REDES

segunda-feira, 16 de setembro de 2019

EXPLICANDO AOS NOSSOS LEITORES O BLOG


Livro - Relações Obscenas, as revelações do The Intercept Capturas do Face



http://bit.ly/2kpq6AU 

Angela Carrato nos manda pelo Facebook aviso de lançamento Livro-17 de setembro, às 18:30, na Faculdade de Direito da UFMG

*Livro Relações Obscenas, as revelações do The Intercept será lançado em BH amanhã, em Beagá. O lançamento será precedido de debate com os autores mineiros, envolvendo direito e mídia.
O Instituto Defesa da Classe Trabalhadora (Declatra/MG) e a Associação Brasileira de Juristas pela Democracia – Núcleo Minas Gerais lançam nesta terça-feira, 17 de setembro, às 18:30, na Faculdade de Direito da UFMG, o livro Relações Obscenas, as revelações do The Intercept/BR, coordenados por Wilson Ramos Filho, Maria Inês Nassif, Hugo Cavalcanti Melo Filho e Mírian Gonçalves.
Os mais de sessenta autores analisam as revelações contidas no The Intercept e abordam as relações entre Ministério Público Federal, Poder Judiciário e integrantes da extrema direita brasileira. Uma das coordenadoras da publicação, Maria Inês Nassif destaca o ditado popular para representar o atual cenário no país: “aos amigos, tudo; aos inimigos, a lei”. Para ela, a lei varia a depender do objetivo político de quem a executa.
“A subversão institucional, o desapego às garantias democráticas, o poder de coação policial e política, os interesses em jogo, o grau de destruição do país e de seu povo, o desprezo à soberania nacional e a total ausência de humanidade são elementos que retratam a história brasileira atualmente”, conclui.
São coautores da obra, os mineiros: Eliara Santana (jornalista e doutoranda em Estudos Linguísticos); Ângela Carrato (professora do Departamento de Comunicação Social da UFMG); Isabela Corby (pesquisadora da Linha História, Poder e Liberdade da Faculdade de Direito e Ciências do Estado pela UFMG); Alexandre Bahia (professor-adjunto do Departamento de Direito da Universidade Federal de Ouro Preto e do IBMEC-BH); Marcelo Cattoni (coordenador do Programa de Pós-Graduação da UFMG); Eder Bonfim Rodrigues (membro do Instituto Brasileiro de Direito Constitucional); Leonardo Isaac Yarochewsky (mestre e doutor em Direito pela UFMG).
*Lançamento do livro Relações Obscenas, as revelações do The Intercept/BR*
17 de setembro – 18:30
Faculdade de Direito da UFMG
Av. João Pinheiro 100, Centro – BH/MG

Opinião Pernambuco Clarice Lispector -A Paixão Segundo G.H. - 50 Anos


TV UNIVERSITÁRIA - RECIFE, PE- A MAIS ANTIGA TV PÚBLICA DO PAÍS

CRÍTICA AO DESASTRE DO BRASIL- CANNES-

PALAVRAS DE GRANDES BRASILEIROS DO NORDESTE (DO BRASIL) E SUAS CRÍTICAS AO ATUAL DESGOVERNO DO PAÍS.
Vale ver todo vídeo...vejam

domingo, 15 de setembro de 2019

FATOS DA SEMANA 14.09 2019 Recuento: ¿Quién pone los límites a Israel?

Índice de aprovações despencou -BOLSONARO-




FOTO: CAROLINA ANTUNES/PR

ATÉ QUANDO SUPORTAREMOS UMA EXCRESCÊNCIA DESTA NO MAIOR PAÍS DA A. LATINA,PRODUZINDO A DETERIORAÇÃO DO BRASIL E BRASILEIROS SENDO DIZIMADOS.MEIO AMBIENTE EM MORTE E XENOFOBIA


Vejam matéria CARTA CAPITAL-COMPREM A REVISTA !


Índice de aprovações despencou de 57% para 41%; decreto de flexibilização da posse e do porte de armas é principal queixa

O índice de avaliação negativa sobre o governo de Jair Bolsonaro (PSL) subiu de 19% em fevereiro para 39,5% em agosto, segundo pesquisa de opinião divulgada pela CNT/MDA, nesta segunda-feira 26.
O número de pessoas que classificam o governo como ótimo ou bom é de 29,4% dos entrevistados, um número 10% abaixo em comparação aos que consideram a gestão ruim ou péssima. A porcentagem dos que avaliam o governo como regular é de 29,1%.
O estudo também mostrou que o número de eleitores que desaprovam o desempenho pessoal de Bolsonaro é de 53,7%, quase o dobro dos 28% apresentados em fevereiro deste ano. O índice dos que aprovam o governo é de 41%, 16 pontos a menos que no início do ano, quando o presidente da República marcou 57% de aprovação.
Para 22,4%, não há nenhuma ação positiva no atual governo. Apenas 6% dizem que a gestão não apresenta nenhuma ação negativa.
http://bit.ly/2kMNPuL

A BOA PAMONHA EM TEMPOS DIFÍCEIS capturas do FACE

como montar 



O prof Aldo Ambrozio ,por seu face,  envia-post de MICHEL .C LABAKI- palavras em crônica boa,vejam abaixo:

Crônica brilhante do amigo Michel Chebel Labaki:
“CENA PAULISTANA 4
Hoje cedo estava na fila da lotérica do Shopping Butantã, quando uma das funcionárias avisou que o sistema estava fora do ar.
Pediu que fosse formada uma fila única até o sistema voltar. As três filas, incluindo a de idosos e a fila só para jogos se transformaram numa fila só.
Metade das pessoas desistiram e eu fiquei um pouco mais pensando que não adiantaria procurar outra lotérica, uma vez que o sistema deveria ter caído para todas as lotéricas da região.
Na minha frente estava uma senhora que também resolveu ficar e esperar o sistema voltar.
Aí começamos a conversar, aquelas conversas típicas de quem está na fila esperando o sistema voltar.
Ela puxou assunto:
-- Será que vai demorar? Preciso apenas pagar uma conta de luz, que vai vencer no dia 25, mas eu gosto de pagar antes para ficar livre dessa preocupação.
-- Não deve demorar muito não. Vou esperar um pouco. Quero dar um palpite na Mega Sena. O prêmio está acumulado em R$ 100 milhões, o que é uma quantia que poderá melhorar meu fim de semana.
-- Eu não. Só quero pagar esta conta e voltar para o meu trabalho. Será que o Carrefour aceita pagamento de contas?
-- Acho que não. Acho que eles só aceitam pagamento do cartão Carrefour. Mas, como a senhora vai pagar com dinheiro, qualquer agência bancária aceita o pagamento. Onde a senhora trabalha?
-- Trabalho no Sacolão da Vila Sônia. Mas lá não tem lotérica.
-- A senhora tem alguma barraca de frutas ou verduras lá no Sacolão?
-- Não, eu sou provadora.
-- Provadora? Do que?
-- A empresa que eu trabalho tem diversas barracas de pamonha pela cidade, pamonha doce ou salgada. E eu provo a pamonha para poder liberar para as vendas. Cada dia eu trabalho em um lugar.
O meu espanto pela ignorância de saber que existia essa profissão, provadora de pamonha, foi muito grande. Comecei a gostar da empresa, que para garantir a qualidade das suas pamonhas, contratava provadoras.
Ela percebeu meu espanto e continuou:
-- Sou provadora de café também. Mas no momento não estou provando café. Apenas pamonha.
-- Que coisa boa! E como é sua relação com a empresa? Eles te pagam como? Por dia, por lote, como é o seu pagamento?
-- Nada disso. Sou registrada. Carteira assinada e tudo mais, todos os direitos, 13º, férias, FGTS. Eu trabalho com muita satisfação nessa empresa. Provando pamonhas.
E nós dois caímos na risada.
Fiquei pensando que eu gostaria de ficar provando pamonhas. Como seria o treinamento para passar no teste de provador de pamonhas?
Mas, desisti de perguntar pois não poderia ficar provando pamonhas por aí, devido ao risco de aumento na taxa de glicose.
Fiquei feliz de saber que uma empresa que fabrica pamonhas garante a qualidade de seus produtos e registra seus funcionários, nesta época de redução de direitos e de flexibilização nas relações de trabalho.
Nem tudo está perdido!”

La luchadora mapuche habla de su primer libro


Imagen: Constanza Niscovolos
PAGINA12 - Argentina-B Aires-  http://bit.ly/2kgPmZU- oferta uma matéria excelente de uma lutadora de etnia -mapuche-da área da Patagônia-Argentina- e que a autora compara com uma Palestina Latina.Vale ler a matéria e comprar seu livro


La luchadora mapuche habla de su primer libro y de la importancia política de que el Encuentro de Mujeres sea Plurinacional
Moira Millán, guardiana de la memoria  Por Luciana Peker
Millán publicó su primera novela, El tren del olvido, que recorre la historia de la Patagonia, una trama cruzada por los ferrocarriles, el amor y la lengua mapuche por una inclusión identitaria real. Activista incansable, milita por que los Encuentros de Mujeres sean plurinacionales para tejer un proyecto colectivo y transversal, pero explica por qué no va a asistir este año a La Plata.
-Mi abuela solía decir que los antiguos recordaban con lágrimas la Campaña del Desierto. Los que sobrevivieron el genocidio fueron empujados hacia el sur, recluidos en campos de concentración y torturas, obligados a caminar miles de kilómetros en las deportaciones de la muerte. Eran llevados por la zafra azucarera y otros trabajos forzados en territorios de norte, comienza el libro de Moira Millán, destinado a un público masivo, situado en la Patagonia (Puelwillimapu) y desde el amor, como un lenguaje explícito.
Leia toda matéria em :http://bit.ly/2kgPmZU

sexta-feira, 13 de setembro de 2019

Opinião Pernambuco - "O Teatro de Luiz Marinho" DRAMATURGO


TV UNIVERSITÁRIA DE PERNAMBUCO-RECIFE - A MAIS ANTIGA TV PÚBLICA DO BRASIL

Bacurau - A História por trás do filme!!!


Elecciones presidenciales Uruguay 2019 - Cartas sobre la mesa

Brasil: músicos se unen en tambores de la paz

Um fio de Ariadne também nasce das mãos que se unem na luta contra a barbárie.

Facebook https://www.facebook.com/eltonluizleitedesouza.souza



Sempre conosco pela sua arqueologia epistêmica ao escrever , cá está conosco Elton. L.L de Souza. Capturamos pelo seu face.
Didático e de tiro ao alvo correto -seu olho e pensar acertam , atacam exato o ponto que deseja destrinchar : Leiam


A filosofia grega atendia por um nome : “Sofia” (“Sabedoria”). Não se deve confundir “Sofia” com “Razão”. Em grego, a palavra “Razão” é masculina e tinha em Zeus um dos seus símbolos. Porém Zeus não era a Sabedoria: esta nasceu dele como sua filha ou obra. Sofia é filha de Zeus com Métis. 
Os romanos traduziram “Métis” por “Prudência”. Porém a palavra “prudência” não traduz a riqueza semântica da “Métis” original grega. Pois “Métis” também é a deusa das “habilidades”. Não habilidade meramente técnica, mas habilidade no sentido de produzir em nós um querer, uma consistência, uma perseverança, um agir. À Métis também está associada a ideia de “saúde” enquanto cuidado consigo e com os outros. 
A palavra “caute” , base da Ética de Espinosa, provém dessa noção de métis enquanto medicina do corpo e da mente. Uma das características de “Métis” é que ela era capaz de metamorfoses, de devires. Então, Zeus, o deus da razão, buscou na metamorfose de Métis uma nova saúde , uma saúde unindo pensamento e ação. 
De certo modo, a razão buscou sua saúde para além dela mesma, como se a simples razão fosse , sozinha, doença. Mesmo a razão precisa aprender habilidades que a pura razão não ensina. As habilidades de Métis são artes que unem o pensar ao agir. E foi desse agenciamento mais afetivo do que teórico , mais artístico e poético do que acadêmico, que nasceu Atena, Sofia. Os teóricos da razão inspiram-se em Zeus, mas os pensadores são enamorados e apaixonados por Sofia: e por essa paixão não apenas pensam, como também agem e criam.
Segundo Nietzsche, a filosofia contemporânea atende por outro nome, um nome feminino também : “Ariadne”. Ariadne significa “aranha”, pois Ariadne é tecedora de fios, fios que ela tira de seu próprio ventre, como a “linha de fuga” ensinada por Deleuze. Os gregos inventaram a democracia e admiravam o cosmos, a natureza. Hoje, ao contrário, as mesmas forças reativas que negam a democracia também destroem a natureza. Ariadne simboliza a necessidade de um fio que nos agencie 
Um fio de Ariadne também nasce das mãos que se unem na luta contra a barbárie.

“Eu não vou sucumbir
Eu não vou sucumbir
Avisa na hora que tremer o chão
Amiga, é agora, segura a minha mão”.
( LIBERTAÇÃO/ Elza Soares)

Entrevista con Jorge Gestoso: Conversamos con Alex Main

BRASIL APARECE NA ENTREVISTA JUNTO COM CUBA
VEJAM TODO!

quinta-feira, 12 de setembro de 2019

"Jogaram a gente num navio negreiro", diz Preta Ferreira


A INJUSTIÇA, O CONLUIO É O QUE IMPERA NO BRASIL
NÃO TEMOS JUSTIÇA-ESTAMOS COM VOCÊ PRETA FERREIRA
MAS VOCÊ SAIRÁ DAÍ ESTAMOS DENUNCIANDO

PARABÉNS BRASIL DE FATO

Documentário - Balé Popular do Recife - Legendado

CULTURA POPULAR DOS BRASILEIROS-
 UM MARCO NA CULTURA PERNAMBUCANA -BRASIL-MERECE SER VISTO

Amazonia, los incendiarios se disfrazan ‎de bomberos


A la cabeza del grupo de presión «ruralista», conformado en realidad por las grandes empresas del negocio ‎agrario, Tereza Cristina Correa da Costa Dias desempeñó un papel importante en la elección del ‎presidente brasileño Jair Bolsonaro… quien la designó después para ser su ministro de ‎Agricultura-por http://bit.ly/2kg7NxW



A Red Voltaire- por Manlio Dinucci, nos apresenta uma mirada real do que está sendo e será os incêndios no Brasil, especificamente na amazônia.A imprensa do país cala-se e se acoloia com o poder das  elites a partir do seu  mandatário e seus ministros comprometidos com a derrubada da Amazônia.A matéria abaixo  mostra os bastidores da vergonha brasileira ,a manipulação e ou com o jogo internacional.Preferimos a repotagem em espanhol, pois em português até o título ficou alterado-Amazónia, os incendiários gritam: ’Há fogo!’

Amazonia, los incendiarios se disfrazan ‎de bomberos

Aliados de ayer y enemigos de hoy, eso son los países que ayer invirtieron en Brasil y ‎que favorecieron la explotación indiscriminada de las riquezas de ese país pero que ahora denuncian las consecuencias desastrosas del modelo económico que ellos mismos ‎predican. ‎

 | ROMA (ITALIA) 


Ante la propagación de los incendios en la región amazónica, la cumbre del G7 modificó su orden ‎del día para «enfrentar la urgencia». ‎
Los países miembros del G7 –Francia, Alemania, Reino Unido, Italia, Japón, Canadá y ‎Estados Unidos– se disfrazaron, junto a la Unión Europea, de bomberos del planeta. ‎El presidente francés Emmanuel Macron, en el papel de jefe de esos bomberos, proclamó la ‎alerta: «nuestra casa está en llamas». El presidente estadounidense Donald Trump prometió ‎que Estados Unidos se implicaría a fondo en las labores de extinción del incendio. ‎
Las luces de los grandes medios de difusión se concentran sobre los incendios en Brasil, dejando ‎en la sombra todo lo demás, sobre todo el hecho que la destrucción no afecta sólo la jungla ‎amazónica –cuyas dos terceras partes están en suelo brasileño y que entre 2010 y 2015 ‎se redujo en casi 10 000 kilómetros² al año– sino también las selvas tropicales del África ‎Ecuatorial y del Asia sudoriental. Las selvas tropicales han perdido, como promedio anual, una ‎superficie equivalente a la suma de las regiones italianas de Piemonte [25 402 kilómetros²], ‎Lombardía [23 863 km²] y Véneto [18 399 km²]. Las condiciones de la jungla amazónica y las de ‎las selvas tropicales son diferentes pero la causa fundamental de los incendios es la misma: la ‎explotación intensiva y destructiva de los recursos naturales para sacarles las mayores ganancias. ‎
En la Amazonia se cortan los árboles para explotar las maderas preciosas, que se destinan a la ‎exportación. Esas tierras se vuelven entonces muy frágiles y son abandonadas mientras que ‎se deforestan otras zonas. Se utilizan métodos muy destructivos, que dañan gravemente el ‎medioambiente, para explotar los yacimientos amazónicos de oro, de diamantes, de bauxita, zinc, ‎manganeso, hierro, petróleo y carbón. La construcción de inmensas hidroeléctricas para producir ‎la energía destinada a la actividad industrial también es otra de las causas de la destrucción de la ‎jungla amazónica. ‎
La explotación intensiva y destructiva de la Amazonia está en manos de compañías brasileñas, ‎pero estas están a su vez bajo el control –a través de la compra de acciones, de diversos ‎mecanismos financieros y de redes comerciales– de las principales transnacionales de las ‎potencias miembros del G7 y de otros países. ‎
Por ejemplo, la empresa brasileña JBS –que posee en Brasil 35 instalaciones para la producción ‎de carne, donde se sacrifican cada día 80 000 ejemplares de especies bovinas– tiene sedes en ‎Estados Unidos, Canadá y Australia, pero se halla bajo el control de los grupos financieros que ‎tiene como acreedores: el estadounidense JP Morgan, el británico Barclays (GB) y los grupos ‎financieros alemanes de Volkswagen y Daimler. El grupo brasileño Marfrig, en segundo lugar ‎en importancia después de JBS, se halla en 93% bajo el control de inversionistas estadounidenses, ‎franceses, italianos y de otros países europeos así como canadienses. ‎
Noruega amenaza a Brasil con la adopción de presiones económicas por la destrucción de la ‎Amazonia mientras que la transnacional noruega Hydro –perteneciente al Estado noruego en un ‎‎50%– provoca en el territorio amazónico graves daños medioambientales para explotar ‎yacimientos de bauxita, destinada a la producción de aluminio, al extremo que su actividad está ‎siendo investigada por la justicia brasileña. ‎
Los gobiernos de las potencias del G7 y de otros países que hoy critican públicamente al presidente ‎brasileño Jair Bolsonaro para redorar su imagen ante la reacción de la opinión pública, son ‎precisamente los mismos que favorecieron el ascenso de Bolsonaro al poder para que sus ‎transnacionales tuvieran las manos libres en la explotación de la Amazonia. ‎
Las comunidades indígenas, en cuyos territorios se concentran las actividades ilegales de ‎deforestación, son objeto de ataques. Y eso sucede bajo la mirada impasible de la ministro de ‎Agricultura de Bolsonaro, la señora Tereza Cristina Correa da Costa Dias, proveniente ella misma ‎de una familia de latifundistas con un largo historial de ocupaciones fraudulentas y violentas de ‎tierras pertenecientes a comunidades indígenas. ‎

*Manlio Dinucci

Geógrafo y politólogo. Últimas obras publicadas: Laboratorio di geografia, Zanichelli 2014 ; Diario di viaggio, Zanichelli 2017 ; L’arte della guerra / Annali della strategia Usa/Nato 1990-2016, Zambon 2016. Guerra nucleare. Il giorno prima. Da Hiroshima a oggi: chi e come ci porta alla catastrofe, Zambon 2017; Diario di guerra. Escalation verso la catastrofe (2016 - 2018), Asterios Editores 2018.

terça-feira, 10 de setembro de 2019

Somos: Mil guitarras en homenaje a Víctor Jara

20 Minutos Nacional: Qual deve ser a aliança para derrotar Bol...

A BRUTALIDADE EM ESTADO DE EXCEÇÃO





http://bit.ly/2mbH3PT

O Brasil é um dos países que lidera o extermínio da população substituindo a divisão mais equitativa de renda,investimento em saúde e educação.Vivemos num estado autoritário violento não só no discurso como na ação exterminadora.Assistimos na mídia os fatos reais como ficção de terror em capítulos de uma telenovela brutal, e a tudo isto chamamos ainda democracia.O 247 aponta que:"Dados do Anuário do Fórum Brasileiro de Segurança Pública 2019, divulgado nesta terça-feira (10), mostram que do total dos mortos em decorrência de intervenção policial, entre 2017 e 2018, 75,4% eram pessoas negras. 
Enquanto as pessoas brancas foram 24,4% das vítimas da letalidade policial. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os pretos e pardos representam 55% da população, enquanto os brancos somam 44,2%. " -http://bit.ly/2kdRp0X
Até quando? Paulo Vasconcelos

Vejam abaixo matéria do SPUTINIK-http://bit.ly/2mbH3PT

As forças policiais do Brasil mataram 6.220 pessoas em 2018, o que representa um aumento de 19,6% na comparação com 2017. Os números são do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) e foram divulgados nessa terça-feira (10).São 17 pessoas mortas pela polícia a cada dia. A maior parte destas vítimas é formada por jovens negros: 99,3% são homens, 77,9% tem entre 15 e 29 anos e 75,4% são negros.Em 2018, 343 policiais civis e militares foram assassinados, número 8% menor do que o registrado em 2017. A maior parte destas mortes ocorreu fora de serviço (75%) e a maioria das vítimas também é negra (51,7%).Também houve mais mortes de policiais por suicídio (104 casos) do que em horário de trabalho.
O Brasil registrou 57.341 mortes violentas em 2018, queda de 10,8% ante 2017.A cifra deixa o país com uma taxa de 27,5 homicídios a cada 100 mil habitantes, o mesmo patamar de 2013. Há números de homicídios a cada 100 mil habitantes muito diferentes entre cada Estado. Os mais violentos são: Roraima (66,6), Amapá (57,9), Rio Grande do Norte (55,4) e Pará (54,6); enquanto os mais seguros são: São Paulo (9,5), Santa Catarina (13,3), Minas Gerais (15,4) e Distrito Federal (16,6).
A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera que taxas superiores a 10 homicídios para 100 mil habitantes são de violência epidêmica.O levantamento do Fórum Brasileiro de Segurança Pública também indica que 2018 foi o ano com recorde de registros de estupros, com 66.041 casos, aumento de 4,1% na comparação com 2017 e média de 180 estupros por dia.

OBRIGADO POR ESTAR CONOSCO SIGAM-NOS



segunda-feira, 9 de setembro de 2019

Caboca da Borborema - Participação especial de Chico César


DOIS GRANDES ARTISTAS QUE DIVULGAM  A CULTURA POPULAR BRASILEIRA-VALE VER E PRESTIGIAR.

Não é uma grande esperança, mas é alguma coisa. Para isso, a Lava Jato tem que ser derrotada. Capturas dos Face


Facebok




Mara não foge a luta  diz , persuade, enquadra, explica e por vezes ironiza. Mara é de uma sagacidade de poucos. Perseguida pela sinceridade, pelo dito e qualificado como certo e com argumentos  bem enquadrados.Uma senhora professora da UFMG. Por isto não podemos deixar escapar suas aparições no seu Face. Conheço-a e sei de sua face presencial. Sempre conosco para nos ajudar a vencer a crise um país em surto de imbecilidade 


As matérias da FSP e Intercept de ontem mostram o que todos sabem: o responsável pela eleição de Bolsonaro foi o Lavajatismo.
Lava Jato e Bolsonaro são faces da mesma moeda. O primeiro preparou o terreno para desqualificar a política e os políticos, criando um cenário de terra arrasada. Aqui como alhures o principal vetor de ataque às esquerdas, gerador de crises de representação, é o aumento de volume de notícias e investigações sobre corrupção, associando-a a personagens de esquerda.
Chile, Uruguai, Argentina e Brasil são exemplos de países da América Latina em que as lideranças de esquerda são cotidianamente acusadas de corruptas.
O segundo, Bolsonaro, foi apenas escolhido, sem que ele mesmo se desse conta, para expressar o projeto Lavajatista. Ignóbil, despreparado, língua solta, Bolsonaro, no entanto, se recusou a ser um mero figurante no espetáculo onde Moro brilharia.
Ao contrário, o chucro Presidente revitaliza Lula, envergonha seus midiáticos apoiadores e destrói a Lava Jato para proteger os filhotes e a si mesmo.
Após a divulgação de inúmeros vazamentos fica demonstrado que não bastava desqualificar Lula e seus símbolos: era necessário alcançar o Planalto, nem que para tal antigos aliados do Lavajatismo, como o PSDB, fossem igualmente jogados em cova rasa.
Ocorre que os malfeitos de Moro e seu grupo salvacionista-religioso contavam que Bolsonaro seria servil e que a economia caminharia em céu de brigadeiro.
Não aconteceu. Guedes não conhece as sutilezas da desigualdade brasileira, desconhece os políticos profissionais e os trata como moleques; desconhece que Chicago é Chicago e Brasil é Brasil.
A história ainda não terminou e, se ainda a Lava Jato possui algum apoio popular, hoje a corrupção deixou de ser central entre os problemas apontados como prioritários pela opinião pública.
O desemprego voltou a ser a preocupação dos brasileiros e, possivelmente tal problema será acentuado na percepção do eleitorado, pois se aproximam as eleições municipais e os candidatos à reeleição terão que prestar contas das obras inacabadas, da falta de escolas e de remédios.
Sem crescimento econômico os prefeitos pagam o pato, pois não conseguem gerar as obras prometidas. Terão que dizer algo e esse algo é responsabilidade do governo federal.
Os temas morais continuarão na pauta presidencial, mas não serão suficientes para eleger prefeitos alinhados ao Presidente.
Está tudo muito ruim, 2020 promete mais cortes. Mas, ainda que seja pouco, com alguma estratégia, as eleições de 2020 poderão dar algum refresco Não muito, mas algum.
Não é uma grande esperança, mas é alguma coisa. Para isso, a Lava Jato tem que ser derrotada. Mais que Bolsonaro é ela e seus métodos os principais inimigos da política e da democracia.

Mandela continua sendo o ideal da África do Sul

sábado, 26 de junho de 2010




pensador.com



Mandela continua sendo o ideal da África do Sul
fonte: Último Segundo - Por CELIA W. DUGGER

O ícone agora é um homem bem idoso. Seu cabelo está branco e seu corpo, frágil. Visitantes dizem que Nelson Mandela se apoia pesadamente sobre uma bengala para ir até seu escritório. Ele tira os sapatos, joga-se em uma cadeira com o encosto duro e coloca cada perna em um banquinho almofadado. Sua mulher, Graça Machel, arruma seus pés “para ficarem simétricos, e lhe dá comida na boca”, diz George Bizos, seu advogado e amigo de longa data.


NYT

Nelson Mandela, sua esposa Graça Machel e seu neto Ziyanda
Manaway no aniversário de 91 anos do líder

À esquerda de Mandela há uma pequena mesa com jornais empilhados, no idioma inglês e em africâner, a língua dos brancos que o aprisionaram por 27 anos. A família e seus camaradas estão sentados à sua direita, lado em que sua audição é melhor. Sua memória está fraca, mas ele ainda ama relembrar velhas histórias, contar outras já contadas tantas vezes “como pedras polidas”, como descreveu um visitante.

“Ele tem uma tranquilidade”, disse Barbara Masekela, sua chefe de gabinete, após ter sido libertado da prisão em 1990. “Eu me vejo tentando diverti-lo, e sinto uma imensa alegria quando ele explode em gargalhadas”.

Mandela, talvez o estadista mais adorado do mundo e humorista por natureza, anunciou repetidamente o fim de sua carreira pública, mantendo sua presença apenas em concertos para homenageá-lo ou comícios políticos. Mas, recentemente, ao cancelar seus compromissos, rumores de que ele estaria muito doente causou tanto turbilhão que sua fundação divulgou um comunicado dizendo que ele estava “como se espera que qualquer pessoa de 91 anos esteja”.

Mas ainda que Mandela desapareça de vista, ele mantém um lugar vital na consciência da população do país. Para muitos, ele ainda é o ideal de um líder – carismático, magnânimo, pronto para confessar suas falhas -, de acordo com o qual seus sucessores políticos são comparados e, frequentemente, deixam a desejar. Ele é o fundador cujos valores continuam a delinear a nação.

“É a ideia de Nelson Mandela que mantém a cola que une a África do Sul”, disse Mondli Makhanya, editor-chefe do “Sunday Times”. “Quanto mais velho e frágil ele se torna, quanto mais próximo se torna o inevitável, mais ainda tememos esse momento. Há o amor do homem, mas também há a questão: quem nos manterá unidos?”

Há uma saudade dos dias felizes quando a África do Sul acabou pacificamente com o domínio branco racista, e um homem com um grande coração e com um desejo de entender o imperfeito encarnou esse momento. Por causa disso, muitos historiadores e jornalistas estão trabalhando em uma nova rodada de livros sobre Mandela.

A Fundação Nelson Mandela concordou no mês passado em vender os direitos para um livro, “Conversations to Myself” (Conversas comigo mesmo, em tradução livre), para editoras de 20 países, com base no material dos papéis particulares de Mandela – anotações em envelopes, diários, calendários de mesa, rascunhos de cartas pessoais escritas aos parentes enquanto estava preso e documentos dos anos em que foi o primeiro presidente negro eleito democraticamente na África do Sul.

Seus amigos mais antigos, resolutos na luta contra o apartheid (como era chamada a segregação racial na África do Sul), ainda o visitam. Bizos, que frequentou a escola de direito com Mandela em 1940, disse que Machel se preocupava com que Mandela ficasse sozinho quando ela não estivesse na cidade, e que ele comia bem pouco sem sua companhia. Então, de tempos em tempos, Bizos recebe uma ligação da mulher que cuida da casa deles, que o convida para o almoço.

Mandela senta na ponta de uma grande mesa, com Bizos à sua direita. Eles apreciam o prato preferido – rabada ao molho de tomate – e falam sobre os velhos tempos. Mandela conta como ele entrou uma vez em uma aula da escola de direito e se sentou perto de um colega branco com orelhas grandes, o qual imediatamente mudou de lugar e evitou sentar próximo de outro negro. Mandela queria tê-lo convidado para a 50ª reunião da turma da University of the Witwatersrand em 1999, mas o homem já tinha morrido.

“Ele repete isso de tempos em tempos”, disse Bizos. “Ele se arrepende de não ter tido a oportunidade de conhecê-lo. Ele lhe teria dito, ‘você se lembra daquele dia? Mas, por favor, não se preocupe. Eu o perdoo’”.

O desejo de Mandela é ser enterrado ao lado de seus ancestrais em Qunu, na província de Eastern Cape, onde ele passou os anos mais felizes de sua infância. Em sua autobiografia, ele descreve o lugar como pequeno, com cabanas em forma de colmeia e telhados feitos com grama.

“Foi nos campos”, ele escreve, “que eu aprendi como acertar pássaros no céu com estilingue, pegar mel silvestre, frutas e raízes comestíveis, a beber leite quente e doce tirado da teta da vaca, a nadar no riacho límpido e gelado e a pescar peixes com pedaços de arame retorcido e afiado”.


Por CELIA W. DUGGER

FATOS DA SEMANA QUE PASSOU-Recuento-HISPANTV

As relações entre signo linguagem, estereótipo. e sexualidade-UM POUCO DE TEORIA


PAULO VASCONCELOS -ECA-USP

AH! ESSA LINGUAGEM.

Eu tenho a medida que designo- e este é o esplendor de se ter uma linguagem. Mas eu tenho muito mais a medida que não consigo designar. A realidade é a matéria prima, a linguagem é o modo como vou buscá-la- e como não acho. Mas é do buscar e não achar que nasce o que eu não conhecia, e que instantaneamente reconheço. A linguagem é o meu esforço humano.Por destino tenho que ir buscar e por destino volto com a s mãos
vazias. Mas- volto com o indizível. O indizível só me poderá ser dado através do fracasso da linguagem. Só quando falta a construção é que obtenho o que ela não conseguiu. (Lispector-PSGH,178-1989)

Clarice Lispector ao falar sobre a criação constrói reflexão sobre a linguagem. Para ela a linguagem é da condição humana. Somente nós, os humanos, podemos falar na linguagem e pela linguagem. Sem a linguagem estaríamos no caos, a ordem não se estabeleceria, nem tão pouco a inteligência, nem o pensamento.

Benveniste lembra que uma das funções da Linguagem é -reproduzir a realidade. Na verdade, como lembra Garcia- Roza - não é reproduzir no sentido de fazê-la em fac-símile-, mas -produzir .novamente. E ainda como lembra este último, não é apenas o mundo que é criado pela linguagem, mas o próprio pensamento. Afinal destaca Benveniste que não há pensamento sem linguagem, sem linguagem não há o que se pensar do -Mundo humano. Sem linguagem o “mundo humano desaparece. “

Sublinha ainda Garcia- Roza que:

“ É nesta medida que , ao reproduzir a realidade, a linguagem o faz segundo a organização que é a sua, de tal modo que a reprodução é na verdade uma recriação constante. A ordem da realidade e a ordem do discurso são indissociáveis.” (Garcia- (Roza: 1991))

Destaque-se ainda que é com os Gregos- na conceituação do -LOGOS - onde se implicam- discurso e razão ao mesmo tempo.

Mas, indo por parte, a linguagem é sobretudo a ligação - o ligare - entre o sujeito e o mundo. Esta mediação sujeito e o mundo é do contexto do SIGNO, por isso nós podemos dizer: EU DESIGNO.

Portanto pelo signo eu construo a linguagem, e digo, e tenho o meu pensamento. A linguagem, é o modo, a via pela qual eu me estabeleço como sujeito do enunciado, da palavra, do pensamento e da linguagem..

A linguagem, assim como , o signo são do contexto humano e social. O social, nas sua relações constróem a trama de sentidos, significados, onde a linguagem busca sua matéria prima. A linguagem e, por conseqüência ,a comunicação realizam a condição humana, a medida que designa, ordena , nomeia e qualifica.
Clarice destaca isto ao afirmar. A liguagem é meu esforço humano- esforço em produzir sentido- significado, ou mesmo , ligar seu sentido - pessoal- ao que se vislumbra pelo mundo- mundo- do social onde a linguagem vai - buscar. significado.

Se faz necessário que de antemão superemos como diz Santaella, “o preconceito verbalista”, que restringe o termo linguagem apenas à -linguagem .verbal.(Santaella:1993)

Sem absolutamente deixar de reconhecer sua “onipresença”, até mesmo pela sua condição de poder significar , a maneira como a linguagem constrói suas significações, e assim compõe sua função metalinguísitca ou metasemiótica, a linguagem no entanto não se reduz a linguagem verbal.

Aponta Santaella a diferença entre -língua e linguagem verbal:

“ Enquanto língua refere-se exclusivamente a linguagem verbal,. linguagem refere-se a qualquer tipo possível de produção de sentido, por mais ambíguo, vago e indefinido que seja. É assim que a poesia é muito mais linguagem do que a língua e é assim também que o cinema e a música, por exemplo , são linguagens sem serem línguas”(Santaella: in Comunicação & Política :1993)

Santalella complementa sua compreensão em torno de Linguagem ao afirmar que - tudo é linguagem. Deste modo tudo aquilo que é captado pelos nossos sentidos, portanto, percepcionados, e elaborados cognitivamente se põe na esfera dos paradigmas do que vem a ser “linguagem no sentido lato.’ Assim ‘ linguagem seria tudo aquilo que é capaz de tornar presente um ausente para alguém, produzindo nesse alguém um efeito interpretativo”.(Santaella;1993)

Se tomamos a frase de Clarice que diz:

“Por destino tenho que ir buscar e por destino volto com as mãos vazias. Mas - volto com o indízivel”.

A isto chamaríamos de efeito interpretativo, ou seja, esse vago continuum que se interpola entre nós e as coisas. Na medida em que nos leva a compreensão, nos leva também a nos por ao longe daquilo que vemos ou queremos entender, ou como adjetiva Santaella , “como um espetáculo adverso entre aquele que vê e aquilo que é visto (Santaella Comunicação & Política: 1993)

Neste sentido, a linguagem - tenta representar- ou ousa representar- Buscar pela palavra o real, buscar na escritura o dízível é deparar-se com o indízivel,.ë como se fora o real demasiado para subsistir ao amalgamento da escritura que é reducionista, não inteiramente palpável, mas, como diria Barthes, - esse é o desejo da palavra, ou “o real não é representável, e é porque os homens querem constantemente representá-lo por palavras que há uma história da literatura.... que não haja paralelismo entre o real e a linguagem, com isso os homens não se conformam.”(Barthes:19

Se os homens não se conformam, e é com este incorformismo ou ressentimento Nietzscheano, que se abrem as portas da criação, do exprimível, e com isso se elabora um mundo humano demasiadamente humano que é da esfera do imaginário, que se confronta com o real- hipótese-, e dai criam-se as verdades do possível humano. Isso para Barthes seria o poder de fomentar a criação de significados ou o campo da semiose- o signo em ação. Aqui nos deparamos com a força da Semiótica, no sentido de estudar as malhas e teias dos significados, para entender melhor as linguagens e todo o seu manancial ideológico que naquela se interpõe.

O SIGNO - SUA FENDA-

O signo é a grande tessitura das linguagens. Ele constrói uma realidade interpretando aquilo que é dito como realidade. O signo é a manifestação do saber humano através do qual construímos nossa humanização e garantimos o conhecimento.

Charles Sanders Peirce (1839\1914), filósofo americano dedicado ao estudo do pragmatismo. O termo -semiótica foi utilizado por ele, criando uma disciplina, ou uma teoria geral dos signos. A sua teoria ou projeto semiótico, é uma doutrina quase necessária ou formal dos signos. Para ele, todo o pensamento é um signo, sendo o homem um signo.

Para Peirce o signo ou representamem é um primeiro que está em genuína relação triádica com o segundo, chamado seu objeto, de forma a ser capaz de determinar que um terceiro chamado interpretante, assuma a mesma relação triádica(como objeto) que ele mesmo mantem em relação a ele mesmo. Peirce consegue no seu projeto superar a relação diádica Saussureana que prevê a existência no signo de um significante\significado.Ele cria a figura do interpretante, que nada mais é que um signo de outro signo.(Rodrigues:1991)

Assim um significado de um signo será sempre um outro signo. Umberto Eco dá exemplo disto, através da figura do dicionário, em que apalavra remete a outra e assim sucessivamente. O significado peirceano é um processo significante que se desenvolve por relações triádicas sendo o interpretante o resultado ou o signo\resultado in continuum que produz esse processo interpretante.

Distintamente de Saussure, Peirce formula uma teoria do signo a partir da totalidade do conhecimento, confundindo-se com uma verdadeira lógica. Já para Saussure sua teoria se formulava a partir da linguagem..

Ao observar a definição do signo em Peirce pode-se melhor perceber os detalhamentos e implicações do signo com relação a realidade e sua possível forma de captá-la:

“um signo ou representamem é algo que sob certo aspecto ou de algum modo representa alguma coisa para alguém. Isto é , cria na mente dessa pessoa um signo equivalente ou talvez um signo melhor desenvolvido. Ao signo assim criado denomino interpretante do primeiro signo.”(Peirce:1984)

Ora a representação sígnica ocorre por captação do possível e de parte da realidade, assim vejamos, decoupage de seus elementos:

.um signo é uma coisa que representa uma outra coisa - seu objeto;

.o signo só pode ter sua eficácia se funcionar como tal se carregar o poder de representar, ou seja de substituir, uma outra coisa diferente dele;

. o signo representa sob um certo aspecto- ou por um certo modo de assim poder captar ou querer captar.o representado

.do captado é erguido um novo signo equivalente, ou talvez mais adaptado.

.o signo representa a coisa ou o objeto para um intérprete;

.o interpretante não se refere ao intérprete pessoas, mas a uma relação que se cria na mente .

.a relação da representação que o signo mantêm com seu objeto produz na mente interpretadora um outro signo que traduz o significado do primeiro.

Por essas características, e mais se observarmos a origem do termo signo percebemos a
faceta dele em não poder ser um verdadeiro espelho do que é captado. Ele é sempre uma tentativa de representação do real..

Também , a partir de sua origem etimológica -Signo- vem da palavra grega -sec mon- que quer dizer cortar, extrair parte. Daí, .ter-se uma busca de síntese - de um lado, o que se quer representar, e o possível da representação.

Volochinov- pertencente ao círculo de Bakhtin ao propor uma definição do signo o faz tomando por referência a imagem especular, e com isto informa com precisão a duplicidade paradoxal do signo como algo que é, a um só tempo, ele mesmo e um outro.

Santaella interpretando Volochinov assim se coloca:

“Todo signo é, em maior ou menor medida, uma espécie de imagem especular: o signo não é apenas um corpo físico que habita a realidade , mas também é capaz de refletir esta realidade de que ele é parte e que está fora dele.”(Santaella : 1992)

A autora destaca que a medida que o signo se põe como imagem - especular- esse espelhar necessariamente transfigura, deforma a realidade sem nenhuma escapatória. O signo segundo, interpretante do primeiro é um outro que não é o mesmo - o primeiro. Portanto o signo é sempre um que está no lugar do outro, e entre ele e o outro fixa-se uma fenda , uma brecha, uma deformação, ou incompletude.

Na verdade o signo, mesmo enquanto vontade de representação é a própria presença do incompleto ou da falta, face a realidade inatingível, mas ao mesmo tempo ele é a única escapatória para o possível da mediação entre realidade e a representação.

Para observar a vontade de representação da palavra ,e a possível consciência da realidade temos em caráter exemplar o fragmento do poema de Manoel de Barros: Uma didática da invenção in O Livro das Ignorãças

“O rio que fazia uma volta atrás de nossa casa
era a imagem de um vidro mole que fazia uma volta atrás de casa.
Passou um homem depois e disse : Essa Volta que o rio faz trás de sua casa se chama enseada.
Não era mais a imagem de uma cobra de vidro
que fazia uma volta atrás de casa.
Era uma enseada.
Acho que o nome empobreceu a imagem.( Barros :1993)

OS ESTEREÓTIPOS.

Já observamos a forma tendenciosa da linguagem, seja pela condição da impossibilidade total da representação, seja pelo tendencioso ideológico imanente ao contexto sócio-político e econômico.

Uma das formas de falsa representação ou por decorrência ideológica , tem-se o estereótipo.
Introduzido nos estudos de Comunicação por Walter Lippman, aquele termo se constitui fato observável no campo das linguagens, especificamente na Linguagem verbal.
Não só a lingüística, a Comunicação, assim como a Psicologia Social tem se debruçado sobre o estereótipo no sentido de estudá-lo cercando seu campo de ação, sua conceituação e características.

Lippmam ao definir o estereótipo o faz afirmando que ele designa uma opnião preconcebida acerca de atributos exteriores. Caracteriza ainda aquele autor o estereótipo como sendo um mecanismo que ajuda na economia do pensamento que organiza nossa experiência dando lugar as generalizações(Lippman:1972).

Pa ra Lippmann a experiência observada e retida se afigura na maioria das vezes como algo selecionado do que foi retido.Para ele os fatos que absorvemos, se fazem por um mecanismo econômico, no sentido de rete-lo por uma posição em que me encontro, e somado a isto, pela perspectiva de nossos olhos.Este mecanismo dá lugar a uma economia do pensamento, mas a sua deformação respectiva.

Chama ele atenção para o fato de que na grande maioria das vezes, definimos algo para so depois vermos o definido..Acusa também ele a cultura como repositório do pre-estabelecido, e que ali recolhemos para nossa experência algo ja eivado de estereótipo.

Desse modo imaginamos o mundo , ou as coisas antes mesmo de experimentá-las e as guardamos, produzindo uma ingenuidade perceptiva e individualizada, portanto dentro da angularidade da deformação de nossas experiências subjetivas.E por cima ainda aplicamos tais percepções deformadas com demasiada generalizações.Assim colhemos os fatos nas generalidades, particularizamos sob o nosso angulo perceptivo, e voltamos a aplicá-los a novas generalidades.

Esse aspecto da consistência do estereótipo e sua circulação automatizada, no âmbito do social leva até a pensar que este fato seria de caráter biológico.O que na verdade não é, pois trata-se de uma fato da linguagem e da cultura, mas sua automação é tamanha , que chega-se a comparar com a eficiência do fato biológico.

Na verdade o que se percebe nas palavras de Lippmann é o mecanismo da interpretação, ou dos estereítpos produzidos pela linguagem e sua agregação aos conteúdos da Cultura, e que os indivíduos os acatam com uma credulidade automatizada.

Agnes Heller ao considerar sua ponderações sobre o preconceito, destaca a figura do estereótipo, sublinhando como Lippman o caráter de imposição social , procedido pela cultura, mas destaca o estereótipo num enfoque do Cotidiano.

O caráter da fugacidade ou rapidez do cotidiano também patroicina essa deformidade do pensamento , na figura dos estereótipos.Para Heller a “ultrageneralização “dentro do cotidiano é inevitável.Nosso discurso se embasa em cálculos “probalísticos”, pois pela rapidez do decurso do tempo nos discursos não há tempo para acertivas científicas.

Assim explicita a autora que aquilo que para a ciência é uma opnião, no cotidiano é um saber, mesmo que provisório.

No cotidiano , sublinha a autora, o que queremos, dentro da atividade do trabalho, é “um mínimo de esforço”, o que leva a uma maior integração e rapidez do todo cotidiano, mas não resiste enquanto provisoriedade de juizo e de valores.Pode-se caminhar então a partir do estereótipo para a figuar do preconceito. Por isso aponta a autora que grande parte dos preconceitos se montam e m estruturas estereótipadas.

Eclea Bosi ao refletir sobre o estereótipo principia suas ponderações apontando o caráter ilusório de participação no mundo em que se vive, pois na verdade conhecemos parte e queremos intuir o todo.

Destaca também o caráter da ação e percepção que guia nossa atividade interacional com o mundo, sublinhando o trabalho perceptivo no recolhimentos da interfaces do real , e que nos credencia ao conhecimento e reconhecimento da realidade.

Esse recorte perceptivo do sujeito sobre o objeto é guiado por procedimentos econômicos, do tipo facilitador, onde se apreende “aspectos”do real, ja recortados e confecionados pela cultura.Tal afirmativa da autora confirma as posições anteriores de Lippmann e Heller.

Mas é esse recorte do ja consagrado culturalmente que coincide com o que chamamos de processo de esteriotipia, que da uma aparência ao fato social, ao do fato biológico, face a força como a esteriotipia é apreendida , utilizada na cultura, e como se faz sua circulação no social, aliás tais ponderações foram também feitas por Lippmam..

Ecléa bosi também apresenta como caracterísitca do estereótipo, a tendência a simplicação.No estereótipo tem-se então um resgate de generalidades, eliminação de promenores e detalhes.

Tais experiências são passíveis de superarem a esteretipia quando “a luz de novas experiências” checamos ou corrigimos as impressões generalizadoras iniciais.

A autora considera como destacável o período de socialização da criança, onde ali aparecem as imposições sociais, imbuídas garnde parte das vezes de estruturas estereotipadas, com um estreitamento do campo mental, pelas generalizações apreendidas sobre forma de estereótipos.

Capta-se as imposições dos valores sociais, sem maiores ponderações lógicas ou de objetividade.Se em decorrencia “disto, aparece o que a autora chama de “estreitamento mental”, também como resultante aparecem as submissões e integração social com uma consequente segurança social.

Eclea também partilhando de Heller aponta o coitidiano, como que permeado por esse carater de fugacidade, oque implementa o espiríto generalizador do estereótipo onde se vulgariza o conhecimento, no sentido de consumar seu aspecto superficial, elegendo o mecanismo da opnião, um senso comum ou da aparencia, como forma de verdade.

Schaf, por sua vez, nos seus Ensaios sobre a “Filosofia da Linguagem”, busca aclarar as nuances ou características do estereótipo , uma vez que as caracterizações procedidas sobre esse termo, segundo ele, leva a vinculá-lo a algumas categorias do conhecimento, tal como a do conceito.

Como fica as relações entre conceito e estereótipo?
Aquele autor mostra que tanto o conceito como o estereótipo se ligam a realidade da linguagem, da palavra, portanto do signo. Pelos signos emergem não só os conceitos como os estereótipos. Tal fato se deve a forma em que a representação engendra generalidades , tais como aquelas oriundas e pertinentes aos conceitos.

Assim para Schaff estão relacionados- palavra e conceito, como também palavra e estereótipo.
Afirma ainda o autor que sem conceitos não podemos pensar, ou que, sem palavras que tenham significados concretos é impossível se pensar. Contudo pode-se pensar sem estereótipos, pois estes não correspondem a uma categoria lógica do pensamento, mas sim do nível pragmático.

Sublinha ainda o mesmo autor que o estereótipo surge sobretudo quando se submete a linguagem - a jogos de valorações , vindo a causar demasaiadas generalizações , sem que ai se tenha uma equidade lógica. Podemos, às vezes submeter um conceito a situações deveras generalizadas ou demasiadamente ampla comprometendo o nível lógico do conceito, do pensamento, no que pese permitir uma aparente conformação pragmática.(Schaff:1975)

Exarceba-se pelo conceito uma conformação a um tal assertiva, que não corresponde a devida realidade. Esse talvez seja um dos vieses em que a palavra , como diz Shaff assume sua tirania, e assim o seu estereótipo.

Entendemos ao mesmo tempo que das valorações ocorridas no estereótipo , pode-se estar relacionando a correlações morais do grupo e da cultura , assim como produto de uma forma pre-categorial apressada do pensamento cotidiano submetido as emergências econômicas da pressa da expressão do pensamento.

Barthes ao discorrer sobre a língua, citando Jakobson, afirma que o idioma se define menos pelo que ele permite dizer, de que por aquilo que ele me obriga a diser. Sugere ainda aquele autor que-” falar não é comunicar” como se apregoa, mas sim é sujeitar, pois toda língua é um a “reição generalizada.”(Barthes:1983)

Para Barthes há um poder na língua que a torna fascista, pois ela obriga a dizer, e sublinha ele que em decorrência “ em cada signo dorme este monstro: o estereótipo.”

Eis o nosso destino enquanto sujeitos da linguagem, querer dizer pelo que já foi dito, ou querer dizer o novo através do que posso dizer pelo próximo conhecido- o conceito- ,mas que não é o mesmo que o novo.

Na verdade a linguagem tem o poder de alterar enquanto limitação do poder de representação, ao mesmo tempo ela é reflexo dos mecanismos da cultura, de seus valores, o que implica no mecanismo do estereótipo em ultrageneralizar. O estereótipo é assim um efeito da linguagem , que por sua vez é um efeito ideológico.

Das considerações apresentadas pelos diversos teóricos observamos a presença comum das seguintes características no estereótipo:
.um fenômeno do pensamento\linguagem
.um sentido de economia na formulação da idëia ou do fato ou comportamento
. o cotidiano como contexto propicio para a realização do estereótipo
.um mecanismo de generalização e simplificação. profunda, acenando para a opniào em detrimento da objetividade do conhecimento.
.um mecanismo que permite o aparecimento de alteraçào da realidade, nas suas condições de existência, ensejando o aparecimento das ideologias.

- LINGUAGEM - CORPO SIMBÓLICO \ SEXUALIDADE E ESTEREÓTIPOS.
‘A ANATOMIA É O DESTINO ‘ Freud
LINGUAGEM E PSICANÁLISE

Um dos estereótipos que ainda domina hoje no plano da sexualidade é o da sua correspondência a anatomia ou da genitalidade. A Sexualidade ficou arraiagada ao plano do anatômico, ou ainda na crença- estereótipada do “homem natural “, onde se construía uma outra falácia que era a do Homem- trans-histórico- e Universal..

Corpo- anatomia e genitalidade selavam o destino desse homem natural, decorrente das mentalidades do Sec XVII, de um pensamento mecanicista médico. A reprodução da espécie humana corroborava nesse homem natural, destinado a perpetuar a espécie, e esse destino dava-lhe adjetivação sexual, culminando entre a polaridade do macho e fêmea.

A ideologia magico religiosa- permeada pelos estereótipos míticos alicerçavam esse homem.
A ideologia dos cosmos oriunda do discurso mítico genético abria um discurso do macho e fêmea. De Gaia a Lilith ou Eva, de Urano a Eros ou Adão o traçado da sexualidade passava por um homem condenado a sua realidade corporal e anatômica.

A sexualidade identificada enquanto um fenômeno anatômico parecia então não ter história , uma vez que a história se escreveria sob a égide do homem, o homem natural, identificado apenas, pela sua genitália..

A revolução promovida na sexualidade através do discurso de Freud, fez aparecer uma concepção de uma psico-sexualidade. O anatômico não mais decidia aparecendo o caráter do psíquico que imprimiria a identidade sexual e a escolha do objeto sexual. A libido e as pulsões , a subjetividade e as neuroses constituiriam campo para que a Psicanálise inaugurasse um novo momento dentro “ Scientia Sexualis.”

Privilegiaria Freud o papel da linguagem, com algo que se faz impregnar ao indivíduo constituindo a esfera do desejo, e com isto a percepção do corpo atingido pela linguagem .

Com isso caem os estereótipos de um homem natural e apenas anatômico para se erguer a perspectiva de um corpo absorvido pela linguagem e conectado a cultura. O corpo agora é erótico, na e pela linguagem e transfigura-se pelo desejo e imaginação fantástica..

Ora, se antes os estereótipos da sexualidade se estabeleciam pela anatomia do corpo, negava-se a este corpo um significado advindo do psíquico, e que interferiria na sexualidade.

A revolução Freudiana, se dá através do privilégio não ao corpo, mas a linguagem imbutida no psíquico, e que reconstroi ou dar- novo significado ao corpo, instaurando a estrutura do inconsciente.

A psicanálise , como acentua Garcia-Roza , não parte do real- do corpo, mas da linguagem:

“Ela- a psicanálise não pressupõe um real identificado com o mundo, a partir do qual constrói o psíquico como lugar da representação. O real não é o mundo, e a tese que a psicanálise sustenta é a de que o real jamais terá lugar no mundo. O real é um suposto e não um dado”(Garcia-Roza:1990)


Desse modo podemos afirmar que se a linguagem é suporte para a lingüística, do mesmo modo a linguagem e o simbólico, bem como a representação se constituem embasamentos estruturais e estruturantes para a PSICANÁLISE.

Freud ao arquitetar o discurso psicanalítico, privilegiou a linguagem e o pensamento, que por decorrência estruturou o aparelho da linguagem e o Aparelho psíquico. Num e noutro são indispensáveis a estrutura da linguagem- da fala e da palavra, como algo que se internaliza, produz subjetividade e a noção do outro.

Da mesma forma a sexualidade se envolve com a linguagem através do Estudo das Pulsões, do Complexo de Edipo e da Interpretação dos Sonhos. Nessas três abordagens, pairam o vislumbre do aporte semiótico, da linguagem, ou na visão Lacaniana do significante.

Se com Freud a estrutura da Linguagem é fundante para o inconsciente , com Lacan, o estudo da linguagem e seus aportes semióticos são indispensáveis para um repensar o discurso Freudiano em bases científicas.

Lacan, trabalhou todo um manancial linguístico a sua época, ou seja de Saussurre, a Benveniste, Jakobson., privilegiando a linguagem, a ponto de expressar, a partir desses , um dos maiores fundamentos da descoberta freudiana, e reinterpretado por ele, ou seja: que o inconsciente se estrutura como linguagem




Corpo, corpo, corpo, verdade tão final sede tão varia- Drummond

A proposta Lacaniana de releitura a obra de Freud, além de ser um projeto que privilegia a linguagem, não negando os pressupostos de Freud, ele sublinha a condição semiótica do discurso, destacando a função do significante na Linguagem. Para isso ele parte da concepção Saussuriana do significante, mas a amplia, concebendo uma autonomia do significante. Lacan ao trazer uma nova concepção do significante encaminha seu projeto para uma teoria do sujeito ,ou da subjetividade, partilhada assim pelo significante-”
“Um significante é aquilo que representa um sujeito para outro significante” -Lacan_ (Juranville:1984)

O significante é para Lacan sobretudo o desejo que se estrutura numa dimensão tríade do real- do imaginário e do simbólico.

“ ... Primeiramente o real. Ele está ligado a tremporalidade intrínseca da cadeia significante...O real não é desejáve, é antes de mais nada o tempo durante o qual o desejado não surge. O real é sempre aquele do encontro faltoso, não apenas aquilo que nos faltou ao encontro pois o que na verdade faltou foi o objeto primordial impossível....O real é impossível...

...Em seguida o imaginário... o imaginário é , essencialmente , o confronto entre o pouco ser desejante e a plenitude antecipada do outro. Uma avaliação portanto.

...E finalmente o simbólico... que traz uma idéia de um reenvio a plenitude.”(Juranville:1987)

Em outras palavras, Lacan destaca a existência do real que seria uma hipótese , pois ele é inatingível. Já o imaginário que é o mundo da fantasia , dos fantasma , está perpassado pelo engendramento semiótico, desde as percepções primitivas do indivíduo deslanchando para o simbólico com a apreensão e domínio da linguagem verbal, e reinterpretação do imaginário..

Partindo do pressuposto que a Psicanálise concebida como ciência do psíquico, não exclui o corpo, é a partir de Freud com a queda do homem natural que declina o corpo natural , para entrar na perspectiva do corpo erógeno. O corpo biológico é assim capturado pelo simbólico. Aliás a apropriação do simbólico pelo corpo se dá antes mesmo do nascimento do corpo , a partir dos fantasma criados na expectativa do nascimento, e de criação de uma pré-identidade fantasmática pelo grupo que recebe o nascituro -um corpo.(Garcia-Roza:1990)

“O dado primeiro da psicanálise não é o corpo biológico, mas a linguagem....De fato o que Lacan chama de corpo do simbólico, ou corpo primeiro, é efeito dessa in-habitação da linguagem, que transforma o organismo vivo em corpo. Este foi o objeto da primeiras preocupações de Freud- o corpo da histérica....”(Garcia-Roza:1990)

O grande embate entre as concepções da Sexologia em voga à época de Freud e seu discurso propriamente dito eram:

.o que se concebia como perversões.. o homossexualismo
.o caráter genital da sexualidade- ou a normatividade da sexualidade.
.a pre-genitalidade na infância.

Freud rever o conceito de perversão, portanto de um estereótipo- como algo de monstruoso, e inumano, para assentar as bases da normalidade na perversão, ou seja nenhuma pessoa poderia deixar de “acrescentar algo de perverso ao objetivo sexual normal. Mais tarde Freud vem a conceber o caráter ambíguo ou de potencialidade bissexual no comportamento humano. Ao mesmo tempo era considerada perversa qualquer conduta que não leve a reprodução.Esclarece ai o psicanalista a função do prazer, do desejo que se acham presentes dentro da sexualidade, portanto não reduzindo a reprodução apenas.

Contesta também Freud a redução da sexualidade a genitalidade dizendo que tudo pode vir da imaginação, do desejo. Neste sentido ele é por uma nova moral, que privilegie antes de tudo a felicidade, portanto não buscando normatividades sexuais que não reconhecem a condição do psiquismo humano, e o caráter vasto da Sexualidade.

Com relação a sexualidade infantil ou a fase pré-genital, o discurso freudiano é escandaloso a época pois rompe com o caráter da infância do período, ao admitir a pré-história da sexualidade desde ali encrostada, e além do mais, Freud localiza as raízes do perverso e do auto erotismo. Aqui rompe Freud outra vez com o estereótipo em voga, ou seja da a pureza deificada da infância.



CONCLUSÃO


Refletir sobre o estereótipo , necessariamente é refletir sobre a linguagem, sua forma de implicacões conceituais, assim como pelo história das ideologias.

E se partimos para a área do estereótipo na sexualidade , necessariamente também nos implicamos naquelas categorias, e sobretudo com a questão Anátomo-patológica-médica e os novos paradigmas da Psicanálise.

Assim das categorias fundantes , que se implicam temos:
.A- o arcabouço da comunicação humana face a sexualidade.
.B- o da natureza humana - o homem e seu predicativo - o corpo.
.C- a ciência do corpo e do psiquismo

A história da comunicação humana é perpassada pelas história de um sujeito sexuado, destacado na linguagem e refletido na comunicação social.

O discurso na comunicação é perpassado por uma estrutura da linguagem, que o mobiliza para uma morfologia, sintaxe e semântica, o que implica dizer que há uma imbricação de gêneros e flexões resultantes com outras categorias que se flexionam, no discurso da linguagem..

ANA É ALTA- PEDRO ‘É ALTO

O sujeito do enunciado é um sujeito apriori definido pela palavra e por seu discurso comunicacional. Este sujeito já afirma uma sexualidade em potência, que lhe foi imposta pela linguagem e que é relacional a sexualidades dos outros a sua volta. O seu entorno comunicacional faz referência a linguagem que ele enuncia e correlaciona. O mundo em suas significações já lhes impõe um critério de gêneros, mesmo que sua sexualidade não seja ainda afirmada através de uma prática sexual..
.

Se as flexões genéricas já lhe impõem tal acertiva , por outro lado seu nome , enquanto designo do masculino ou feminino também suscita o gênero e uma demanda futura da sexualidade. O seu nome designará sua comunicação com o mundo , com o outro, e com sua potência sexual ou dogenêrio. O seu nome suscita as concordâncias genéricas.

Assim o simbólico da linguagem remete a um gênero que já configura uma sexualidade em potência ou um estereótipo de uma sexualidades. Neste aspecto o gênero designa o sexo biológico , mas não designa o comportamento sexual.. Entretanto pelo gênero, a sociedade suscita igual ou correspondente comportamento sexual, o que se constitui um estereótipo.

Temos aí um apriori da linguagem e comunicação que busca proceder a NUANCES de uma identidade sexuada- verbalizada.

Somado a isto a mesma comunicação procede a leituras ou resgates da identificação visual do sujeito da comunicação que se retratam em suas performances gestuais.

Do ponto de vista dos estereótipos comunicados pela ideologia comunicacional temos o gênero- masculino, a exemplo correspondendo a um outro estereótipo da força, da destreza , da coragem, do poder.

Neste sentido estes estereótipos correspondem por assim dizer a segunda característica nossa que é a do homem natural- ou seja um macho e uma fêmea-..De um macho e fêmea reprodutores cerceado . Ou seja de uma sexualidade que é vislumbrada pela sua genitalidade reprodutora.

Neste sentido a carne - o corpo é o que prepondera nessa visão estereótipada da sexualidade, e que instaura um supremacia do biológico sobre o cultural, ou mesmo de um homem natural universal e sem uma história da sua sexualidade, apenas da sua reprodução..

Nestes termos do estereótipo da reprodução assim se refere Hightwater:

“a sobrevivência da espécie, por meio da reprodução, tornou-se o aspecto básico do nosso modelo de homens e mulheres, traduzindo assim a biologia em imperativos sócio-culturais. Dessa forma, não se vê o comportamento humano como o resultado do livre arbítrio, mas como uma reação necessária aos órgãos e hormônios sexuais.(Hightwater:1992)

Se antes da psicanálise a sexualidade se reduzia a um estereótipo corpo biofisiológico e em separado de uma alma, ela, a psicanálise volta a indagar deste estereótipo- ou dilema corpo e alma-

“o que a partir de Freud se constitui como um complicador é que tanto corpo quanto a alma terão que ser repensados em seu estatuto ontológico”(Rosa:1991)
Não existe para Freud a alma enquanto “forma a apriori, mas algo submetido ao dados sensíveis e materializados. Surge um corpo da linguagem- um corpo simbólico, submetido ao desejo.

O corpo freudiano é um corpo inscrito na linguagem , na fantasia e no desejo, portanto não é apenas um corpo que cumpre o mandato- estereótipo do instinto- ou para a reprodução , mas um corpo desejante. É um corpo que delira no prazer e no gozo, pelo viés da realização do desejo. Se há um gozo biofisiológico, ele ‘agora se reinscreve sobre a trama da linguagem, e assim do desejo. Enquanto isso os desejos não tem compromissos com a moral, o estereótipos talvez sim.


BIBLIOGRAFIA
Assoun.Paul Laurent.Freudismo.RJ.Zahar.1991.
Bakhitin, Mikail. Marxismo e Filosofia da Linguagem. SP Huicitec.1992.
Banditer, Elisabeth.Um é Outro. RJ, Nova Fronteira, 1986.
Barros ,Manoel. OlIvro das Ignorãças.RJ. C. Brasileira 1993.
Barthes,R. A Aula, SP, Cultrix, 1983
Cohn.G. Comunicação e Indústria Cultural.SP.T.A. Queiroz.1987
Freud.S. Obras Completas-3 vol.trad.L.L.ballesteros y Torres.Madrid.B.Nueva.1981.
Garcia-Rosa.L.A. Freud e o Insconsciente.1991.b
Garcia-Roza L.A..O mal radical em Freud.RJ.Zahar.1990.
Garcia-Roza.L.A. introdução À metapsicologia Freudiana-vol 1 e 2. RJ Zahar.1991-a
Giddens, A. A transformação da Intimidade, SP, Unesp, 1993.
Goeppert.S. E. Herman C.Linguagem e Psicanálise.Sp. Cultrix.1980
Hightwater, Jamake. Mito e Sexualidade.SP.Saraiva. 1992.
Jobim e Souza, S. Infância e Linguagem:Bakhtin, Vygotsky e Benjamim.Campinas,SP,Papi-
rus.1994
Juranville.A. Lacan e a Filosofia.RJ.Zahar..1984
La Taille, Yves, Piaget, Vygotsky, Wallon: Teorias psicogenéticas em discussão\Ives de la
Taille, M. Khol de Oliveira , Heloysa Danytas-SP. Summus,1992
Laplanche.J\J.B.pontalis.Vocabulário da Psicanálise.SP.M.Fontes.1986
Lippman, W. Estereótipos. In: Meios de Comunicação de Massa-Org-C.S.Steinberg.SP,Cul-
trix 1972.
Lispector, Clarice. A Paixão segundo GH. RJ. Franscisco Alves 1993.
Mezan.R. A Trama dos Conceitos. SP. Perspectiva.1982.
Peirce,C.S. Semiótica e Filsofia.SP.Cultrix.1984.
Peirce.C. S. Escritos Coligidos.Coleção Pensadores,Sp.Ed.Abril, 1983.
Peirce.C.S. Semiótica.SP.Ed Perspectiva.1977
Pigantari .D.Semiótica e Literatura.SP.Ed Perspectiva.1974
Rodrigues , Adriano. Instrodução a Semiótica..Lisboa. Ed. Presença1991
Santaella , Lucia.Linguagens e tensões políticas in Comunicação &Política na America Lati-
na. CBELA- ano xii n 22, 23, 24, 25. SP. 1993
Santaella, Lucia. Cultura das Mídias, Sp, razão Social, 1992.
Schaff, A. Ensaios sobre Filosofia del lenguage.Barcelona, Ariel, 1973.
Schaff.A. Linguagem e Conhecimento.Coimbra.Almediana, 1974
Share

NENHUM COMENTÁRIO: