REDES

terça-feira, 31 de dezembro de 2019

BOM ANO NOVO -RESISTIR SEMPRE


Biografia de David Alfaro Siqueiro. Arte y revolucion


segunda-feira, 30 de dezembro de 2019

Manifestação 10mil Agora São Paulo -SP Avenida Paulista Pró Evo Morales ...

Nicolás Trotta: -Hay que federalizar la educación-




Las definiciones de Nicolás Trotta en materia de educación 
PAG 12 AR ( http://bit.ly/2YU1Ne1) nos mostra pequena matéria sobre um grande homem e atual Ministro da Educação da Argentina.Avante Trotta!Acreditamos em você! Toda América Latina lhe estima e dará todo respaldo, incluso o Brasil.Federalizar sim!Um grande intelectual, pesquisador a frente de uma grande pasta de um país forte e destemido.
N. Trotta*: "Hay que federalizar la educación"
El ministro de Eduación, Nicolás Trotta, estuvo en diálogo con Any Ventura en AM750 y se refirió a las políticas que planea implementar en materia de educación y a la decisión de restablecer la paritaria nacional docente.
“Es una gestión que está empezando y hay un fuerte compromiso de Alberto Fernández de darle una enorme centralidad a lo que son las políticas educativas”, expresó el ministro de Educación, Nicolás Trotta y destacó el compromiso del Presidente de restituir la paritaria, “algo que no implica solo el debate de salario sino también de una mirada federal de nuestro sistema educativo que pretende trazar objetivos pedagógicos común, lograr como ha planteado el Presidente que no haya diferencia de acceso a una educación transformadora de un niño o niño por el lugar donde le toque nacer”
Para Trotta, “hay que federalizar la educación, tiene que haber una fuerte agenda educativa durante todo el año” y explicó que “es primordial” que la escuela vuelva a ser “ese lugar de ruptura de las desigualdades”.
El Ministro de Educación remarcó que “hay que garantizar la mayor presencia del estado y la escuela en los lugares que presenta mayor desigualdad e inequidad” y explicó que “cuanto antes un niño se escolarice es mucho más factible que tenga una trayectoria educativa del mediano y largo plazo”

*Nicolás Alfredo Trotta (Buenos Aires, 20 de enero de 1976) es un abogado, docente, conductor de televisión y político argentino, es Ministro de Educación de la Nación Argentina, desde el 10 de diciembre de 2019. (@trottanico) es abogado, doctorando en Educación y docente universitario. Desde enero de 2014, rector de la Universidad Metropolitana para la Educación y el Trabajo (UMET). Impulsor del Centro de Innovación de los Trabajadores (CITRA), junto al CONICET y más de treinta organizaciones sindicales. Ocupó diversos cargos en la administración pública: entre otros, se desempeñó como subsecretario de Tecnologías de Gestión de la Jefatura de Gabinete de Ministros (2008-09), director de la Escuela Nacional de Gobierno (2004-08), secretario administrativo del Bloque Justicialista de la Legislatura de la Ciudad (2003), director de la Comisión de Desarrollo Económico, Mercosur y Políticas de Empleo (2000-02). Es autor de diversos libros, publicaciones y artículos.

Poder, dinero y felicidad

domingo, 29 de dezembro de 2019

VISITE-NOS CRIANÇA ...IMAGINÁRIO


VÁ ATÉ LÁ, CLIQUE NO TÍTULO

VISITE-NOS MEL ...DA...PALAVRA

MEL ...DA..PALAVRA

VISITE-NOS -CLIQUE NOS TÍTULO E VÁ ATÉ LÁ- POESIAS...LITERATURA

VISITE-NOS PELA DA ARTE

PELE DA ARTE
LINGUAGENS DA ARTE
Clique no título e vá lá

Detrás de la Razón: Especial los mejores reportajes; Parte 2



Le deseamos una Feliz Navidad. Como programa especial juntamos las noticias más importantes para que queden como testigo del 2019 y sirvan de reflexión. Le enviamos los mejores deseos para usted y su familia.
Han cerrado todas las cuentas de HispanTV en YouTube. La última que era la de “Detrás de la Razón” con decenas de miles de seguidores, también la cerraron, no la respetaron. No le gusta a alguien que digamos o expongamos otras versiones de la realidad.
Pero sorpresa, la cuenta personal, la de un servidor, sigue abierta en YouTube. Búsquela por favor, apóyenos, búsquela por el nombre de “Detrás de la Razón oficial Roberto de la Madrid” aquí le ponemos el link: https://www.youtube.com/c/Detr%C3%A1sdelaRaz%C3%B3nRobertodelaMadridOficial ó https://t.co/M8G9UiRlnV Ahí seguimos a sus órdenes y le suplico que reparta el link a todos los que pueda para que no crean que hemos cerrado.
Por: Roberto de la Madrid
fdd/nii/

Lula: lamentablemente, el odio se apoderó de Brasil

sábado, 28 de dezembro de 2019

Vargas Llosa, discípulo de Goebbels

Vargas Llosa por http://bit.ly/2ssmuSr
ATÍLIO BORON -por KAOSENLARED - é fantástico em sua escrita e desconstrução de Llosa. Este é o próprio imbecil ao enveredar pela política, Um narcisista que sempre tirou proveito disto e ainda hoje decadente fisicamente, tenta mirar-se no lago narcísico, pensa imagina-se  o narciso mesmo com as pregas acudidas por ,remes e Photoshop decae  também em sua escrita. Porque não se cala? 

Vargas Llosa, discípulo de Goebbels


 

En su reciente entrevista concedida al diario O Estado de Sao Paulo el escritor volvió a repetir sus fatigosas letanías sobre la política latinoamericana asegurando que “los argentinos van a lamentar enormemente la derrota de Mauricio Macri”.[1] No sólo eso: volvió a calificar como  una «tragedia» el triunfo de Alberto Fernández y atribuyó esa –para él infausta- decisión de votar al Frente de Todos a una supuesta vocación suicida de los argentinos. Abundando en el tema afirmó que “esa vocación suicida es algo verdaderamente extraordinario, pues ya se sabe que todos los problemas actuales del país fueron causados por el peronismo».
La verdad es que dudé mucho antes de sentarme a escribir una respuesta a sus dichos. Pero habida cuenta de que estas “ocurrencias” -ese producto semi-intelectual que debe diferenciarse de las “ideas”- del narrador adquieren una enorme difusión gracias a la acción concertada de la oligarquía mediática mundial me pareció que valía la pena saltar al ruedo y refutar su discurso. La confusión y el embrutecimiento que promueve en la opinión pública exige prontas respuestas a sus venenosos ataques.[2] Me concentraré en tres temas.
Primero, sería insólito o estúpido que los argentinos nos lamentásemos por la derrota de un gobierno que sumió en la pobreza al 40,8 % de la población y ha dejado al otro 35 % apenas por encima de la línea de pobreza (LP), cosa que normalmente se soslaya en muchas intervenciones periodísticas y académicas. Como si el 60 % restante “no pobre” estuviera constituido por sólidas clases medias o ricachones de abultada billetera. ¡No! Buena parte de ese conglomerado lo conforman gentes que en cualquier momento se hunden  por debajo de la LP. Con cierto optimismo podríamos aventurar que tal vez haya un 25 % que no son pobres ni están en riesgo de serlo. Pero el resto está caminando sobre el filo de la navaja, apelando a diario a mil estrategias para evitar hundirse por debajo de la LP. Un dato adicional ilustra lo que decimos: 6 de cada 10 niños argentinos es pobre. Incurriría en el mal gusto de la reiteración si volviera a exponer aquí los archiconocidos datos sobre la crisis económica y la emergencia nacional en que nos ha dejado el gobierno de Macri: caída de los salarios reales y los haberes jubilatorios, impresionante número de pymes que cerraron sus puertas, derrumbe del PBI, tarifazos a destajo en los servicios públicos, inflación descontrolada y un fenomenal endeudamiento externo, vehículo para practicar una fuga de capitales sin precedentes que constituye una marca a fuego del carácter corrupto del gobierno de Cambiemos. La tragedia es la que hemos sufrido estos últimos cuatro años de gobierno de su amigo Mauricio, no la recién inaugurada gestión de Alberto Fernández cuyo signo en el sentir popular es la esperanza. En suma: ¡nada de lo que debamos lamentarnos!
¿Puede un hombre como Vargas Llosa ignorar datos tan elementales como estos? Imposible. Descartemos esa hipótesis. Sus críticas son expresión de la fanática obcecación de un converso o, peor aún, de alguien a quien le confirieron la misión de execrar todo lo que contraríe al paradigma neoliberal, aunque para ello deba mentir y barrer la realidad debajo de la alfombra.
Segundo, hay una afirmación que insulta la inteligencia de sus lectores cuando sentencia que todos los problemas de este país fueron “causados por el peronismo.” ¿Cómo desconocer que la Argentina padeció desde 1930 sucesivos golpes de estado, todos los cuales tuvieron como signo distintivo la aplicación de los preceptos económicos del liberalismo? La dictadura de los años treinta tuvo esas características, como la de 1955 que abrió de par en par las puertas del país al FMI; la de 1966, pomposamente llamada “Revolución Argentina” promovió las ideas que el autor de Tiempos Recios abraza con singular fervor. A las anteriores hay que sumar la genocida junta del mal llamado “Proceso” que tomó por asalto el poder en 1976, dejó al país económica y socialmente deshecho, desapareció a 30.000 personas, alejó por décadas la posibilidad de recuperar las Islas Malvinas e hizo del neoliberalismo y su consigna principal: “achicar el estado es agrandar la nación” el pilar de toda su política económica y social. Como si lo anterior fuera poco un gobierno peronista travestido, el de Carlos S. Menem adhirió a esa nefasta doctrina con fervor. Una estudiosa del tema comprueba que “en los cincuenta años transcurridos desde el ingreso de nuestro país al organismo (el FMI) en 1956 hasta el pago total por adelantado de la deuda pendiente desde la crisis de la convertibilidad en 2006, la Argentina estuvo bajo acuerdo (con el FMI) durante 38 años.”[3] A estos hay que añadir los dos años más en los cuales la Directora Gerente del FMI, Christine Lagarde, se convirtió en la verdadera Ministra de Economía del gobierno de Macri. Por eso nuestra decadencia económica y social se explica muchísimo más -por no decir en su totalidad- por esos cuarenta años de “co-gobierno” entre la Casa Rosada y el FMI que por los errores que, como cualquier otro gobierno, pudo haber cometido el peronismo en cualquiera de sus cambiantes concreciones históricas, el alfonsinismo de inicios de la reconstrucción democrática e inclusive la nefasta Alianza de finales del siglo pasado.
Tercero y último: alguna lectora o algún lector podría preguntar qué diantres tiene que ver Joseph Goebbels en todo este asunto. Respuesta: mucho, porque el autor de La tía Julia y el escribidor demuestra conocer muy bien las tácticas comunicacionales del Ministro de Propaganda de Hitler (y doctor en Letras por la Universidad de Heidelberg, ¡ojo con la academia y los “hombres de letras”!). Una de las frases que resume el pensamiento del jerarca nazi dice textualmente que “la propaganda debe limitarse a un número pequeño de ideas y repetirlas incansablemente, presentarlas una y otra vez desde diferentes perspectivas, pero siempre convergiendo sobre el mismo concepto. Sin fisuras ni dudas. De aquí viene también la famosa frase: ‘Si una mentira se repite lo suficiente, acaba por convertirse en verdad’.” Eso es precisamente lo que hace Vargas Llosa con la maestría que le otorga su dominio del lenguaje: manejar unas pocas ideas y repetirlas hasta la saciedad “sin fisuras ni dudas”. Como cuadra a todo fanático su discurso está herméticamente sellado y los incómodos datos de la experiencia no hacen mella en la gruesa coraza de su ideología. Sus mentiras se repiten incansablemente, como aconsejaba Goebbels. La tenacidad militante de Vargas Llosa es admirable, lástima que esté al servicio del mal. Gracias al inmenso poderío de los medios de comunicación hegemónicos esas mentiras se convierten en verdades indiscutibles, o en un “sentido común” difícil de desafiar. Hacerlo es visto como un acto temerario, casi como un sacrilegio. Pese a ello su ensayística es una artificiosa construcción que se derrumba como un castillo de naipes ni bien se la contrasta con el análisis histórico o la elocuencia de las estadísticas. Por algo en los últimos cuarenta años sólo en contadísimas ocasiones se lo ha visto debatir sus ideas, y casi siempre con benévolos interlocutores cuidadosamente seleccionados. Resumiendo: las afirmaciones contenidas en la entrevista que hemos analizado son pura y simple propaganda, imbuidas de un odio y un resentimiento que mucho dicen sobre la naturaleza de los tiempos que corren en donde el hundimiento del neoliberalismo es un dato absolutamente insoslayable que enfurece y ofusca la mente. del escritor peruano. Tendrá que acostumbrarse.



[1] La nota se publicó en O Estado de Sao Paulo el 22 de diciembre y se reprodujo horas después en lengua castellana en Clarín.  Disponible en https://www.clarin.com/politica/mario-vargas-llosa-argentinos-van-lamentar-enormemente-derrota-mauricio-macri-_0_42-G4vHQ.html
[2] Una refutación completa de sus artificios propagandísticos se encuentra en mi El Hechicero de la Tribu (Madrid, Buenos Aires, México: AKAL, 2019)
[3] 1 Noemí BRENTA, Argentina atrapada. Historia de las relaciones con el FMI 1956-2006 (Buenos Aires, Ediciones Cooperativas, 2008)

Frases que são MENTIRAS - aqui no Brasil


Resultado de imagem para brasil errado


O Brasil é um país calmo e sereno!

O Brasil é um povo que sabe votar.
O Brasil é um gigante!
O Brasil - ordem e progresso!
O Brasil não é preconceituoso!
No Brasil tudo se resolve!
Aqui , no Brasil, o povo é forte politicamente!
Aqui tudo passa suavemente!
Um povo heróico e bravo!
Brasil país dos sonhos realizáveis!
Nada nos atinge! Somos tranquilos!
Somos paz e amor!
País do futuro!
Brasil não para de crescer!
Índio que apito se não der pau vai comer!
Brasília a cidade dos sonhos!
O Rio de Janeiro continua lindo!
O futebol do Brasil é o melhor do mundo!
O povo sabe o que quer!
O Brasil tem tudo!
O nordeste é um povo preguiçoso.
O sudeste é a mão de ferro do  país!
São Paulo a Nova York Brasileira!
Minas é a terra dos que trabalham calado e nunca dizem!
Brasil um país cristão e solidário!
O carnaval prova que somos respeitosos com a diversidade!
Brasil um país integrado de ponta a ponta!
Aqui tudo tem graça e beleza!
O brasileiro não é de lorota!
O brasileiro é franco , diz na lata!
O Brasil  um país sem guerras!
Os gauchos são um os mais competentes!
O Piauí não tem expressão no Brasil!
O Paulista é politizado e não ignorante!
Alagoas terra dos que nos deram a república!
A Bahia é um povo que só quer brincar e comer pimenta.
São Paulo leva o Brasil nas costas.
O Brasil descolonizou-se.
O Brasil sabe sua história.
Brasil meu mulato inzoneiro
Brasil, samba que dá
Esse Brasil lindo e trigueiro
Terra de nosso Senhor.

sexta-feira, 27 de dezembro de 2019

Balance del 2019 - Detras de la noticia UMA AMERICANA DENUNCIA OS EUA


VEJAM ATENTAMENTE OS FATOS MAIS IMPORTANTES DO ANO DESTAQUE PARA O HEMISFÉRIO NORTE

Detrás de la Razón: Especial de Noche Buena; los mejores reportajes; Parte 1...





Le deseamos una Feliz Navidad. Como programa especial juntamos las noticias más importantes para que queden como testigo del 2019 y sirvan de reflexión. Le enviamos los mejores deseos para usted y su familia.
Han cerrado todas las cuentas de HispanTV en YouTube. La última que era la de “Detrás de la Razón” con decenas de miles de seguidores, también la cerraron, no la respetaron. No le gusta a alguien que digamos o expongamos otras versiones de la realidad. Pero sorpresa, la cuenta personal, la de un servidor, sigue abierta en YouTube.
Búsquela por favor, apóyenos, búsquela por el nombre de “Detrás de la Razón oficial Roberto de la Madrid” aquí le ponemos el link: https://www.youtube.com/c/Detr%C3%A1sdelaRaz%C3%B3nRobertodelaMadridOficial ó https://t.co/M8G9UiRlnV Ahí seguimos a sus órdenes y le suplico que reparta el link a todos los que pueda para que no crean que hemos cerrado.
Por: Roberto de la Madrid
fdd/krd/alg

Esta es mi tierra; Nación WAMPIS: El primer parlamento indígena

quinta-feira, 26 de dezembro de 2019

Pablo Iglesias con Silvio Rodríguez

Ódio ao Bolsa Família e “doações” natalinas revelam a cara da “gente de bem”




http://bit.ly/2t7S9Ja


Ângela Carrato nos faz uma apreciação deste momento do País ; contempla as contradições que vão da Roda Viva do Brasil - Roda Gigante do Rio ao Bolsa Família e a miséria como presente de Natal.Sublinha ainda a autora A fome que avança no no nosso solo que a Geografia da Fome de Josué de Castro já nos apontava. Destaca Ângela a questão do ódio como algo imanente ao povo brasileiro , especialmente as Elites, Mídias  e claro o atual governo odiento.



Ângela Carrato: Ódio ao Bolsa Família e “doações” natalinas revelam a cara da “gente de bem”


por Ângela Carrato*, especial para o Viomundo
http://bit.ly/2t7S9Ja



EPISÓDIO 1 – A Roda Gigante do Rio de Janeiro, “a maior da América Latina”, foi inaugurada no início de dezembro. Uma volta de 18 minutos custa R$ 59. Caso a pessoa queira desfrutar a paisagem da cidade vista do alto com sua família e/ou amigos, o giro em cabine exclusiva sobe para R$ 259.

As filas para curtirem as emoções da “nova maravilha” são longas e não se tem notícia de reclamações contra os preços, que equivalem 60% do benefício mensal básico pago pelo Programa Bolsa Família (R$ 85,01).

EPISÓDIO 2 – Desde o início de dezembro, a maioria dos shoppings centers já estava enfeitada para o Natal.

Além do tradicional Papai Noel e dos símbolos natalinos – entre eles as anacrônicas neves e trenós puxados por renas em um país tropical – não faltaram também os espaços para doações.

Em Belo Horizonte, um dos mais sofisticados shoppings criou uma espécie de cercadinho para tal finalidade.

A coisa funciona mais ou menos assim: a pessoa entra no supermercado, compra do bom e do melhor para a ceia de Natal com a família e, na saída, antes de pagar, avista o cercadinho.

A pessoa então dá meia volta, coloca no já abarrotado carrinho de compras um pacote de biscoitos ou uma caixa de chocolate e vai toda feliz fazer a sua doação.

Não falta nem mesmo quem aproveite a oportunidade para elogiar a “ótima ideia” do shopping.

EPISÓDIO 3 – Em meados de novembro, muitos dos atuais frequentadores da Roda Gigante e outro tanto dos que agora fazem doações em shoppings não acharam nada demais em uma notícia publicada pela Folha de S. Paulo.

A notícia, veiculada na coluna Painel, dava conta de que o governo Bolsonaro pretende, a partir de 2020, começar a “desmamar” os beneficiários do Programa Bolsa Família (PBF).

TRATAMENTO INJUSTO E DESRESPEITOSO

Sem citar quem foi ouvido e sem precisar o que é e como funciona o PBF, criado pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2004, o jornal da elite paulista que se pretende “ilustrada”, afirma que a ideia é ir reduzindo o valor pago para os beneficiários assim que arranjarem emprego.

Não ocorreu a nenhum jornalista da Folha de S. Paulo ou de qualquer veículo questionar o uso altamente pejorativo do termo “desmamar” em relação aos mais pobres e, menos ainda, perguntar às autoridades econômicas do governo federal quando a tal geração de empregos terá início.

Isso porque a agenda ultraliberal colocada em prática pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, aponta para direção oposta: um em cada três brasileiros em condições de trabalhar está desempregado e a precarização do trabalho avança de forma acelerada.

Igualmente não se viu nenhum leitor da Folha indignado com o tratamento injusto e desrespeitoso adotado pelo jornal e pelo governo contra os mais pobres.

O substantivo desmamar significa, nesse contexto, tirar o hábito, suspender a dependência, como se os pobres fossem os responsáveis pelas grandes mamatas que sempre existiram e voltaram a acontecer com força no Brasil após a vitória do golpe, travestido de impeachment contra Dilma Rousseff, em 2016.

Mamatas que Bolsonaro e sua turma não param de ampliar, ao mesmo tempo em que congelam o salário-mínimo e estão fazendo de tudo para acabar com o Programa Bolsa Família.

MAMATA DAS MAMATAS

Como explicar os gordos reajustes salariais que setores do judiciário tiveram nos últimos três anos, apesar do país estar em crise?

Como explicar que parlamentares, juízes e militares tenham ficado fora da Reforma da Previdência?

Como explicar, ainda, que a Reforma da Previdência dos militares tenha sido, na prática, um novo plano de carreira para o setor, com oficiais tendo reajustes de até 40%?

Como explicar, igualmente, o perdão de dívidas que Bolsonaro concedeu ao agronegócio e aos bancos, sem que nenhum integrante do atual governo e a mídia corporativa brasileira considerassem isso “mamata”?

É importante lembrar ainda a mamata das mamatas, como devem ser chamados os leilões do pré-sal, que têm vendido o futuro do Brasil a preço de banana para empresas multinacionais.

Em dezembro de 2010, no apagar das luzes de seu segundo mandato, Lula conseguiu aprovar o regime de partilha para a exploração do pré-sal, garantindo a atuação da Petrobras como operadora única e partícipe prioritária dos leilões.

Quadro que Dilma tentou manter, apesar da pressão dos tucanos, encabeçada por José Serra.

Foi exatamente nesse momento, em 2013, que as manifestações contra ela tomaram corpo e não pararam mais.

Para Lula e Dilma, o pré-sal era o passaporte para os brasileiros conseguirem uma educação e saúde de qualidade, mas os golpistas jogaram tudo isso por terra.

Aliás, uma das razões para o golpe de 2016 foi exatamente tomar o pré-sal dos brasileiros.

E isso caro leitor, isso não é mera especulação ou opinião. Está documentado. Basta ler o livro de Eduard Snowden, Eterna Vigilância (Editora Paneta, 2019) ou assistir ao filme-documentário de Oliver Stone, Snowden (2016). Para os interessados, o filme está disponível na Netflix.

Em se tratando do governo Temer, é importante não perder de vista que ele, dando continuidade a esse processo, isentou as multinacionais do petróleo, através da lei 13.586, de 2017, do pagamento de uma cifra superior a R$ 1 trilhão.

A lei em questão concede isenções fiscais para empresas de petróleo estrangeiras, provocando perda de arrecadação do Imposto de Renda (IR) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), isso num momento em que os golpistas creditavam ao PT ter “quebrado o Brasil”.

Mas nada disso foi considerado “mamata” pela Folha de S. Paulo ou por qualquer outro veículo da mídia corporativa brasileira.

Todos, aliás, aplaudiram e pediram mais: a privatização da Petrobras, da Eletrobras e do Banco do Brasil.

Recuando-se ainda mais no tempo, é possível lembrar outras mamatas que caracterizaram o governo do tucano Fernando Henrique Cardoso, quando mais de 100 empresas estatais foram privatizadas.

O caso mais grave foi o da Companhia Vale do Rio Doce, vendida por R$ 3,3 bilhões, quando somente as suas reservas minerais eram calculadas em mais de R$ 100 bilhões à época.

Uma vez privatizada, a Vale é a mesma mineradora que já provocou dois crimes ambientais e humanos em Minas Gerais – em Bento Rodrigues e em Brumadinho – e se recusa a pagar as devidas indenizações às vítimas, aos municípios e ao meio ambiente por ela destruído.

A “CASA GRANDE” CONTRA OS MAIS POBRES

Como diria o jornalista Mino Carta, a classe dominante brasileira, que ele prefere chamar de “Casa Grande”, continua tratando os mais pobres como se eles fossem parte da “Senzala”.

Vale dizer: a “Casa Grande” continua achando que pode tudo contra os mais pobres, em sua grande maioria descendente de pretos e de índios, escravizados e dizimados no passado e ainda hoje.

Basta verificar as estatísticas envolvendo a cor e a classe social da maioria dos mortos pela polícia em batidas nos morros e aglomerados das metrópoles brasileiras.

Basta verificar, igualmente, a cor e a situação econômica dos que são alvos de chacinas, no campo, por pistoleiros a mando dos “senhores de gado e de gente” para se perceber o tamanho da discriminação e da desigualdade no Brasil.

Ao contrário do que a “Casa Grande” acredita e divulga, o pobre não é pobre porque é preguiçoso ou incapaz.

O que tem faltado aos pobres brasileiros, na maior parte dos 519 anos de existência do Brasil é condição para se desenvolver. Condição que não faltou aos colonos nos Estados Unidos que, cedo, receberam terras e incentivos para cultivarem sua fazenda ou sítio.

A reforma agrária naquele país tão decantada pelos ditos liberais brasileiros data de mais de 200 anos. A daqui, nunca saiu do papel.

Os Estados Unidos e também os principais países da Europa que, juntamente com o Japão fazem parte do chamado Primeiro Mundo, por mais de três décadas, entre os anos de 1946 e 1980, apoiaram através de uma série de programas sociais, os setores mais pobres de suas populações, no que ficou conhecido como welfare state, o Estado do Bem-Estar Social.

Foram essas políticas de cunho keynesiano (em referência ao economista inglês John Maynard Keynes que as criou) as responsáveis por países como Inglaterra, França, Alemanha e Itália terem conseguido se recuperar bem e rápido da destruição provocada pela Segunda Guerra Mundial.

Keynes (1883-1946) rompeu com a visão de livre-mercado em favor da intervenção estatal na economia, com a principal característica do Estado do Bem-Estar Social sendo a defesa dos direitos do cidadão.

A título de exemplo, entre as políticas colocadas em prática nesses países estavam muitas voltadas à habitação, educação, saúde, assistência social e segurança alimentar.

O ódio que a elite brasileira nutre contra Lula, portanto, está equivocado.

Nem ele e muito menos a esquerda brasileira inventaram o principal programa de renda de cidadania, conhecido como Bolsa Família.

O programa já havia sido criado há décadas pelos principais países capitalistas e se tornado uma das recomendações do insuspeito de qualquer flerte com socialistas e comunistas, Banco Mundial.

Renda de cidadania é parte do receituário do Banco Mundial para se superar a fome, a miséria e o subdesenvolvimento, mas a “Casa Grande” sempre preferiu desconhecer o assunto.

O grande mérito de Lula – e é mérito mesmo – foi o de ter dado forma, cara e a abrangência necessária ao programa de combate à fome no Brasil, que antes não passava de conversa para boi dormir.

GEOGRAFIA DA FOME

Desde o início do século XX que se falava em combate à fome no país.

Fome que foi das grandes responsáveis pelas levas de migrantes que deixavam o Nordeste em direção ao Sudeste e ao Sul por décadas a fio. Essas levas eram antecedidas por secas e sucedidas por farta liberação de verbas por parte do governo federal.

Os donos da “Casa Grande” pegavam essas verbas e o problema continuava, com esses senhores culpando o clima e os próprios atingidos.

Essa situação foi diagnosticada e denunciada pelo médico, cientista político, escritor e ativista, Josué de Castro (1908-1973) ao lançar em 1946 o livro Geografia da fome.

Obra clássica, o livro buscou tirar da obscuridade o quadro da fome no país, ao enfatizar as origens socioeconômicas da tragédia e denunciar as explicações deterministas que o naturalizavam.

Apesar de reconhecido por seu trabalho em todo o mundo, Josué de Castro, um dos primeiros dirigentes da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) e também embaixador brasileiro junto à ONU, estava na primeira lista de cassados pelo AI-5, quando os militares deram o golpe dentro do golpe, em 1968.

Como Josué de Castro, Lula é pernambucano e se não estudou na universidade os problemas apontados por seu conterrâneo, os sentiu na pele como criança e através de sua família, obrigada a vir para o Sul na carroceria de um pau de arara.

Razões de sobra, portanto, tinha Lula para lançar um programa que não só combatesse a fome como garantisse dignidade e desenvolvimento aos mais pobres.

Mesmo com o reconhecimento mundial que o Programa Bolsa Família (PBF) rapidamente obteve, a “Casa Grande” nunca aceitou a sua existência e, mais do que isso, jamais deixou de combatê-lo.

Desde os primeiros tempos, o PBF foi rebatizado como “Bolsa Esmola” e seus beneficiários tidos como “preguiçosos” e “avessos ao trabalho”.

As mesmas acusações que a “Casa Grande”, no passado, imputou aos índios e depois aos negros por ela escravizados.

CRÍTICAS E PRECONCEITOS

Sou testemunha ocular do jogo sujo que a mídia corporativa brasileira sempre fez com o PBF e com todos que recebem esse benefício.

Durante cinco anos (2006-2010) coordenei a Assessoria de Comunicação do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), na gestão de Patrus Ananias.

Quando cheguei lá, a mídia não escondia sua vontade de acabar o MDS, sob o argumento de que as políticas sociais “gastavam muito”.

A título de comparação, a atual folha anual de pagamentos do PBF é de R$ 29,5 bilhões, atendendo a um total de 13,2 milhões de pessoas.

Enquanto isso, a folha salarial anual do Poder Judiciário é de R$ 82,2 bilhões, contemplando um universo de apenas 448,9 mil pessoas.

Curiosamente essa mídia sempre considerou as políticas sociais como gasto e nunca como investimento na melhoria da vida da população brasileira, como são tidas em todos os países minimamente civilizados.

Já o dinheiro que a elite sempre obteve de programas governamentais voltados para a agricultura, pecuária, indústria e comércio, mesmo quando empregados em ações que não tinham nada a ver com a finalidade ao qual se destinavam, jamais foram alvo de críticas.

Basta lembrar os milhões que deveriam ter sido aplicados na agropecuária e na indústria brasileira e viraram apartamentos de luxo em Paris, Nova Iorque ou mesmo sofisticadas coberturas em Ipanema.

Apesar das estatísticas nacionais e internacionais apontarem, ano a ano, para o sucesso do PBF no que ele pretendia – quebrar o ciclo de pobreza inter-geracional, garantir escola e saúde para as crianças das famílias de baixa renda – a mídia brasileira nunca deu trégua em suas críticas.

Ao invés de noticiar e informar sobre um programa que garantia comida na mesa dos mais pobres o ano inteiro, a mídia insistia em tentar encontrar exemplos de corrupção entre os seus beneficiários, a fim de justificar o seu fim.

Como em qualquer atividade, também existia corrupção no PBF, mas ela nunca superou 0,0035 do total dos beneficiários, que chegou a alcançar 13,5 milhões de brasileiros.

A corrupção no PBF é das mais baixas de que se tem notícia no país e no mundo.

Mesmo assim, ela deve ser debitada à atuação de agentes das prefeituras encarregados de realizar o cadastro dos candidatos a beneficiários.

Se o processo começava truncado, não havia como, no MDS, em Brasília, isso ser detectado antes da primeira visita da equipe de saúde à família beneficiária.

A maioria esmagadora da população nunca soube e continua não sabendo disso.

Na época em que o PT estava no governo, o que a mídia mais fazia era insinuar que Lula controlava quem entrava no programa, quando eram as prefeituras de todos os municípios brasileiros, independente de qual partido estivesse no poder, as responsáveis pelo ingresso do interessado no Cadastro Único e, de lá, passar a ter acesso às políticas sociais do governo federal.

A mídia brasileira, aliás, nunca explicou nada sobre o que é e como funcionamento o PBF, limitando-se a criticá-lo sem qualquer argumento a não ser o preconceito alimentado pelas elites contra os mais pobres e contra qualquer governo que tente mudar esse quadro.

O ESCÂNDALO DO FOGÃO E DA GELADEIRA

Em meados de 2008 a campanha contra o BF ficou tão agressiva, com mentiras sendo ditas e repetidas quase diariamente pelos jornais O Globo, Folha de S. Paulo e Estado de S. Paulo, além das revistas semanais (exceção para Carta Capital), que decidi recorrer ao site Observatório da Imprensa, na época, dirigido pelo jornalista Alberto Dines, para que pelo menos uma parcela do público tomasse conhecimento do que estava acontecendo.

E o que estava acontecendo era o seguinte: a mídia inventava casos de corrupção e não publicava os desmentidos que o MDS enviava.

Se não me engano, foi exatamente nessa época que o colunista de Política de O Globo, Merval Pereira, escreveu um texto acusando os beneficiários do PBF de estarem fazendo uma espécie de corrupção com o dinheiro que recebiam ao comprar fogão, geladeira e máquina de lavar ao invés de comida.

O referido colunista, que chegou a falar em escândalo, não tinha sequer se dado ao trabalho de ler o que determinava a lei que criou o PBF. Em momento algum estava disposto o que o beneficiário deveria fazer com o recurso.

Pelas pesquisas de que dispúnhamos, 90% utilizavam o benefício para alimentação, mas alguns casos também se valiam dele para comprar, em muitas prestações, fogões e geladeiras essenciais para o preparo e conservação dos alimentos.

Uma parcela ínfima o utilizava para gerar alguma renda, como no caso dos que compraram máquina de lavar e passavam a prestar serviços em sua comunidade.

Por essas e outras, Lula e o ministro Patrus sempre pensaram em transformar o PBF em uma política de Estado, para que não ficasse ao sabor dos interesses de cada governo.

Só que a correlação de forças no Congresso Nacional nunca ajudou. Naquela época, toda vez que o assunto era ventilado, uma espécie de campanha mais reforçada ainda contra o programa tomava conta da mídia e a ideia acabava adiada.

A presidente Dilma Rousseff deu continuidade ao PBF, enfatizando, através da Busca Ativa, chegar até os pobres mais difíceis de serem localizados e aos que menos conhecem – quando conhecem – os seus direitos: os moradores de rua nos grandes centros urbanos, os habitantes das fronteiras e dos locais quase inacessíveis, além de tribos indígenas e de quilombolas.

Para quem não sabe, os indígenas brasileiros e os descendentes de escravos também têm direito ao PBF.

A mídia, como sempre, nunca mostrou isso ao seu público e manteve o mesmo padrão de criticar e estigmatizar um direito de cidadania.

CARIDADE E ÓDIO

No governo Bolsonaro, que não esconde sua aversão aos pobres, a mídia corporativa brasileira se sente à vontade para propor o que sempre quis: acabar com o que ela considera “mamata”: alimentação e dignidade para quem precisa e interromper o ciclo de pobreza no país.

Isso sob o silêncio cúmplice daqueles para os quais torrar em 18 minutos dois terços do valor mensal do PBF não vale nada. Como não valem nada as doações que fazem a felicidade dos “cidadãos e cidadã de bem” nessa época natalina.

O que esses cidadãos de bem se esquecem é que as pessoas comem todos os dias e o que elas querem não é caridade, mas condições para terem acesso a uma vida melhor.

Para quem não sabe, uma criança que não ingerir a quantidade necessária de calorias por dia até os 7 anos de idade, está prejudicada para o resto da vida.

Depois, essa “Casa Grande” ou essa “elite do atraso”, como prefere denominá-la o sociólogo Jesse de Souza ainda vem falar em meritocracia ou das maravilhas da livre concorrência no mercado de trabalho.

Se depender de Bolsonaro, o PBF em 2020 será tão desfigurado que tende a acabar.

Na prática, ele já está destruindo o programa por dentro, ao reduzir ao máximo o número de pessoas que nele ingressam e ao reduzir e acabar com vários dos demais 19 programas que atuam junto com o PBF, envolvendo o contra-turno na escola para crianças e jovens, qualificação para mulheres e jovens, creches e os Centros de Assistência Social (CRAS).

Para quem rebate dizendo que Bolsonaro agora é a favor do PBF que tanto combateu, a ponto de ter instituído o 13º salário para o programa, isso prova exatamente o contrário.

Prova que ele não entendeu nada. O beneficio do PBF não é um salário que o governo paga a quem é pobre. É um direito que todo brasileiro pobre tem, é um direito de cidadania.

Ao instituir o 13º, o que Bolsonaro quer – e está conseguindo – é jogar os pobres contra os muito pobres, especialmente num país onde a precarização do trabalho cresce de forma exponencial. Mas esse é um assunto complexo, que fica para outro artigo.

Por agora basta pensar apenas, nesse dia de Natal, que a atual política econômica já devolveu o Brasil ao Mapa da Fome da ONU e que os mais de 20 milhões de brasileiros das classes D e E que tinham ascendido à classe C, estão de volta à miséria.

Mas nada disso preocupa as “pessoas de bem”. Elas dormirão tranquilas depois do passeio na Roda Gigante, de fazerem alguma caridade ou de ceiarem com a família e os amigos.

O ódio aos pobres ficará reservado para os outros dias do ano.

*Ângela Carrato é jornalista e professora do Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

tags
#AngelaCarrato  #BolsaFamíliaNatal 

25 Anos sem Tom Jobim

quarta-feira, 25 de dezembro de 2019

'Conversando con Correa': Cristina Fernández de Kirchner

Pataxó: donde nació la resistencia

Esta es mi tierra - Brasil: Desarrollismo y discriminación



http://bit.ly/2SmaKvC

En Brasil existen 305 pueblos indígenas, con 274 idiomas diferentes de los cuales el 37,4 % de los mayores de 5 años habla una lengua indígena.
El número total de indígenas suma 896.917 personas. Unas 324.834 viven en centros urbanos y 572.083 en áreas rurales, lo que corresponde a un 0,47 % de la población total del país. La población indígena se concentra especialmente en las zonas remotas del occidente, difícilmente accesibles y que desde algunos paradigmas se consideran poco desarrolladas, posturas que cuestionan las oenegés como Survival International.
Estas regiones son la Amazonía, Mato Grosso y áreas vecinas a éstas, puesto que de los territorios costeros están totalmente extintos, ya sea por mestizaje u otras razones. El pueblo indígena más numeroso es el guaraní, con 51.000 integrantes, y sin embargo ha perdido prácticamente la totalidad de su territorio. Durante los últimos 100 años casi toda su tierra les ha sido robada y transformada en vastas y secas redes de haciendas ganaderas, plantaciones de soja y caña de azúcar.
Muchas comunidades viven hacinadas en reservas masificadas y otras bajo refugios de lona improvisados en los bordes de las carreteras. La Amazonía brasileña es el hogar de más pueblos indígenas no contactados que ningún otro lugar del mundo. Según la Fundación Nacional del Indio (FUNAI) se piensa que hay al menos 77 grupos de indígenas aislados en la selva.
Su decisión de no mantener contacto con otros pueblos indígenas o con foráneos se debe, casi con certeza, a los desastrosos encuentros previos y a la invasión y destrucción continua de la selva, su hogar.
La mayor parte de esta población se distribuye en las 698 “tierras indígenas” (106,7 millones de ha), donde reside el 57,7 % de los indígenas. 83 de estas tierras indígenas están habitadas por un número menor a las 100 personas. 28 etnias se encuentran en situación de aislamiento voluntario. La tierra indígena con mayor población indígena es la yanomami, en Amazonas y Roraima, con 25.700 indígenas.

segunda-feira, 23 de dezembro de 2019

Universidades: herramientas de transformación en América Latina y el Caribe





Nodal -sempre atenta as questões que afetam a formação nossa da América Latina e Caribe.As Universidades possuem papel decisivo na formação do humanismo, especialmente as universidades Públicas que se distanciam do Neoliberalismo faminto de sangue.As Universidades também nos sustentam nosso conhecimento científico com base na nossa própria realidade, sem desprezar os conhecimentos provindos de outros hemisférios, mas coadunando-os a nossa realidade.


Universidades: herramientas de transformación en América Latina y el Caribe

Dolly Montoya Castaño*
por http://bit.ly/3728q0B
“Las universidades y este congreso pueden y deben trabajar armónicamente para que las instituciones educativas sean escuela de virtud, de pensamiento y de acción, proyectada hacia la solución de los problemas nacionales y universales, hija de su tiempo, abierta a todo y a todos, enemiga irreconciliable del enquistamiento y de la anquilosis”. Estas palabras, que expresan parte del carácter, esencia y responsabilidad social de la universidad latinoamericana, fueron mencionadas por el rector de la Universidad de San Carlos de Guatemala, doctor Carlos Martínez, anfitrión del Primer Congreso de Universidades Latinoamericanas realizado en septiembre de 1949.
Ese primer congreso significó el nacimiento de la Unión de Universidades de América Latina y el Caribe (Udual), una organización que en la actualidad reúne cerca de 500 universidades e instituciones de educación superior de 22 países y es reconocida por la Unesco como órgano regional de asesoría y consulta. Esta organización, además de promover el intercambio académico entre sus instituciones afiliadas, ha centrado sus esfuerzos en la defensa de la autonomía universitaria, la libertad de pensamiento, cátedra e investigación como herramientas para la promoción del desarrollo social, económico y cultural de América Latina y el Caribe en condiciones de dignidad humana y justicia social.
Durante la segunda mitad del siglo XX los golpes de Estado, dictaduras y autoritarismos vividos en varios países de la región hacían de las universidades, por la naturaleza libre del conocimiento, escenarios para resguardar la vida y defender la democracia. En aquel contexto, la Udual fue probada en su capacidad para servir como organización de respaldo, mediación y denuncia internacional para la protección de los derechos humanos y la defensa misma de las universidades y los universitarios.
En la actualidad América Latina vive un período de convulsión social, política y económica. En Bolivia, a causa de las controversias y acusaciones en las últimas elecciones; en Venezuela, por la profunda crisis social y el éxodo de millones de hermanos venezolanos; en Ecuador, por la eliminación de los subsidios a los combustibles; en Haití, por la generalizada escasez de alimentos y gasolina; en Chile, porque pese a sus indicadores económicos es aguda la desigualdad, y en nuestro país, por la violencia contra los líderes sociales, el hastío de la corrupción y una extendida crisis en la educación.
Aun con las particularidades de cada país, debemos asumir que hay elementos que pueden ser comunes. Reconocernos como la región más desigual del planeta evidencia parte del problema. La intensidad de las movilizaciones en nuestros países muestra también que las demandas sociales se han acumulado y crecido mucho más rápido que las respuestas paquidérmicas de los sistemas e instituciones responsables en el Estado. Pese al crecimiento económico de la región en la década pasada, los países en Latinoamérica no han logrado garantizar los derechos sociales a la salud, al empleo digno, la jubilación decente y, menos aún, a la educación de calidad para todos.
Este contexto representa un enorme reto para las universidades latinoamericanas como centros de gestión del conocimiento, motor de innovaciones sociales, científicas, técnicas y tecnológicas necesarias para mejorar las condiciones de vida de nuestras comunidades en sus territorios. De igual manera, es una oportunidad para reafirmar la misión universitaria de formar ciudadanos integrales que actúen éticamente y que como profesionales tengan un elevado compromiso social.
Este reto y oportunidad para la universidad latinoamericana ha sido así reconocido por la Udual en el marco de su XX Asamblea General, realizada los pasados 28 y 29 de noviembre. En esta asamblea también se renovó la mesa directiva de la Unión. Como reconocimiento a la Universidad Nacional de Colombia y a su trayectoria como proyecto científico y cultural en la construcción de nación, expresión de una universidad que es socialmente responsable, fui elegida como nueva presidenta de la Udual para el periodo 2019-2022. Considero que esta elección constituye también una responsabilidad para el conjunto de universidades e instituciones educativas en Colombia, para que trabajemos juntas y, acorde a nuestra capacidad de respuesta a los problemas y necesidades locales, seamos ejemplo y apoyo para los países de la región.
Como evidencia, frente al actual periodo de movilizaciones hemos dispuesto los campus de la Universidad Nacional como escenarios de encuentro, diálogo y construcción académica de propuestas sociales para un mejor país. De igual manera, hemos ofrecido nuestra institución como garante y gestora del gran diálogo social que se debe emprender para que, como sociedad, lleguemos a las propuestas y acuerdos necesarios para los cambios sociales que reclama nuestra población. Así, hemos convocado también a nuestra comunidad universitaria a no cesar en la actividad académica de formación, investigación y en el trabajo con las comunidades. No hay mejor escenario para pensar, cuestionar y hacer avanzar a la sociedad que una universidad abierta, en pleno funcionamiento, que —como lo señalaba el doctor Martínez— no se anquilosa, ni se queda quieta.
Es tiempo para que Colombia y toda América Latina confíen en sus universidades como el mejor instrumento para transformar la sociedad. Desde la Udual reafirmamos nuestro propósito de contribuir al desarrollo de una sociedad libre, pacífica y democrática en favor de los ideales de unidad latinoamericana, de respeto a la dignidad humana y de justicia social.
* Rectora, Universidad Nacional de Colombia.
#universidades 

A Google é a gigante norte-americana essencialmente capitalista

(Shutterstock)

Ana de Hollanda por capturas do Facebook
Ana de Hollanda, nossa exministra da Cultura, com base no artigo abaixo (.http://bit.ly/2MjMZQO) nos aponta sérios danos deste gigante faminto americano a serviço do capital.aproveita e fez coptação para a sua derrubada do cargo..Vamos aos textos:



Taí: essa é a Google, oligopólio norte-americano da internet, que defende o uso de informações e obras culturais de terceiros sendo que, quem as produziu não receba nada ou quase nada; é a multi-trilhardária empresa do Vale do Silício que, além de não criar conteúdos, ganha uma quantia incalculável em propagandas, na exibição de produções de terceiros; é a Google que cooptou um pessoal que se apresentava como "de esquerda" para defender o que chamava de "copyleft", por disponibilizar gratuitamente o fruto de trabalhos alheios; essa é a empresa que financiou uma campanha de baixíssimo nível, mentirosa e caluniosa contra quem defendesse os direitos autorais e, no meu caso como Ministra da Cultura, depois de várias ameaças pessoais e chantagens, exigiu minha demissão, a suspensão do anteprojeto da Lei dos Direitos Autorais e a aprovação de um Marco Civil da Internet cheio de regras que favorecem a empresa.

A Google é a gigante norte-americana essencialmente capitalista que, assim como no Brasil, tenta impor seus interesses, sem limites, no mundo todo.
Alguém ainda acredita que a a Google é "left"?
..........................................................................................................................................................................................http://bit.ly/2MjMZQO

Google demite engenheira que criou ferramenta de alerta sobre direitos trabalhistas

Kathryn Spiers entrou com uma reclamação contra o Google no Conselho Nacional de Relações Trabalhistas alegando que a demissão foi injusta


SÃO PAULO – Kathryn Spiers, uma ex-engenheira de computação da Google, foi demitida na semana passada após modificar, sem autorização prévia, uma ferramenta interna nos servidores da empresa para enviar mensagens informando sobre os direitos trabalhistas dos funcionários.

A ferramenta servia, a princípio, para disparar informações sobre a segurança interna da companhia e era uma extensão do Google Chrome exclusiva para funcionários da empresa.

Após a modificação feita por Kathryn, o mecanismo começou, através de pop-ups, a enviar mensagens sobre quais são e como funcionam os direitos trabalhistas dos funcionários. Também chamava atenção para a declaração do Google de que empregados podem se organizar em coletivos para discutirem diversas questões laborais sem sofrer represálias.


Tais direitos foram publicados pelo Google em setembro por determinação de um órgão governamental, que obrigou a companhia a informar seus funcionários sobre direitos laborais.

“O Google não é uma companhia tradicional, colocar um cartaz com a nota na cafeteria não é nem de longe uma maneira efetiva de notificar seus funcionários”, afirmou Kathryn em entrevista ao Business Insider.

O alerta feito por Kathryn aparecia assim que os funcionários visitassem a página sobre a política interna do Google ou o site de uma empresa não identificada envolvida em tentativas de enfraquecimento de sindicatos.

A funcionária, que trabalhava na parte de segurança da informação da empresa, foi suspensa horas após a modificação ter sido descoberta e demitida na última sexta-feira (13).
Reação da funcionária e posicionamento do Google

Na última segunda-feira (16), Kathryn entrou com uma reclamação contra o Google no Conselho Nacional de Relações Trabalhistas dos Estados Unidos (NLRB, na sigla em inglês) alegando que a demissão foi injusta e arbitrária.

A engenheira alega que tinha plena autoridade para usar o sistema interno para alertar os funcionários sobre as políticas internas da empresa e que não esperava ser demitida por isso.


Segundo a empresa, a funcionária foi demitida não por conta do teor da mensagem, mas sim por alterar sem autorização uma ferramenta interna da companhia, o que fere diretamente as políticas do Google.

“A questão aqui é que uma engenheira de segurança usou de maneira indevida uma ferramenta de segurança e privacidade para criar um pop-up que não era sobre segurança ou privacidade”, afirmou uma porta-voz do Google em entrevista à Reuters. “Esta pessoa fez isso sem autorização e sem justificativa do ponto de vista de negócios.”
Quinta funcionária demitida em menos de 30 dias

Em novembro, o Google demitiu quatro funcionários por violarem suas políticas de segurança de dados. Eles alegam que foram retaliados por tentar organizar trabalhadores. Mesma alegação que Kathryn fez ao NLRB.

O Trabalhadores de Comunicações da América (CWA, na sigla em inglês), um grupo sindical dos Estados Unidos, encaminhou uma queixa ao NLBR sobre as cinco demissões consideradas arbitrárias.

Segundo a entidade sindical, a demissão dos funcionários foi ilegal porque teve como objetivo principal impedir os funcionários de reivindicarem seu direito de participarem de atividades organizadas e coletivos trabalhistas.

50 anos da Pedagogia do Oprimido Paulo Freire Recife

Nasce Urmedium, plataforma iraní que combate la censura

El Frasco, medios sin cura: Censurando por la “libertad”

Alicia, eterna 'Giselle

tags

#aliciaalonso