sábado, 13 de janeiro de 2018

BRASILEIROS QUE CHEGARAM QUASE AO NOBEL: AMADO E DRUMMOND 1967









Nada é curioso e tudo pode ser político, o fato é que as palavras dos brasileiros quase chegaram lá, ao Nobel de literatura.O jornal A Tarde-MG divulgou curiosamente os bastidores -documentos da Academia Sueca, em que constavam o nome de dois brasileiros -Carlos Drummond de Andrade e Jorge Amado, entretanto o aclamado foi o autor da Guatemala- Miguel Asturias.De fato, um ou outro mereceriam o Prêmio pelo conjunto de suas obras e o caráter de excelência  em Literatura, mas não sabemos os entraves, os tais políticos  decisivos  que determinaram a exclusão.Ambos obtiveram outras  premiações pelo mundo afora e aqui mesmo no Brasil suas consagrações ficaram, e mais importante, na boca dos consumidores de boa literatura e poesia.Amado aos poucos não aparece tanto, como deveria,sabe-se lá o porquê, ou será que os baianos ou donos dos seus direitos sabem?  

...



Carlos Drummond de Andrade e Jorge Amado chegaram perto de vencer o Nobel de Literatura em 1967. É o que revelam documentos liberados pela Academia Sueca, que concede o prêmio todo ano, recém-divulgados.
Os arquivos da instituição são divulgados apenas 50 anos depois da escolha. A lista também mostra escritores aclamados, porém nunca premiados com o Nobel, como Jorge Luis Borges e Graham Greene.
O vencedor de 1967 foi o escritor guatemalteco Miguel Ángel Asturias. Na ocasião, a Academia elogiou o trabalho de Asturias “por seu feito literário vívido, fortemente baseado nos traços nacionais e nas tradições dos povos indígenas da América Latina” – é curioso notar que uma descrição muito parecida poderia ter sido atribuída à obra de Amado.
O nome do escritor baiano foi sugerido pela União Brasileira de Escritores, pela Sociedade Brasileira de Autores Teatrais, e por professores das universidades do Texas, da Columbia e de Vanderbilt, nos Estados Unidos. O nome de Drummond foi sugerido pelo poeta sueco Gunnar Ekelöf (1907-1968).
Um tuíte da conta oficial do Prêmio Nobel afirma que o Comitê de Literatura não entrou acordo naquele ano – o presidente da Academia sugeriu o nome de Greene, e outros membros queriam dividir o Prêmio entre Borges e Asturias.
Lista. Dos nomes na lista divulgada pela Academia Sueca, Yasunari Kawabata levaria o Nobel em 1968; Samuel Beckett no ano seguinte; Pablo Neruda em 1971; Eugene Montale em 1975; Saul Bellow em 1976 e Claude Simon em 1985. O autor britânico nascido na àfrica do Sul, J. R. R. Tolkien, conhecido pela série “O Senhor dos Anéis”, estava entre os 70 nomes da lista.
Entre outros nomes conhecidos por aqui, também figuravam Georges Simemon, Ezra Pound, Edmund Wilson e Alejo Carpentier. Cinco mulheres também estavam na disputa: Marie Luise Kaschnitz, Katherine Anne Porter, Anna Seghers, Judith Wright e Lina Kostenko.

Vide matéria Jornal:http://bit.ly/2mwUdDA

Nenhum comentário: