso. Chinelar, ou chinelada é um eufemismo nordestino, hoje pouco usado, para o ato sexual: “Jogaram no salão pimenta bem machucada/e o baile da Gabriela acabou na chinelada”.A segunda recorre à estiagem para cantar a paisagem da região: o Nordeste imenso, quando o sol calcina a terra/não se vê uma folha verde na baixa ou na serra/juriti não suspira, inhambú seu canto encerra/não se vê uma folha verde na baixa ou na serra”. http://bit.ly/15ixQBo
E diz Rosil,como sociólogo,sim.. no Coco Social-
Ele é pernambucano, do canavial... 
Veio pro salão, é social. 

O diplomata canta baixo na surdina 
O financista gosta e faz anotação, 
Banqueiro financia, pois vale um milhão… 
 
Jurista de renome aconselha o povo 
O almirante diz: ele é nacional 
Ibrahim Sued esforço não mede 

E diz o coco é bom; é social “.
Mas ainda prova mais em Meu Cariri:
No meu Cariri/quando a chuva não vem/não fica lá ninguém
somente Deus ajuda/se não vier do céu/chuva que nos acuda
macambira more/chique-chique seca/juriti se muda…


Conversando com Rômulo Nobrega –C.G.PB ,o mesmo nos promete uma biografia de Rosil e difunde-o com matérias sobre o mesmo –leiam mais e ouçam http://bit.ly/14ZxVLs----- http://bit.ly/15NAdOE

Nenhum comentário: