REDES

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Faculdades em transição EditoriaL DA FOLHA DE sp

É DESCABIDA a reivindicação, pelo Fórum das Entidades Representativas do Ensino Superior Particular, de uma linha de financiamento subsidiada com dinheiro público para enfrentar supostos efeitos da crise econômica em seu ramo de negócio. A sobra de vagas nas instituições privadas antecede a crise e decorre, em realidade, de uma saturação. Não há por que socorrer o setor, que deve ajustar-se por mecanismos de mercado.A razão mais saliente a desaconselhar o socorro está na substancial ajuda oficial que universidades particulares já recebem. Com o Programa Universidade para Todos (ProUni) a União abrirá mão de R$ 394 milhões em impostos neste ano para custear a ocupação de vagas privadas por alunos de baixa renda. Em 2008, foram 225 mil vagas.Se 42% das instituições ouvidas em pesquisa do sindicato setorial paulista anunciam que terão menos alunos novos em 2009, isso não resulta de falta de capital. O subsídio que o BNDES já considera conceder serviria só para dar fôlego a cursos insustentáveis, por falta de demanda, e muitas vezes de má qualidade. Condicionar o crédito ao cumprimento de padrões de ensino, como se cogita, parece apenas um pretexto, pois já é obrigação do Estado exigir essa qualidade.O crescimento vigoroso do ensino superior privado nos últimos anos teve o mérito de oferecer oportunidades de estudo a uma grande parcela da sociedade que estava tradicionalmente alijada desse benefício. No Estado de São Paulo, o número de instituições passou de 266 para 496 de 1997 a 2007, um aumento de 86%. Em escala nacional, o setor crescia a taxas de 10% anuais, mas de 2006 a 2007 estacionou.O segmento deve agora passar por uma consolidação natural, processo do qual se espera que emerjam instituições mais robustas -sob o prisma financeiro e o pedagógico.

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Sarkozy envia a Cuba ex-ministro Jack Lang como emissário especial


Jack Lang, ex -ministro socialista francês, está em Cuba para reativar laços entre Cuba e França.

Vendo Filmes no Carnaval




Neste Carnaval, como em tanto outros, ja não sou da"fuzaca"como se diria na minha terra, preferi meu canto, casa,amigos, por em dia as coisas,ler e ver filmes escolhi entre outros: A Pele, com Nicole Kidman com direção de Steven Shainberg, 2006. O filme na verdade é uma passada sobre a vida de Diane Arbus, fotógrafa americana, que revolucionou a fotografia,pelo que de mais insólito via ela nas pessoas.Vale a pena!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

