REDES

segunda-feira, 15 de julho de 2019

Curso: Invenção e deslocamentos da libido: Agostinho, Freud e Foucault













Detalhes
Curso: Invenção e deslocamentos da libido: Agostinho, Freud e Foucault
Três encontros: 10, 17 e 24 de Agosto
Quando? Sábados, das 16h às 18h
Carga horária total: 6 horas.
Contribuição sugerida de 20 reais por encontro
Onde? Na Taperona (Av. São Luís, 187, 2º andar, loja 30)
Com: Aldo Ambrózio
Mais informações: cursos@taperatapera.com.br
OBJETIVO
"Vislumbrar e precisar os deslocamentos de sentido que o termo libido sofreu, quando de uma apreciação agostiniana que prescreveu a moral sexual dos membros da Igreja Católica, quando esta se tornou uma religião de Estado, e sua reutilização, pelo avesso, pela Psicanálise de matriz freudiana quando da fundação desta modalidade de pensamento e prática clínica em fins do Século XIX e início do Século XX."
"O termo libido encontra um deslocamento importante, quando observamos sua utilização na construção de uma moral sexual religiosa no período em que a Igreja Católica se torna uma religião de Estado, e, alguns séculos depois, quando é reinscrita no pensamento e prática clínica da Psicanálise de Matriz freudiana. Freud, ao construir os alicerces de uma discursividade fundamental para o pensamento moderno, apreendeu este conceito, clínico para a psicanálise, de uma maneira diversa do uso religioso. O que era sinônimo de queda, danação e motivo para a purificação, se torna, na verve freudiana, sinônimo de vida e de forja, tanto do Eu quanto dos objetos que compõe o mundo moderno que, a princípio, deveria ser dessacralizado."
DESTINADO A
Intelectuais em geral e todos aqueles que têm em Foucault e na Psicanálise instigadores da produção do seu pensamento.
CONTEÚDO
1. Sexualidade, Libido, Formação do Eu e processos de Projeção e Identificação.
2. Deslocamentos do conceito de Libido e possibilidades de travessia do Édipo ou do Fantasma: do apego ao amor.
SOBRE
Professor Dr. Aldo Ambrózio.
Pós-doutorando em História Cultural no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Doutor em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC/SP. Membro acadêmico do Departamento de Formação em Psicanálise do Instituto SEDES Sapientiae. Professor de Psicologia Social e da Educação no Departamento de Ciências Sociais e da Educação (DCHE) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).
BIBLIOGRAFIA
BUTLER, Judith. A vida psíquica do poder, cap. 3. “Sujeição, resistência, ressignificação, entre Freud e Foucault”. Belo Horizonte: Autêntica, 2019
FOUCAULT, M. Histoire de la Sexualité. Vol. IV. Les Aveux de la Chair, cap. “La
libidinization du sexe”. Paris: Galloimard, 2018
______“Sexualidade e Solidão” (online)
FREUD, Sigmund (1905). Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. In: Obras completas de Sigmund Freud. Tradução de Paulo Cesar de Sousa. v. 6. São Paulo: Companhia das Letras,
2016.
_________. (1914). Introdução ao narcisismo. In: Obras completas de Sigmund Freud. Tradução de Paulo Cesar de Sousa. v.12. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.
_________. (1915). As pulsões e seus destinos. In: Obras incompletas de Sigmund Freud. Tradução de Pedro Heliodoro Tavares. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

É preciso sair às ruas imediatamente contra os ataques à Educação e o roubo da aposentadoria e pelo Fora Bolsonaro e pela Liberdade de Lula.





A cada dia vamos descendo abismo abaixo e o povo anestesiado, inerte. Ou Fazemos uma revolução ou cairemos 50 anos, ou melhor voltamos 50 anos atrás. A COISA É SÉRIA!

AGORA É A UNIVERSIDADE E COM ISTO A PESQUISA, OU SEJA FICAREMOS SEM CIÊNCIA, SEM ENSINO E PÓS!

PRECISAMOS SAIR ÀS RUAS , OU DESAPARECEMOS.
O DIÁRIO DA CAUSA OPERÁRIA NOS ALERTA E PEDE  NA SUA MATERIA ABAIXO:



http://bit.ly/30CtnMK

Fora! Bolsonaro quer cobrar mensalidades em universidades federais

No dia 18 de julho, o Ministério da Educação (MEC), atualmente comandado pelos golpistas que derrubaram Dilma Rousseff e preparam a ascensão do bolsonarismo, irá se reunir com os reitores das universidades federais para apresentar o programa “Future-se”. Segundo  secretário de Educação Superior do Ministério da Educação, Arnaldo Barbosa de Lima Júnior, o programa teria como objetivo “fortalecer a autonomia financeira das universidades e dos institutos federais”. No entanto, o “Future-se” deverá ser mais um duríssimo ataque contra a população.
O que o MEC pretende implementar, com o programa “Future-se” é o pagamento de mensalidades em universidades federais. Segundo planejam os golpjstas, as universidades públicas deixarão de ser administradas sob o regime jurídico de direito público, fazendo com que seja viabilizada uma política de cobrança de mensalidade para cursos que hoje são gratuitos.
Embora a cobrança de mensalidades nas universidades federais seja um crime de enormes proporções, a criação de um programa como o “Future-se” não causa nenhuma supresa. Afinal, desde 2016, o regime político brasileiro está sob o controle dos maiores picaretas do mundo, o imperialismo e seus capachos. Os capitalistas estão dispostos a fazer qualquer coisa para que seus cofres permaneçam intactos, mesmo após a nova etapa de crise em que o capitalismo entrou. Não há freio moral algum: a palavra de ordem da burguesia é saquear todas as riquezas de todos os povos do planeta e destruir suas condições de vida.
Para impedir que as universidades públicas cobrem mensalidades e que o governo Bolsonaro continue atacando toda a população, é necessário mobilizar os trabalhadores e a juventude para lutar contra todos os golpistas. É preciso sair às ruas imediatamente contra os ataques à Educação e o roubo da aposentadoria e pelo Fora Bolsonaro e pela Liberdade de Lula.

sexta-feira, 12 de julho de 2019

DESABAFO --A POESIA NÃO DÁ NADA A NINGUÉM –FLAGRA FACE











Rubens Jardim
 flagra FACEBOOK

quarta-feira, 10 de julho de 2019

PAULO E CHICO SE VÃO...TEMOS PERDIDO MUITO

CHICO E PAULO POR CUT


TEMOS PERDIDO A DEMOCRACIA E AQUELES QUE LUTARAM  POR ELA.
ELES ME ENSINARAM MUITO ; VALE A PENA LUTAR AINDA E SEMPRE!
 DEIXEMOS QUE A CUT FALE, NÃO TENHO PALAVRAS! Paulo Vasconcelos



PAULO HENRIQUE AMORIM E CHICO DE OLIVEIRA,PRESENTE!
DEFENSORES DOS TRABALHADORES,PAULO E CHICO MORRERAM NESTA QUARTA-10.07.2019

http://bit.ly/2LeXOoj

O Brasil perde dois gigantes defensores da democracia. Morreu na madrugada desta quarta-feira (10), no Rio de Janeiro, o jornalista Paulo Henrique Amorim, após um infarto fulminante.
Durante a manhã morreu também o sociólogo Francisco Maria Cavalcanti de Oliveira, conhecido como Chico de Oliveira. Segundo a família,ele residia em São Paulo para o tratamento de uma pneumonia.Oliveira morre aos 85 anos. Bastante conhecido nos movimentos sindical esociais, ele foi um dos fundadores do Partido dos Trabalhadores (PT) na década de 1980. Em 2003, ele se filiou ao Partido Socialismo e Liberdade (Psol). Formado em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Pernambuco, ele pertenceu aos quadros técnicos do Banco do Nordeste e da Sudene, onde teve importante atuação ao lado do economista brasileiro Celso Furtado.

Professor titular aposentado da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP), ao longo de sua trajetória sempre defendeu os direitos humanos, recebeu inúmeras homenagens e, com o livro "Crítica à razão dualista/O ornitorrinco, foi ganhador do prêmio Jabuti na categoria Ciências Humanas em 2004. 

Assim como Oliveira, o jornalista Paulo Henrique Amorim também construiu ampla trajetória,  tendo igualmente se posicionado no campo político. Aos 77 anos, atuou em diversos meios de comunicação, entre os quais a Globo e a TV Record, esta que ohavia afastado do programa Domingo Espetacular recentemente, após 14 anos à frente desta atração. No jornalismo desde 1961, ele também escrevia para os jornais e revistas brasileiros e chegou a participar de inúmeros debates organizados
 pela CUT e seus sindicatos. 

Como criador do blog ‘Conversa Afiada’ fazia críticas ferrenhas ao governo de Jair Bolsonaro e suas propostas de retirada de direitos trabalhistas e sociais, a exemplo da reforma da Previdência. Também se posicionou diante da prisão política de Lula e sobre outros assuntos como a manipulação da grande imprensa comercial e a geopolítica de outros países, como os EUA. 

Com comentários frequentes em sua página na internet e na rede Youtube, onde jáhavia alcançado 985.710 pessoas inscritas, seus vídeos chegavam a 500 mil visualizações. Paulo Henrique Amorim foi, certamente, um defensor incansável da democracia, da justiça, da pluralidade das vozes, enfim, um defensor do Brasil.

Nos solidarizamos com amigos e família neste momento de dor. A perda de Paulo e de Chico é sentida por nós neste momento em que vivemos um dos maioresretrocessos no país, mas o exemplo deles ficará eternamente gravado em nossas lutas e corações. 

São Paulo, 10 de julho de 2019.
Direção da CUT São Paulo


ELA REPRESENTA MILHÕES DE BRASILEIROS ANÔNIMOS QUE NÃO PODEM FALAR

A REFORMA-DA PREVIDÊNCIA- PARA MORTE LENTA NOSSA!

A miséria política que vivemos patrocinada pelo governo eleito  por eleitores e abistêmicos ao voto- os que anularam ou votaram em branco-2018- produziu  e vai produzir mais infãmia e covardia neste país.A reforma da previdência é um dos momentos,como outros que já ocorreram, mas outros virão!

O mundo sabe da esbórnia em que se encontrat O BRASIL.O senhor Jair governado por Onix ,Paulo Guedes,Moro- com retarguada da direita dos militares e conluio do judiciário junto ao comando da elite  industrial/rentista expõe o país a retrocesso jamais visto numa  chamada república.

Sairam os portugueses, espanhois mas permanecem, UE, com destaque para os ingleses -city london- e os EUA,wall street -representados aqui também pela elite fétida,corrupta, nazista   ditando-nos ordens de uma necropolítica, filha do neoliberalismo  infame.

O congresso pela direita nos entrega à morte sem direito a caixão e cova, que dirá cremação.

A Câmara dos Deputados é a besta fera  que solapa, fere e mata.

A deputada Jandira Feghali representa,junto com outros partidos- chamados de minoria-PCdoB PT, ,PSOL,PDT-PSB-racharam-  contra a carnificina destes deputados de direita-centro e do governo- comprados.fascistas!

Ainda temos luta, vamos às ruas,em todo Brasil!!
.

terça-feira, 9 de julho de 2019

Deltan comemora decisão de Fux que censurou Lula

AUDIO DE DELTAN DALLAGNOL CREIAM
POR BRASIL247

Sai o primeiro áudio: Deltan comemora decisão de Fux que censurou Lula: O The Intercept publicou o primeiro áudio dos vazamentos de conversas entre procuradores da Lava Jato e o ex-juiz Sérgio Moro, e ele traz a voz do coordenador da força-tarefa, Deltan Dallagnol; 'Ouça como ele comemorou secretamente a decisão do Fux revogando autorização a @folha entrevistar Lula', comentou o jornalista Glenn Greenwald; ouça

Quando a escola pública é atacada, a juventude é atacada e a nação é atacada



JOÃO CARDOSO PALMA FILHO *




O professor Dr. João C. Palma Filho, nos dá de presente este fragmento sobre a Escola e Educação como um todo.Autor de várias obras sobre Educação.
Flagra do seu Facebook. Sempre lúcido, o professor  indica o Livro e-book "Escola Pública: tempos difíceis, mas não impossíveis"
Autor: Nora Nora Rut Krawczyk



João Palma Filho
Quando a escola pública é atacada, a juventude é atacada e a nação é atacada. Infelizmente, é esse o momento que estamos vivendo, com uma forte campanha voltada à sua destruição e substituição por modelos que retiram seu caráter público e democrático. É um processo que se dá no Brasil e em diversos outros países, ao qual precisamos nos opor. O discurso político alarmista e maniqueísta do fracasso do Estado na condução da educação básica e universitária é legitimado numa produção de conhecimento dominada pelo economicismo e pela supremacia dos interesses privados..
 O Estado tem sido acusado de ser o responsável por todos os ‘males’ da sociedade atual. O ataque à escola pública não é mais nem menos que uma investida na ignorância de nossa juventude e que se dá, paradoxalmente, num tempo chamado ‘era do conhecimento’. Nega-se à infância e à juventude um espaço democrático onde se possa aprender a ser tolerante com as injustiças, a conviver com o diferente. Um espaço que estimule a curiosidade e o gosto intelectual de apreender. Um espaço que transcenda as crenças e os valores particulares de grupos e famílias. Uma escola que esteja disposta a contrariar destinos. 
O ataque à escola pública não é mais nem menos que um ataque à soberania nacional. A escola pública é um espaço estratégico de formação de valores e é fundamental no desenvolvimento de uma sociedade democrática e independente. Um espaço que, por sua própria condição de público, deve estar orientado pelo interesse coletivo. 
A universidade pública é o lugar, por excelência, de desenvolvimento da ciência, tecnologia e inovação, em prol do interesse coletivo, econômico e social. A destruição dos espaços públicos e a apropriação da educação escolar por interesses particulares – ideológicos e econômicos – são dimensões do processo regressivo das conquistas sociais adquiridas ao longo de décadas e que estamos vendo serem destruídas num abrir e fechar de olhos, produzindo nem mais nem menos que a precarização e a desagregação da sociedade brasileira. 
É nosso dever resistir à destruição da escola pública, pois ela, apesar de todas as suas contradições, inerentes ao sistema no qual está inserida, representa uma conquista da luta de várias gerações de educadores, trabalhadores e lideranças populares. Este livro, resultado da empreitada que a Faculdade de Educação da UNICAMP encarou para comemorar seus 45 anos de luta pela escola pública, traz a contribuição de um conjunto de autores que, a partir de diferentes referenciais teóricos, assume o desafo intelectual de rebater as falácias que sustentam esse ataque cerrado à escola pública, produzindo conhecimento que explique os reais motivos e os problemas fundamentais da educação contemporânea.
Resumo do Livro e-book "Escola Pública: tempos difíceis, mas não impossíveis"
Autor: Nora Nora Rut Krawczyk
Disponível no site da faculdade de educação da Unicamp, para ser baixado.
Código: 105858
*João C.Palma Filho
Possui graduação em História Natural pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1968), graduação em Pedagogia pelo Centro Universitário Faculdades Integradas de Osasco (1977), graduação em Direito pela Universidade de São Paulo (1982), mestrado em Pós Graduação Em Ciências Sociais pela Fundação Sociologia e Política Instituição Complementar da Universidade de (1972), mestrado em Educação (Currículo) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1989) e doutorado em Educação (Currículo) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1996). Livre-Docência pelo Instituto de Artes da UNESP. Atualmente é professor titular da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, professor titular aposentado da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, membro do conselho pleno do Conselho Estadual de Educação, membro do conselho estadual de educação do Instituto de Artes - Universidade Estadual Paulista, diretor do Instituto de Artes - Universidade Estadual Paulista, membro congregação do Instituto de Artes - Universidade Estadual Paulista, membro de comissão de avaliação do SINAES do Ministério da Educação, membro designado para compor comissão especial do Conselho Estadual de Educação do Estado de São Paulo e coordenador local do núcleo. do Instituto de Artes - Universidade Estadual Paulista. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Política Educacional, atuando principalmente nos seguintes temas: formação de professores, ensino fundamental- política educacional - contexto legislação educacional, arte/educação e políticas educacionais. Membro Titular da Cadeira nº 32 da Academia Paulista de Educação; Vice-Presidente do Conselho Estadual de Educação (2012-2014).. Secretário Adjunto de Educação do Estado de São Paulo (2011-.11/2013). Coordenador Geral do Fórum Estadual de Educação do Estado de São Paulo (2013-2015). (Fonte: Currículo Lattes)

domingo, 7 de julho de 2019

DIAS TURVOS - MORTES E MORTES -MORRE JOÃO GILBERTO -


JOÃO GILBERTO -1931- 2019- 88 ANOS

Hoje é mais um dia turvo,roxo, aguento, parte-morre JOÃO GILBERTO.
No Brasil nem todos o conhecem,coisa normal diante da miséria do nosso povo- face o conhecimento mal distribuido.A mídia é culpada,digo mídia poderosa.Não há uma educação permanente,como assim propunha Paulo Freire.
Nascido-10 de junho 1931 Juazeiro na Bahia  logo pulou para fora, vindo para o Rio ,EUA ,etc,onde fincou solidez da BOSSA NOVA.
Deixa um grande legado, uma herança enorme como intérprete e difusor da cultura musical brasileira.
Tomo as palavras de Nelia Lins Lula da Silva em que a mesma via seu twitter assim se expressa conjuminando nossa situação atual, a morte da democracia.
 O vídeo acima pode ser interpretado como a saudade dos bons tempos- da democracia.


@souguerreira
BOA NOITE PRESIDENTE LULA! Faz tempo q o Brasil não sabe o q é ter alegria. Desde o golpe na presidenta uma nuvem negra pousou sobre o país. É só perda e tristeza a cada dia. Nos tornamos um país de loucos alucinados. Saudade do nosso Brasil! Saudade de você

sábado, 6 de julho de 2019

C OM A MORTE DA DEMOCRACIA - +CRIME É COMETIDO CONTRA O PAÍS- RÁDIO MEC É EXTINTA








Como se fosse pouco a destrUIção da democracia, aparece as manobras dos ditadores eleitos  ou elevados ao poder como o Sr.MORO e seu comparsa BOZO.
O BRASIL É VÍTIMA DE DESCREDIBILIDADE E CHACOTA EM TODO MUNDO-DO NORTE AO SULDO LESTE A OESTE! NÃO EXISTE MAIS A DEMOCRACIA,HÁ UMA FILIGRANA NO CONGRESSO NACIONAL,O RESTO É DITADURA E ELEITA POR FACISTAS!
|
Mais um ato de desrespeito a cultura do país o Sr.Bolsonaro extingue a 
Rádio M|EC.

Criada em 1923 por Roquete Pinto a rádio constitui um monumento cultural do país.
Com imenso acervo sonoro com depoimentos e programas, que conta a história do país, a rádio- pertencente a EBC, tem um acervo de quase 100 anos.
Intelectuais, artistas- atores,cantores, compositores, poetas,escritores estão registrados em seu acervo.
O Jornal Brasil de Fato traz pequena matéria sobre o fato -.http://bit.ly/2JoSR9c-
Vejam abaixo:

O sinal será desligado no dia 31, segundo informou a coluna de Lauro Jardim, d’O Globo / Rádio MEC/Reprodução

A rádio MEC AM, fundada em 1923, quatro anos após o surgimento da Rádio Clube de Pernambuco, a primeira do país, foi extinta pela Emissora Brasil de Comunicação (EBC), como parte das mudanças exigidas pelo governo de Jair Bolsonaro (PSL).
O sinal será desligado no dia 31, segundo informou a coluna de Lauro Jardim, d’O Globo. O fechamento, no entanto, ainda não foi confirmado oficialmente e nem comunicado aos funcionários da emissora, fundada pelo antropólogo Edgard Roquette-Pinto com o nome Rádio Sociedade foi doada em 1936 ao governo federal. Fontes internas ouvidas em off pela reportagem do Brasil de Fato confirmam a informação do fechamento.
A sigla MEC quer dizer “Música, Educação e Cultura”  e funciona no Rio de Janeiro. Em seu site, a emissora afirma contar com “cerca de 50 mil registros e produções” e “um patrimônio de gravações de depoimentos que vão de Getúlio Vargas a Monteiro Lobato, passando por crônicas de Cecília Meireles e Manuel Bandeira”.
“A programação é totalmente voltada para a difusão da cultura brasileira. Contempla toda a diversidade da música brasileira, de gêneros como o choro, a música regional, a música instrumental e de concerto. Tem ainda programas dedicados à literatura, cinema, dramaturgia e as artes como um todo”, afirma a descrição da rádio pública.
Edição: Pedro Ribeiro Nogueira

segunda-feira, 1 de julho de 2019

Walfredo Luz um eletricista do verbo em alagados poéticos.


*Walfredo Luz -Foto arquivo do autor
"Senhores, peço licença
para agora recordar
um poeta e sua vida
e seu modo de lutar..."
Jorge de Lima - Senhores, Peço Licença



Quem escreve o faz por uma espécie de delírio, inicialmente mudo, mas alguns montam no outro delírio que é a palavra e suas conjuminações. O que fala, faz o mesmo. Por vezes, tanto um quanto o outro envergam estereótipos.
O poeta tenta salvar-se dos estereótipos.
Muitas vezes não sabe que é poeta, mas ocupa este espaço que é o delírio da mente e ajuda/bengala da palavra. A alucinação do poeta em suas variadas linguagens é a busca de salvar-se, salvar-se em querer dizer de um abismo o que é viver, estar e ser.
O poeta nem por isto é um trágico no sentido comum, ele pode ser um brincante e comediar seu discurso.
Ao entrar em contato com o poeta pelo Facebook, chama-me atenção seu grito de humanidade e protesto. Vou além e entro em contato com sua poesia.
Walfredo Luz é um poeta, dramaturgo, ator, mas sobretudo um caminhante da palavra.
Vou me ater a sua obra poética por ser meu roçado mais conhecido.
Das Alagoas, terra de grandes poetas e escritores, ele destampa-se para o mundo, não cedo, mas também não tarde, aos 48 anos. Daí o teatro e a poesia são seus escudos que lhe permitem desfocar e cenarizar o mundo, sua aldeia, enfim catar os sentidos de ser.
Sua obra tem cheiros da terra dos sargaços secos de Jorge de Lima, ou quiçá dos alambrados do cordel. Ergue-se um poeta e seu trombone.

Serpente comendo serpente
Homem sugando gente
Mesmo com dor de dente
Ninguém é alforriado



e vai..

Para gente acomodada
Palavrão é reclamar
Situação tão agourada
Silêncio é o termo fatal.


Aqui tenho algumas palavras trocadas com o autor que talvez amplie nosso encontro e seu perfil:



1 – Por que a poesia calha na sua vida de intelectual, como ela surge?

Geralmente, todos os meus escritos nascem da observação do mundo. Sempre escrevo sobre tudo que incomoda e fere o ser humano de morte. O caos interno/externo e a ebulição da mente e alma me fazem refletir e escrever sobre a vida, procurando incitar a reflexão para que possamos pensar e agir diante das adversidades, e a Arte tem esse poder.

2 – Por que a forma SONETO se repete em toda sua obra?
Comecei escrevendo livremente, não me preocupando em estruturar fisicamente os escritos. Por natureza, eu era muito prolixo, e escrever textos teatrais e poéticos me fez abrir a mente para a concisão diante da velocidade absurda com a qual as informações têm fluído no mundo real e virtual. Então, resolvi escrever meus poemas em soneto, mas sem a preocupação com a metrificação. É isso.

3 - O quê de brasil e nordeste aporta em sua obra?
Principalmente o preconceito generalizado, o descaso com a natureza e com a Arte em geral. Apesar de viver em Alagoas (Nordeste do Brasil), minhas obras são universais, pois os temas abordados em minhas obras referem-se ao ser humano e sua relação com o mundo, ou seja, são temas para reflexão em qualquer parte do planeta.

4 - Escrever é um ato solitário e perceptivo, quase alucinatório, acho, em que ocasiões emerge o poema?
Diante do caos generalizado. Os conflitos internos e externos são o gatilho propulsor para uma escrita reflexiva, para que pensemos em como ser e estar nas missões necessárias para que possamos nos tornar melhores. A trilogia poética Sonetos de Sururu (303 poemas) foi em escrita em, aproximadamente, 2 meses e meio. Considero minha escrita quase alucinatória! (risos)

5 - O teatro e a poesia se dão as mãos. Como?
Totalmente, pois quando escrevo sempre imagino cenas, cenários, diálogos. Costumo pensar o texto teatral como pura poesia, assim como o poema como cenas teatrais, tanto é que penso em escrever teatrais para cada volume da trilogia poética.

4-A leitura de autores outros nos lambuza, dá-nos um campo de extensão de pensar poemando. Quais autores se misturaram em tua trajetória e quais você destaca?
Brasileiros: Graciliano Ramos, Gregório de Matos, Augusto dos Anjos, Aluisio de Azevedo, Jorge Amado, Chico Buarque.
Estrangeiros: Russos: Gogol, Dostoiévski, Tolstói, Tchekov, Allen Guinsberg, William Burroughs, Jack Kerouac, Antonin Artaud, Bertolt Brecht, Ionesco, entre outros.


5- E a difusão pelas escolas e outros locais - como aparece essa ideia e como foi recebida?
Nós sabemos que o hábito de leitura é muito pouco em nosso país, imaginem então quando falamos em leitura de textos teatrais e poéticos. Diante desse quadro, resolvi encampar a missão de difundir textos (teatro e poesia) nas escolas públicas e a receptividade tem sido boa. O maior presente que recebemos, enquanto autor presente nas escolas, é o retorno por parte de crianças, jovens e adultos que nos abordam para trocar ideias. Em muitos momentos, eles e elas falam que é ótimo receber autores e autoras com quem eles e elas possam conhecer seus escritos e trocar ideias sobre os mesmos.

Só resta comer seus sonhos apalavrados em sua obra e enlamear-nos na sua lírica de cheiro de terra, de sol e palavra solta.

-->



*BIOGRAFIA

Walfredo Luz nasceu em 1963, no bairro de Fernão Velho, Cidade de Maceió-Alagoas. Graduado em Letras, ator, escritor, judoca. Em 2011, aos 48 anos, Walfredo apaixona-se pelas artes, o teatro especificamente, e não parou mais. Em 2012, ele estreia nos palcos como ator. Em 2016, faz parte da equipe de produção do Festival de Teatro de Alagoas. Em 2017, estreia como ator no cinema com o curta-metragem “Os Desejos de Miriam”. Em maio de 2017, Walfredo viaja pela dramaturgia com a publicação da obra “Teatro de Walfredo Luz – Fulniô e De cachimbo Caído”. Em 2018, estreia na poesia com a publicação da trilogia poética Sonetos de Sururu composta pelas obras Holocausto Mundaú, Queixume e Sóis de Brancas Trevas. Em 2018, Walfredo Luz também conclui o texto teatral Fuzis de Flores (não publicado). Em 2019, o autor conclui a obra poética Massunim Psicodélico (não publicado). Em 2017, 2018 e 2019, o autor participou de vários eventos literários em escolas estaduais em Alagoas, saraus poéticos, mesa redonda “Onde Mais Houver Poesia” promovida pela Estante Virtual/RevistaPhilos/Editora Kazuá durante a FLIP – Festa Literária Internacional de Paraty. Em 2017, participou também de eventos literários durante Bienal Internacional do Livro em Maceió. Walfredo Luz leva sua arte às escolas para difundir e incentivar a leitura e a escrita de obras literárias.