REDES

sábado, 13 de abril de 2024

Irã confirma ataque com drones e mísseis contra Israel BRASIL247

 


Imagem: Morteza Nikoubazl

O QUE SERÁ, COMO REAJE OS ISRAELITAS NA CAPITAL?

JÁ REUNIDOS PEDEM A CABEÇA DE BB

247 - O Corpo dos Guardiões da Revolução Islâmica (CGRI) do Irã confirmou uma operação com mísseis e drones contra Israel em resposta aos ataques de forças israelenses contra aliados do regime iraniano no Líbano, na Síria, no Iraque e no Iêmen.

“Em resposta aos numerosos crimes do regime sionista, incluindo o ataque à seção consular da embaixada iraniana em Damasco e o martírio de um grupo de comandantes dos assessores militares de nosso país na Síria, a Força Aeroespacial do CGRI atacou certos objetivos dentro dos territórios ocupados com décadas de mísseis e drones”, anunciou o CGRI por meio de um comunicado. O relato foi publicado pelo HispanTV, canal estatal uraniano. O líder Supremo do Irã, Ali Hosseini Khamenei, prometeu punição a Israel por causa dos ataques aos aliados dos iranianos. O governo israelense foi denunciado na Corte Internacional de Justiça por autoridades da África do Sul por causa do crime de genocídio contra palestinos na Faixa de Gaza, território onde fica o grupo islâmico Hamas.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

quinta-feira, 11 de abril de 2024

Elon Musk e a extrema direita S.A. Outras Palavras

 



ESTE SUL AFRICANO-NATURALIZADO AMERICANO, SONHA E PENSA QUE PODE ,MAS NÃO PODE ,TA AÍ ALGUNS FRACASSOS,DESDE TESLA A FOGUETES. A AMÉRICA FAZ DELE E OUTROS OS MENINO MIMADOS QUE TUDO PODE,ENGANA-SE SERÁ DESTRUIDO PELOS MESMOS QUE O APOIMA,,AGUARDEM..E COMECEMOS INDO PARA O BLUESKI JÁ.

Elon Musk e a extrema direita S.A.

Nada que o bilionário faz é gratuito. Por trás das provocações a autoridades brasileiras está um esforço nítido para aparecer como um campeão das ideias extremistas – e, é claro, amealhar favores políticos e econômicos em consequência

.

O dono do ex-Twitter, Elon Musk, lançou nos últimos dias uma série de provocações contra o ministro Alexandre Moraes, do STF (a quem acusou de censura), e o presidente Lula. Ameaçou desrespeitar decisões da Justiça brasileira. Agora, sua conduta será investigada no âmbito do inquérito que investiga a ação das milícias digitais. Mas o que estará por trás destes fatos?

Nada nas atitudes do bilionário é aleatório. Se de fato quisesse questionar as decisões judiciais, poderia fazê-lo de forma genérica, citando, por exemplo, a “Justiça brasileira”, mas ele se dirigiu diretamente àquele que é um dos alvos principais da extrema direita no país. A suposta censura também pertence à gramática bolsonarista, que vê o ex-presidente e seus aliados como vítimas de uma perseguição jurídica.

O estilo provocativo remete a outro episódio recente. O ministro das Relações Exteriores de Israel Yisrael Katz usou o ex-Twitter para divulgar postagens direcionadas ao presidente brasileiro, conseguindo mobilizar as redes extremistas, mas falando sozinho ao final. Além da similaridade de postura e dos tuítes pouco sofisticados, Musk e Katz têm em comum o fato de não terem agido sozinhos. A extrema direita é articulada internacionalmente, com presença ostensiva nas redes sociais. As postagens tinham como objetivo dialogar com o segmento brasileiro radicalizado, mobilizando uma representação política que não pode abrir mão da sensação de crise. Precisa de ruído e de inimigos.

“Está ocorrendo um ataque político de forças de extrema direita externas ao sistema político brasileiro. É algo orquestrado”, aponta a ex-secretária de Direitos Digitais do ministério da Justiça e advogada Estela Aranha, em entrevista à BBC. A provocação teria como objetivo produzir consequências que justificassem a retórica de perseguição tão cara aos bolsonaristas. “Se o Twitter for suspenso, isso vai corroborar a própria narrativa deles. Fazem isso para provocar uma reação mais forte, para escalar o debate e a tensão. É algo bem orquestrado”, pontua Aranha.

A aproximação de Musk e Trump

O biógrafo de Elen Musk diz que ele votou em Biden em 2020, mas que não o faria de novo. As relações entre o bilionário e políticos extremistas – o trumpismo, em particular – vêm se fortalecendo de forma crescente nos últimos anos. Em 5 de março, Musk publicou uma postagem no X divulgando uma fake news que circula bastante entre apoiadores de Donald Trump, a de que o presidente Joe Biden e o Partido Democrata estariam trazendo imigrantes para conquistar votos em novembro. “É altamente provável que se esteja preparando o terreno para algo muito pior do que o 11 de setembro. É só uma questão de tempo”, disse, sem prova alguma. O X não rotulou a publicação como possivelmente falsa, nem divulgou contexto adicional sobre a desinformação.

Uma reportagem da MSNBC do início de abril mostra, além disso, como a atuação de Musk em sua plataforma vem estimulando a divulgação da frenologia, uma pseudociência cada vez mais popular entre extremistas nos Estados Unidos. Contas estimuladas pelo do dono da Tesla, apontou Garrison Heyes, no site Mother Jones, “apresentam desinformação sobre a inteligência e a fisiologia das minorias através de gráficos, dados e mensagens curtas mas diretas”. Para o jornalista, “não passa de racismo puro – com um toque de Silicon Valley”.

Postagens e interações de Musk têm a capacidade de trazer milhares de seguidores a estes perfis já que, além de ser uma figura pública, ele também conta com um sistema especial projetado para garantir uma ampla circulação e alcance de suas publicações. “Ele comprou a empresa, fez questão de mostrar o que acreditava estar quebrado e manipulado na gestão anterior, depois se vira e manipula a plataforma para forçar o engajamento de todos os usuários para ouvir apenas a voz dele”, disse um funcionário da plataforma.

Negócios e amizades

Se Musk ainda não fala abertamente sobre sua proximidade e sua relação com Trump, o ex-presidente é menos discreto a esse respeito. Em março, ambos tiveram um encontro. Questionado pelo apresentador Joe Kernen, da CNBC, sobre se esperava um apoio verbal ou monetário do bilionário, Trump respondeu apenas: “Tenho sido amigo dele ao longo dos anos. Eu o ajudei quando era presidente”, sem especificar o tipo de ajuda. Como lembra a matéria, Musk beneficiou-se durante anos da assistência governamental às suas empresas, o que inclui a concessão dos chamados créditos regulatórios para a Tesla e créditos fiscais para os clientes da montadora, além de contratos de serviços com a SpaceX.

No Brasil, a proximidade com o governo Bolsonaro também rendeu frutos. Matéria de Paulo Motoryn de 2022 mostra que a gestão atuou junto à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) para que o processo de autorização aos satélites da empresa do bilionário fosse acelerada. Nesta terça (9), outra apuração de Motoryn, junto com Tatiana Dias, traz informações sobre o possível interesse de Musk no lítio brasileiro, um mineral fundamental para a produção de carros elétricos. Recorde-se: o bilionário já afirmou que, para obter este metal na Bolívia, estava disposto a “dar golpe em quem quiser”…

Mas quais as ações práticas do X – e de seu antecessor, o Twitter – para projetar a agenda da ultradireita? Neste artigo, os pesquisadores Rafael de Paula Aguiar Araújo e Igor Fediczko Silva apontam que, em outubro de 2021, o Twitter publicou um estudo em uma revista acadêmica da Universidade de Cornell, Nova York, examinando características da rede como o algoritmo e como se comportavam as postagens dentro ao longo de uma linha do tempo. O objetivo era descobrir, por meio da análise de centenas de milhões de postagens, se havia uma amplificação ou priorização de determinados vieses políticos.

“O resumo, é que em seis dos sete países (todos, menos a Alemanha), os ‘tuítes postados por contas de políticos alinhados a ideias de direita receberam mais amplificação algorítmica do que os tuítes de políticos alinhados à esquerda, quando estudados como um grupo’. Esse resultado mostra que, por algum motivo, o algoritmo aprende, através de técnicas de machine learning, que é importante dar mais visibilidade a tuítes ligados à direita”, apontam, contrariando o que dizia o próprio Musk antes de aquirir a plataforma, insinuando que o favorecimento fosse a publicações à esquerda. “O estudo mostra que políticos identificados como de direita têm uma relevância para o algoritmo ainda maior, simplesmente por serem de direita, seja qual for o conteúdo postado”. A análise foi realizada antes da compra realizada pelo dono da Tesla – portanto, antes de a plataforma se tornar mais opaca.

Política e negócios costumam andar juntos em muitos lugares, e por isso transparência nas relações entre o público e o privado é sempre essencial. Aqui, cabe discutir regulação do poder das grandes corporações que hoje comandam a internet, mas também os próprios limites que deveriam ser impostos aos bilionários. Concentrar recursos e possibilidades de influenciar politicamente em diversos locais ilustra o quanto as democracias e a soberania nacional dos países está constantemente sob ameaça.

segunda-feira, 8 de abril de 2024

ELON MUSK-COVARDE, FANFARRÃO E DISSEMINADOR DE POPULISMO EXTREMISTA DIGITAL


 

                                               ELON MUSK POR  MONEY TIMES


O SR. MINISTRO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL DO PAÍS,ALEXANDRE DE MORAES,SOLTA DISCURSO FORTE CONTRA UM CANALHA AMERICANO,MILIONÁRIO,ELON MUSK, POR  ACHAR QUE TEM PODER,  VIA SUA REDE SOCIAL X, E ABJURAR A DEMOCRACIA DO PAÍS E TENTAR AVANÇAR CONTRA O QUE PRESCREVE NOSSO ORDENAMENTO JURÍDICO.

HÁ NECESSIDADE  DE CONTROLE DO POTENCIAL INSTRUMENTAL DO NOVO POPULISMO DIGITAL,CASO DO X -TWITTER .POR OUTRO LADO QUE SIRVA DE ATENÇÃO AO GRUPO  META-FACE-INSTAGRAN-WHATSAPP, BEM COMO DAS DEMAIS BIG TECHS- ALPHABET-GOOGLE, AMAZON,MICROSOFT E APPLE, PARA QUE NÃO SE ARVOREM A PROPOSTAS NAZISTAS, JÁ BASTAM ALGUMAS IMPOSIÇÕES AUTORITÁRIAS DENTRO DOS SEUS FORMATOS INSTRUMENTAIS, OU DE SEUS SISTEMAS FUNCIONAIS

NOSSA DEMOCRACIA ESTARÁ AQUARTELADA PELO NOSSO DIREITO POSITIVO PARA  PUNIR QUALQUER REDE, COMO A DESTE AMERICANO, QUE OUSA INSURRGIR-SE CONTRA OS PRINCÍPIOS DEMOCRÁTICOS DO BRASIL E DA AMÉRICA LATINA.

sábado, 6 de abril de 2024

O POETA DA INFÂNCIA TERMINOU A CAÇAROLA E FOI-SE,ACABOU ZIRALDO




                                                      FOTO DIVULGAÇÃO



 O POETA DA INFÂNCIA TERMINOU A CAÇAROLA E FOI-SE,ACABOU,ALIÁS

SÓ O LEMBRAMO,TEM DÉCADAS,S QUANDO SE VAI AO CAIXÃO,PENA!

O POETA DA INFÂNCIA TERMINOU A CAÇAROLA E FOI-SE,ACABOU

Ziraldo Alves Pinto foi um cartunista, chargista, pintor, escritor, dramaturgo, cartazista, caricaturista, poeta, cronista, desenhista, apresentador, humorista e jornalista brasileiro. É o criador de personagens famosos, como o Menino Maluquinho, e é, um dos mais conhecidos e aclamados escritores infantis do Brasil. Wikipédia
Nascimento: 24 de outubro de 1932, Caratinga, Minas Gerais
Falecimento: 6 de abril de 2024 POR GOOGLE

POR UOL

"Ziraldo Alves Pinto nasceu em 24 de outubro de 1932, em Caratinga, estado de Minas Gerais. Seu nome é resultado da união entre os nomes de seus pais (Zizinha e Geraldo). Com seis anos de idade, publicou seu primeiro desenho, no jornal Folha de Minas. Com 12 anos, começou a escrever histórias em quadrinhos com o personagem capitão Tex.


Tinha 16 anos quando se mudou para o Rio de Janeiro, onde trabalhou, como ilustrador, para a revista Coração. Em 1949, publicou sua primeira história em quadrinhos. Já em 1954, trabalhou para o jornal Folha de Minas. Também estudava Direito na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), onde se formou em 1957.


Logo depois fez uma viagem à Europa. De volta ao Brasil, não exerceu a profissão de advogado. Por essa época, também publicava nas revistas A Cigarra e O Cruzeiro. Foi um dos pioneiros das revistas em quadrinhos no Brasil quando editou, em 1960, a Turma do Pererê.


O cartunista começou a ser conhecido nacionalmente quando, em 1963, passou a desenhar para o Jornal do Brasil. No ano seguinte, com o início da Ditadura Militar, a Turma do Pererê deixou de ser publicada. Já em 1969, foi um dos fundadores do periódico O Pasquim, jornal sob a mira do regime militar."


Veja mais sobre "Ziraldo" em: https://brasilescola.uol.com.br/literatura/ziraldo.htm

segunda-feira, 1 de abril de 2024

DITADURA JAMAIS-!!!!FUI VÍTIMA DE PERSEGIÇÃO E TORTURA PSÍQUICA 4 o EXEÉCRITO RECIFE-PE

               CIENTISTAS FIOCRUZ TORTURADOS CASSADOS DITADURA GOLPE 1964




 





 

México: a esquerda pode chegar ao poder ...POR OUTRAS PALAVRAS

Foto publicado no site Mujer Mexicana

 

O MÉXICO É VALENTE E MEXE , MEXE E TÁ NAS URNAS E A ESQUERDA VAI.ISTO É BOM PARA A LATINA.FORÇA  GOVERNADORA.L.OBRADOR COM ELA.



Governadora por 6 anos da capital, Claudia Sheinbaum lidera a disputa pela presidência. Forjou-se nas revoltas estudantis. Propõe ampliar a opção pelas maiorias excluídas. Apoiada por López Obrador, está desafiada a ir muito além…


1º de outubro de 1991. O Stanford Daily noticia em sua primeira página um protesto de estudantes contra Carlos Salinas de Gortari, o presidente do México que discursou naquela universidade estadunidense para promover o neoliberalismo, do qual era um de seus principais e mais aplaudidos expoentes latino-americanos. O artigo é acompanhado por uma fotografia em preto e branco dos manifestantes. No centro está uma jovem mexicana de rosto altivo, cabelos presos atrás por uma faixa e camisa de manga curta que, com os braços enérgicos erguidos, exibe uma faixa em que lê: Fair Trade and Democracy Now! (Comércio Justo e Democracia Agora!). Ao lado, outro cartaz sugere fraude ao perguntar quantas pessoas mortas votaram nas eleições presidenciais mexicanas de 1988; em outro diz: “México, a ditadura perfeita”, frase que se tornou lugar-comum e que resume a vida política de um país em que o mesmo partido venceu durante décadas.

O nome da jovem é Claudia Sheinbaum Pardo. Ela é uma física de 29 anos que se formou na Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM) e faz estágio acadêmico em Stanford. Na bagagem transfronteiriça carrega um intenso ativismo político que combina o seu recente protagonismo numa histórica greve universitária e o ativismo em favor dos direitos humanos e da democratização do país.

Três décadas depois, a cientista publica em suas redes sociais a capa amarelada do Stanford Daily para lembrar que durante toda a sua vida lutou contra o neoliberalismo. Que ela sempre foi uma liderança de esquerda. Essa congruência é um dos seus valores políticos.

LEIA TODA MATÉRIA EM-https://bit.ly/3VJPUqv