DO BLOG DE Homero Fonseca recife pe

Fotografia ilustrativa

Osman Lins

Encontro o jovem professor Fábio Andrade na Livraria Cultura (Recife) e tivemos uma dessas conversas rápidas, mas frutíferas. Compartilho algumas opiniões que expressei, sem que meu interlocutor tenha qualquer responsabilidade por elas.
- A meu ver, existem duas grandes correntes literárias: a literatura cuja fonte é a vida e a literatura cuja fonte é a própria literatura. Por temperamento, inclino-me pela primeira, cujos expoentes seriam gente como Tolstoi, Dostoievski, Balzac, Flaubert, Dickens, Machado. No time da segunda, brilham Borges e todos os formalistas. Eu classificaria Kafka entre os primeiros e reconheço que alguns têm um pé numa banda e outro, na outra: Joyce e Guimarães Rosa, por exemplo. Joyce é oscilante entre os dois pólos, já Rosa está mais próximo de uma síntese.
- A melhor literatura é aquela que traz a marca pessoal do seu autor, situando-se, entretanto, dentro da moldura mais ampla da sociedade. (Fábio aqui citou um teórico, cujo nome não lembro, sobre a experiência de se contemplar um quadro envidraçado, em que se vê a pintura através do vidro.) Sem a marca do autor (de visão de mundo, estilística etc.) temos apenas uma reprodução automática da realidade. Sem estar dentro da moldura social, cai-se no deplorável giro em torno do próprio umbigo. (Vejam como em boa parte dos romances nacionais contemporâneos os protagonistas são escritores, jornalistas, publicitários, fotógrafos, designers... Ou seja, não se sai do pequeno universo do autor, que é importantíssimo para ele, mas que, para mim, como leitor, não me interessa.)
- Alguns tentam enveredar pela realidade social, mas como bons pequenos burgueses, sem conhecimento de causa, carregam nas tintas, focando apenas o lumpen (como se houvesse apenas duas classes, quando as nuanças sociais são muitíssimo mais amplas) e emprestando-lhe sentimentos e atitudes artificiais.
- Por isso, o povo brasileiro é quase invisível na nossa literatura (e não estou demandando nada que nem remotamente se refira a panfletarismo). Existem exceções, claro, como, só para ficar por aqui, Gilvan Lemos (e seu universo do microdrama de gente de carne e osso), Fernando Monteiro (e seu diálogo com todas as literaturas sem tirar os pés do chão), Raimundo Carrero (cada vez mais afastado do ninho armorial, enveredando pela loucura humana e sua contraface mística) e Ronaldo Correia de Brito (revisitando o Sertão numa perspectiva contemporânea). E para não ficar apenas na província, o mineiro radicado em São Paulo Luiz Rufatto, filho de pobres e portador de diploma universitário, transitando assim entre as dores do proletariado e as aflições da pequena burguesia, cuja série “Inferno Provisório” é uma grande saga brasileira. (Fábio lembrou Osman Lins, de “Avalovara”).
- Não acredito em quem diz que escreve para si próprio. Esses, se fossem sinceros, deixariam suas obras geniais nas gavetas. Quando o camarada procura um editor, manda seu texto e se contorce na expectativa de vê-lo aprovado, sufocando-se de revolta caso a resposta seja um não, é porque está em busca de leitores. Aliás, creio que uma obra só se completa quando é lida, assim como só nos reconhecemos em face do Outro.
- O escritor escolhe o seu público, exercendo uma saudável autonomia, dentro de um contínum que vai das multidões (prosa redundante) ao restrito grupo dos iniciados (experimentações vanguardistas). Como um texto pode ter múltiplas leituras e camadas de significados, as obras geniais, ao meu ver, são as que conseguem se situar num espectro o mais amplo daquela linha contínua (“Dom Quixote” é o exemplo por excelência).
- E arremato com uma frase ao estilo de Geneton Moraes Neto (que não falei na conversa com Fábio): Não existe literatura sem cânone, mas os epígonos são a desgraça dos grandes autores. Como no caso de leitores de Machado que vivem citando, fora de contexto ou num contexto errado, a máxima de Quinas Borba. Esses não merecem as batatas.

(De propósito, não cito nenhum teórico de sobrenome polonês nem escritor somente conhecido de iniciados nem a palavra epifania.)

Reabrem o museu do Iraque


Soldado patrulha obras do museu que ja foi saqueado durante a guerra.

Jazz é o senhor da folia em Garanhuns



Divulgação
Guitarrista James Wheeler, de Chicago, é uma das atrações

Do JC OnLine

Em meio ao frevo que invade as cidades do Recife e Olinda, é o jazz o senhor da folia na Cidade das Flores. O Garanhuns Jazz Festival, que chega à sua segunda edição após estreia que reuniu mais de 10 mil pessoas, promove o intercâmbio entre os ritmos pernambucanos com o jazz e o blues.

Entre as atrações, os internacionais James Wheeler (USA) e a banda equatoriana Nuages Jazz, os paulistas do Blue Jeans, Igor Prado Band e Dixie Square Jazz Band e a pernambucana Banda de Pífanos de Garanhuns.

Toda a programação, que acontece de sábado (21) a segunda (23), será realizada principalmente nos palcos montados na Praça Guadalajara e Pau Pombo, com acesso gratuito.

Confira a agenda:

* Pau Pombo - Ruber Van Der Linden

Dia 21/02

15h Nosso Jazz
16h Choro, Baião e Cia

Dia 22/02
15h Orlito
16h Kleber Blues Band

Dia 23/02
15h Banda Local
16h Banda Local

* Praça Guadalajara - Palco Ronildo Maia Leite

Dia 21/02
20h Carlos Malta (RJ) & Pífano Folclore Verde (Garanhuns)
21h Kate Bentley & Clay Ross Band (USA)
22h30 Nuno Mindelis (Angola/SP)

Dia 22/02
* A Dixie Square Jazz Band (SP) - show de rua à tarde e à noite
20h Nuages Jazz(Equador)
21h Igor Prado Band (SP)
22h Lancaster & The Bluz (PE)
23h James Wheeler (EUA)

Dia 23/02
20h Marcelo Martins (RJ) & Street Band (PE)
21h Robson Fernandes (SP) &Uptown Band (PE)
22h Blue Jeans (SP)
23h Izzy Gordon (SP)

SERVIÇO:
www.garanhunsjazz.com.br


segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Sem vaias, Lula estreia na Sapucaí e promete voltar em 2010

by J DO BRASIL
Sem vaias, Lula estreia na Sapucaí e promete voltar em 2010
REUTERS
RIO - Com a bênção do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pela primeira vez na Marquês Sapucaí, o Império Serrano abriu neste domingo, sem muito luxo, os desfiles da elite do Carnaval carioca com o 'Canto da sereia', relembrado em coro pelo público. Em contraste, a Grande Rio esbanjou no brilho para trazer a França ao Brasil, mas teve problemas em sua passagem pela avenida.
Lula, com chapéu Panamá e vestindo camisa florida branca e azul-claro, desembarcou no sambódromo no início do desfile da primeira escola. Acompanhado da primeira-dama, Marisa Letícia, e do governador Sérgio Cabral, o presidente apareceu algumas vezes para o público e acenou do camarote do governo estadual.
Durante a passagem da Grande Rio, a primeira-dama, quebrou o protocolo e desceu do camarote para sambar, cercada de seguranças, mas sem a companhia de Lula. Dona Marisa repetiu a dose na passagem da Vila Isabel, terceira escola da noite que cantou os 100 anos do Theatro Municipal carioca, e não perdeu a chance de saudar o cantor Martinho da Vila.
Ao deixar o sambódromo, na madrugada desta segunda-feira, o presidente disse que foi 'maravilhoso' e que pretende voltar no ano que vem.

O senador republicano Richard Lugar pede para debater o embargo a Cuba


El senador republicano Richard Lugar promueve un replanteamiento de la política exterior de EE UU hacia Cuba, según consta en una carta que acompaña el último informe que su oficina ha elaborado sobre la isla. La petición de un cambio de posición -que, sin embargo, no llega a ser la solicitud lisa y llana de levantamiento del embargo comercial- obedece a que, de acuerdo con Lugar, la restricción impuesta en 1962 no ha logrado agilizar un cambio democrático en la isla.En la misiva, Lugar, el republicano de mayor rango en el Comité de Relaciones Exteriores del Senado, afirma que, si bien las sanciones económicas pueden ser una herramienta "legítima" de la política exterior de EE UU, en el caso de la Cuba han fracasado. "Debemos reconocer la ineficacia de nuestra política actual y tratar con el régimen cubano en una forma que refuerce los intereses estadounidenses", sugirió. El parlamentario ha destacado también que el embargo le ha dado al Gobierno cubano una excusa para justificar las penurias de "una empobrecida población.

By EL pais ES

Os índios brasileiros vistos pela Espanha-EL PAIS- face ao encontro dos direitos indígenas em janeiro em Belém-PA


"Por una parte el Gobierno crea un organismo como la Funai para protegerlos, y por otra pone en marcha el Plan de Crecimiento Acelerado, que proyecta entrar en la Amazonia y construir carreteras y centrales hidroeléctricas. Además, el presidente Lula da Silva visitará a Barack Obama en abril con el objetivo de vender a Estados Unidos más biocombustibles. Ya tiene en proyecto la creación de más fábricas en tierras reivindicadas por los guaraníes. Y encima, el Congreso de Brasil está debatiendo un anteproyecto de ley que permitiría explotar a gran escala la minería en los territorios indígenas", diz Almudena Hernando arqueóloga da Universidade Complutense de Madrid, que tem convivido na Amazônia .

MORRE IDA GOMES (SZAFRAN)


O corpo da atriz Ida Gomes foi enterrado no início da tarde desta segunda-feira no cemitério israelita de Vilar dos Teles, em São João de Meriti, no Estado do Rio de Janeiro.
Ela morreu noite deste domingo (22) no Rio, vítima de uma parada cardíaca, aos 75 anos. A atriz estava internada no hospital Samaritano desde a tarde de sábado, com problema pulmonar.
João Miguel Júnior/TV Globo
Ida Gomes em sua participação na novela "Duas Duas"; atriz morreu neste domingo aos 75 anos em consequencia de parada cardíaca
Ida Gomes é o nome pelo Ida Szafran, nascida em 25 de setembro de 1933 em Krasnik, na Polônia, se tornou conhecida no Brasil.
Irmã do ator Felipe Wagner, Ida Gomes se tornou conhecida com a personagem Doroteia, uma das cajazeiras da novela global "O Bem Amado" (1973), de Dias Gomes, dirigida por Régis Cardoso com supervisão de Daniel Filho.
A trama, que atualmente ganha uma adaptação para o cinema, terá a atriz Zezé Polessa como a cajazeira Doroteia.
Recentemente, a atriz participou de séries como "JK", "A Diarista" e "Os Normais".
Dentre alguns dos fatos curiosos de sua carreira, o site IMDb lista Ida Gomes como a voz da atriz Bette Davis nas dublagens brasileiras.

BY uOL

domingo, 22 de fevereiro de 2009

Um retrato-possível- que representa Leonardo da Vinci


Pode-se ver um detalhe da obra. Também admite-se a possibilidade de que o autor do retrato seja Cristófano dell'Altissimo, que havia realizado outro retrato de Leonardo e que se encontra na galeria Uffizi em Florença. By Revista Ñ AR

A obra Dona Barbara de Rómulo Gallegos, obra exemplar da LIteratura Venezuelana


Em 2009 se comemora os oitenta anos da primeira edição de "Doña Bárbara" e os cento e vinte e cinco anos do nascimento de Rómulo Gallegos, seu autor.

La novela cumbre de la literatura venezolana "Doña Bárbara" cumple 80 años

La novela Doña Bárbara de Rómulo Gallegos, obra cumbre de la literatura venezolana y latinoamericana, cumple el jueves ochenta años desde su primera publicación en Barcelona en 1929.

EN 2009 se conmemoran los ochenta años de la primera edición de "Doña Bárbara" y los ciento veinticinco años del nacimiento de Rómulo Gallegos, su autor.

Doña Bárbara es una obra de referencia en Venezuela y en todo el continente", explicó en declaraciones a Roberto Hernández Montoya, presidente del Centro de Estudios Latinoamericanos Rómulo Gallegos, perteneciente al Ministerio de Cultura.

Hernández Montoya destacó que la novela, que supone el inicio de la literatura nacionalista, realista y social, se salvó de ser lanzada al mar desde el camarote del autor por su esposa, durante el trayecto que cubría la ruta que le llevó a Europa, donde la publicó en la española ciudad de Barcelona.

"La obra presenta la situación de la época que, lamentablemente, no ha sido superada, y es la de la expropiación por medio de la violencia, la barbarie y la explotación del campesino de las tierras de las zonas rurales de Latinoamérica", dijo.

El experto explicó que la oposición entre barbarie y civilización que recoge Doña Bárbara es "de gran importancia en la cultura" de América Latina.

Doña Bárbara narra la historia de una rica terrateniente que ha acumulado grandes tierras y manadas extensas de ganados usando a los hombres para su provecho personal y sobornando a los funcionarios locales, razón por la que Hernández Montoya la asemeja al "Don Juan" de José Zorrilla.

El sello editorial Araluce fue el encargado de imprimir la primera edición de esta obra el 19 de febrero de 1929, por la que recibió de forma casi inmediata el premio Mejor libro del mes en Madrid.

La novela fue reelaborada por el autor en 1930, a partir de la segunda edición, a la que le fueron añadidas más de 20.000 palabras, se reordenaron sus capítulos y se añadieron otros quince.

Además diversas expresiones y frases contenidas en el texto se revisaron de una a otra versión, hasta que veinticinco años después, en 1954, Gallegos estuvo satisfecho con la obra tal y como la conocemos hoy en día, informó el Celarg en un comunicado.

Para conmemorar los ochenta años de la primera edición de Doña Bárbara, la Fundación Celarg ha organizado una serie de actividades que se desarrollarán a partir del mes de agosto de 2009, cuando se celebran los ciento veinticinco años del nacimiento de Rómulo Gallegos.

Le Corbusier o arquiteto global em Exposição em Londres


REVOLUCIONÁRIO. um dos maiores expert em arquitetura contemporánea e grande conhecedor de sua obra - Le Corbusier-, o crítico britânico William J.R. Curtis, o comparou com o gênio espanhol Pablo Picasso. "Picasso reinventou os fundamentos de la pintura e la escultura, Le Corbusierfez algo similar na arquitetura", disse.
by Revista Ñ

Papangus desfilam em Bezerros sob chuva


Papangus são pessoas travestidas em máscaras, estopas, etc tradição do carnaval de Pernambuco e da Paraíba.Bezerros, em Pernambuco, é uma cidade pequena , próxima a Gravatá, por sua vez próxima do Recife, que tem seu famoso Carnaval dos Papangus. paulo acv
Com informações do JC

A chuva não desanimou - apenas atrasou - a saída do tradicional desfile dos papangus, em Bezerros, no Agreste do Estado, a 107 quilômetros do Recife. Previsto para as 10h da Praça São Sebastião, o desfile começou às 11h30, ao som de uma saraivada de fogos.

Apesar da disposição dos foliões, que não paravam de tirar fotos ao lado dos mascarados mais atraentes e originais, a opinião geral foi que a chuva, embora não tenha tirado o brilho da festa, esvaziou um pouco o desfile, que percorreu 1,5 km.

A previsão da prefeitura era de que 300 mil pessoas engrossassem o cordão dos papangus - porém, com a água, o número deve ter caído

sábado, 21 de fevereiro de 2009

De tudo na vida ele fazia literatura” Richard Zenith, tradutor, escritor e investigador de Fernando Pessoa


De tudo na vida ele fazia literatura”
Richard Zenith, tradutor, escritor e investigador é, sobretudo, conhecido como profundo conhecedor da obra de Fernando Pessoa, sobre quem acaba de assinar os textos da ‘Fotobiografia’.




Este biógrafo de Pessoa é um norte-americano em Lisboa que veio por seis meses e ficou 20 anos, seduzido pela cidade e pelo poeta.

"Vim por seis meses para traduzir poesia medieval; afinal ainda cá estou. Lisboa é uma cidade de luz e calor, suficientemente grande para me dar actividade cultural e suficientemente pequena para me fazer sentir em casa... Depois, descobri que estava por traduzir ‘O Livro do Desassossego’ – a que o próprio Pessoa chamou a sua autobiografia sem factos – e pronto: estava instalado e a trabalhar", recorda.

Tão diversa como dispersa, a obra de Pessoa tem sido a obra de uma vida para Zenith. Inesgotável .

"Com este livro pretendi fazer uma síntese da sua vida e obra, do seu tempo e dos lugares onde viveu. Na África do Sul, por exemplo, assistiu ao boicote à chegada de Gandhi e, 20 anos depois, escreveu sobre este episódio: "Gandhi é o único grande homem do Mundo", revela.

Explicar a multiplicidade de heterónimos mais como uma evolução de personalidade e menos como uma liberdade literária é outra novidade... "A heteronímia é comum nas crianças. São os amigos imaginários. Pessoa terá começado assim até decidir que um ser uno e coeso não era para si", afirma.

Em Pessoa, vida e obra confundem-se no mesmo fingimento, o maior dos quais responde por Ophélia: "Para mim, é um heterónimo às avessas, uma criação sua. Não estava apaixonado. Queria estar", diz.

Por último, a conclusão possível: "De tudo na vida ele fazia literatura. Não era um fingidor, mas um fazedor. Um inventor e não um mentiroso."

PESSOAL

O TRADUTOR

"Álvaro de Campos e Alberto Caeiro são os meus preferidos, mas, modo geral, Pessoa é fácil de traduzir, ao contrário de Camões e Lobo Antunes, de quem traduzi os sonetos de um e quatro romances do outro."

O ESCRITOR

"O meu único livro publicado, ‘Terceiras Pessoas’, é de contos. O resto é poesia e ensaio, mas tenho dois romances na gaveta só à espera de me animar para tratar deles."

O INVESTIGADOR

"O estudo comparado da obra de Pessoa revelou uma faceta pouco ou nada conhecida: ele não era tão sério como parecia. Tinha um grande sentido de humor e vivia como quem brincava."

Dina Gusmão by correio da manhã Lisboa PT

ORURO , SANTA CRUZ E LA PAZ FAZEM SEU CARNAVAL NA BOLÍVIA

DILMA EM CAMPANHA PASSA PELO GALO DA MADRUGADA E VAI PARA OLINDA

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Almodóvar lança seu primeira curta em 30 anos



Se trata de "La concejala antropófaga'', un monólogo protagonizado por Carmen Machi. Debuta el viernes en la cadena Canal como parte del especial una entrevista realizada al director por el crítico de cine Diego Galán.



Pedro Almodóvar presenta su primer cortometraje en 30 años, "La concejala antropófaga'', un monólogo protagonizado por Carmen Machi.

El nuevo corto del cineasta español debuta el viernes en la cadena Canal como parte del especial ''Almodóvar en corto'', que además incluirá una entrevista realizada al director por el crítico de cine Diego Galán.

En sus declaraciones, Almodóvar explica que decidió abordar nuevamente el cortometraje por un ''impulso creativo'' motivado por el ''talento descomunal'' de Carmen Machi durante el rodaje de ''Los abrazos rotos'', protagonizado por Penélope Cruz, que se estrena el 18 de marzo.

"La concejala antropófaga", indica la productora El Deseo, "reúne la vena más transgresora, fresca y espontánea del Almodóvar de 'Pepi Luci Bom y otras chicas del montón' o 'Entre tinieblas'''.

El realizador filmó el corto en un rincón del plató de ''Los abrazos rotos'', pero eso no quiere decir que sirva como un adelanto de lo que será el largometraje. "Es un tributo al cine negro americano de los años 50, un 'thriller' (filme de suspenso) enclavado en el género de drama; una gran historia romántica a cuatro bandas'', declara Almodóvar a Galán en su entrevista.

by ciudad ar

Tomás Eloy Martínez


Faz poucos meses, Tomás Eloy Martínez publicou Purgatório, sua nova obra literária, uma profunda reflexão da consciência nacional Argentina diante da ditadura. A Alfaguara começa a publicação de sua obra completa (Biblioteca Tomás Eloy Martínez), començando com Lugar commum la muerte y Las vidas del general..
Ficciones de lo real









Por Angel Berlanga

En La mano del amo narra una escena en la que el protagonista, de chico, es obligado por su madre a besar un muerto. ¿Es autobiográfico?
–El primer recuerdo infantil que tengo es cuando mi madre me alza en brazos ante el ataúd de mi abuelo y me dice: tenés que besarlo. En esa medida sí, es autobiográfico. Yo recuerdo ese momento con imborrable espanto. Sobre todo porque ese contacto fue el hielo de la muerte. Ya no me acuerdo, casi, de ese libro. Debería volver a leerlo.

Eso está en el otro extremo de la memoria de Tomás Eloy Martínez, pero sin duda, y lo irá desgranando a lo largo de la entrevista, tiene puntos de contacto con los temas que abundan en sus textos, literatura, periodismo, sus mixturas. Tiene que ver, por caso, con los flamantes ejemplares de Lugar común la muerte que acaban de llegarle desde la editorial y que examina, satisfecho, en su departamento de la avenida Pueyrredón. Ese libro y Las vidas del general son el punto de partida para la reedición de su obra, que desde este mes puso en marcha Alfaguara y que tendrá su continuidad en abril con El vuelo de la reina y La novela de Perón.

Hace unos días presentó Purgatorio, su última novela, en Madrid; dentro de unos días viajará a Nueva Jersey para retomar las clases de literatura que da en la Universidad de Rutgers desde 1991. Ahora, instalado cómodamente sobre un sillón de funda blanca, toma café. El combustible de la máquina, dice.

“Ejercicios donde mezclé por primera vez las aguas de la literatura y del periodismo”, anota en el prólogo actualizado de Lugar común... El volumen se editó por primera vez en Caracas, en 1979, durante su exilio, e incluía textos publicados en diversos diarios y revistas sobre Rosas, Perón, Martínez Estrada, Macedonio, Felisberto, entre otros; en la reedición de 1998 sumó retratos sobre José Bianco y Manuel Puig; en ésta, los de José Lezama Lima y Augusto Roa Bastos. El tema aglutinante, como dice el título, es la muerte, sus vísperas. El libro es una buena puerta de entrada a su obra. “Cuando algo aparece en un diario y tiene el disfraz o la apariencia de relato real, aunque sea totalmente imaginario es tomado por la gente como algo real –dice–. Con Lugar común queda demostrado de modo muy palpable cómo el medio es el mensaje. Hay un relato que se llama “El cónsul”, que es la historia de Ramos Sucre, cuyo suicidio imaginé por completo, pero a partir de datos, huellas que había dejado en su poesía y su correspondencia. Como no quería ver su cuerpo maltrecho, deduje que usaría un veneno o un somnífero. La familia me llamó, después: “Este era un secreto muy guardado, ¿cómo lo supo?”. Deducción de periodista, simplemente. Cuesta creer que la lectura atenta de ciertos datos reconstruye la realidad, por más que el protagonista haya tratado de cerrar caminos o poner trampas”.

“Durante mucho tiempo se preguntó el lector común qué es verdad y qué mentira en Santa Evita y en La novela de Perón –dice TEM–. Al invertir los términos del llamado nuevo periodismo, que escribe como ficción datos reales, y utilizar con las herramientas del periodismo datos imaginarios, se dieron por ciertos muchos elementos que eran ficticios. La novela, en general, es eso: la expansión o la transfiguración de datos reales. En otro de mis libros, Ficciones verdaderas, aludo a recortes de prensa a partir de los que nacen libros: yo no sabía, por ejemplo, que Bodas de sangre salió de un artículo que leyó García Lorca. Hay casos más notables, como La guerra del fin del mundo, que proviene de Los sertones de Euclides da Cunha. Madame Bovary sale de un texto de un diario. La mayoría de los novelistas que conozco, aun los más imaginativos, hacen un pequeño trabajo de investigación previo. En los diarios de Kafka, y sobre todo en la Carta al padre, se ve que la mayor parte de sus obras nace de esos elementos: la experiencia de la relación con su padre asume forma de carta y forma de novela. La vida cotidiana dicta símbolos, hay que prestarles atención, saber oírlos, leerlos.”

EL PODER DE LA ESCRITURA
Nació en Tucumán el 16 de julio de 1934. “En la calle San Juan 448”, precisa, en una casa que hace rato no está. “Fue una infancia muy solitaria”, dice. El mayor de cuatro hermanos; se encerraba mucho a leer, le encantaba ir al cine, cuenta. Que le contaran historias. “Cada vez que había un duelo en la familia, y los había con frecuencia, no me dejaban oír música ni ir al cine, y eso era como una crueldad para mí”, dice. Suele evocar que empezó a escribir a los once años tras un cuelgue y un castigo: se quedó obnubilado por una chica flaquita con unas alas de mariposa que, sobre un caballo blanco, vio en la arena de un circo; cuando llegó a casa, sus padres ya lo habían buscado en las comisarías y los hospitales. Lo condenaron a un mes sin libros ni cine. “No me pegaban, me infligían castigos peores que los golpes físicos”, dice. “Ya que no puedo oír historias, me las voy a contar a mí mismo”, se dijo aquel chico, y empezó a armárselas con lo que tenía alrededor, los paisajes exóticos de las estampillas de un vecino por las que se metía a contar sus vivencias. Cuando le preguntaban qué hacía ahí, el chico decía: “Es que tengo unos padres muy malvados y estoy huyendo de ellos, espero que ustedes me den cobijo”. Su madre lo leyó y le dijo al padre que sería mejor levantar la penitencia: “Lo que está haciendo Tomás es terrible”. “Entonces descubrí que la imaginación tenía poder para arrancarte de los castigos, para salir de la grisura y encontrar otras formas de vida –dice TEM, la voz más pausada–. Descubrí que la escritura tenía un poder. Y ya no dejé de escribir.”

“Escribía poemas malísimos, de coyuntura, adolescentes, pero me dieron un premio, 1500 pesos de esa época, que era mucha plata –evoca–. Y luego en otro, de cuentos, también gané un premio similar. ¿Qué hice con ese dinero? Liberarme de mis padres y venir desde Tucumán a Buenos Aires, en un tren lleno de polvo, a visitar poetas con los que tenía correspondencia: Edgar Bailey, Mario Trejo, Rodolfo Alonso. Y con Roa Bastos, de quien me hice muy amigo.” Eso fue a los 17; a los 21 se instaló en Capital: hacía crítica de cine y teatro en La Nación. “Y crónicas de todo tipo –agrega–: mi mujer descubrió el otro día unos textos largos que escribí sobre Arlt, Silvina Ocampo y Macedonio. Era un muchacho entrometido y curioso.”

¿Y qué opinaban sus padres sobre lo que usted escribía?
–Tucumán es un lugar de una extrema religiosidad, de una ortodoxia católica absoluta: esa obediencia me sublevaba. Hay un relato blasfemo que publiqué en alguna parte y que mi madre leyó: tres chicos van a robar la alcancía de una iglesia, porque han visto que se ha recaudado mucho dinero. Y uno se entusiasma, de repente, con una figurita de la virgen, vestida con su largo manto, corona y demás. Entonces siente curiosidad, mete la mano debajo del manto y la toca. Pero enseguida, horrorizado por su acto, retira la mano y la estatuita le dice: “No la saques tan pronto, hijo, porque hace dos mil años que no sentía ese placer”. Bueno, mi madre se espantó y mandó a decir misas durante un mes por la salvación de mi alma. Toda imposición le resta a la literatura aquello que tiene de precioso: la libertad. Si hay una única condición para lo literario, ésa es imaginar en libertad.

La opresión es un asunto recurrente en sus libros.
–Así es. Bueno, eso tiene que ver con mi infancia oprimida. La patria de todo escritor es la infancia, y la otra patria es la lengua, son dos las patrias que se juntan. El deber ser, la opresión, el autoritarismo familiar: en esa atmósfera, en esa placenta, crecí. Y, además, siempre buscando formas de salir de ahí. El mundo de la provincia argentina, del cual zafan muy bien Tizón y otros escritores, como Di Benedetto, Juan José Hernández o Daniel Moyano. El único modo de salir de eso es la transgresión. Tanto en periodismo como en literatura quise ser siempre un transgresor, mirar desde aquellos elementos que no fueran el lugar común. A partir de la escritura me constituyo como ser, soy la persona que soy, me reconozco. Creo, del mismo modo, que una necesidad de la novela es expandirse, salir de los límites habituales, apelar a recursos no usuales; no seguir a Joyce, o a Proust, que ya hicieron sus caminos, sino ver qué otros caminos, relacionados con tu propio ser o naturaleza, pueden abrirse. Los géneros van expandiéndose. Hay vallas difíciles de vencer: cada vez que creí encontrar un camino novedoso, sobre todo en narrativa, descubro que ya fue hecho en el Quijote. Ahí están todas las novelas y las experiencias posibles.

Vuelvo a lo opresivo: hay una cuestión de atmósfera, además. Porque el tema podría ser abordado en clave de comedia, o humorística, etc.
–Esa atmósfera no es creada deliberadamente; nace del propio sujeto narrado, o de las situaciones narradas. Mi tema más bien es el autoritarismo, el alzamiento contra toda forma de poder abusivo doméstico, político.

“La madre, como el realismo mágico, es uno de los grandes mitos de América latina”, dice TEM, y aclara que la suya no es, por supuesto, la de La mano del amo, aunque el asunto sirve como ejemplo de lo que viene explicando. “Sacrosanta, la santa madrecita: toda madre es necesariamente buena –sigue–. Entonces ésta tenía que ser maligna, perversa: una forma de liberación, de transgresión, de salida a la opresión. Y eso implica rupturas.”

Le preocupa, dice, “ser cortés” con el lector, ser legible. “Si escribís algo que se declara narración, no le mientas al lector: narrale –puntualiza–. Narrale con claridad y con eficacia. Creo que todo relato tiene que tratar de decir, en la medida de lo posible, lo que uno quiso decir y contar. Se suele inundar al lector de ideas o de frases emblemáticas, golpes de efecto que tratan de retenerlo y que lo dejan indiferente. Algunas de esas frases quedan, se repiten, pero no narran.” Cortesía no es dulzura: “Mis textos son bien amargos, en general –dice–. No hay que ser condescendiente con el lector, y mucho menos con uno mismo. La condescendencia es una aceptación de la facilidad, y ése es el peor abismo en el que puede caer un escritor. Ser claro es otra cosa: no hay lenguaje más transparente y luminoso, a la vez, que el de Borges. Otros ejemplos de eso son Philip Roth, Dickens. Son autores que narran. Borges, cuando se proponía narrar, narraba”.

LA PASION
En los ’60, TEM trabajó en Primera Plana. “Es curiosa la parábola de la revista –dice TEM–. Timerman la funda como órgano de prensa del Ejército Azul; cuando empiezo a revisar la colección, me doy cuenta de los bandazos políticos que tuvo. Al hacerme cargo del área Cultura y Sociedad descubro que habían golpeado duro a La ciudad y los perros y Rayuela, por ejemplo. Lo que me parecía valioso en materia de literatura había sido maltratado. Y entonces dije no, y vi muy claro el objetivo: destruir –no sé si lo diría así– los mitos que habían creado La Nación y Sur y ganarles la pelea. El único modo de abrir una brecha ahí era optar por la literatura latinoamericana, que en esa época estaba en alza pero que aquí no tenía difusores. Fui a París, puse a Cortázar en la portada. Pero perdí una con Timerman: no me dejó poner en tapa a Los Beatles. “Qué importancia tienen esos mamarrachos, se nos van a reír”, me dijo. Tiempo después le recordé la historia: “Pero es que vos solo los conocías”, dijo.

¿Por qué se machaca tanto contra el realismo mágico?
–Es una manera cómoda de clasificar un tipo de escritura que se corresponde sólo con García Márquez, no creo que haya otros ejemplos, porque Carpentier llama a lo que hace real maravilloso. Diría que es, además, apenas un libro: Cien años de soledad. Los críticos necesitan alimentarse y ahí encontraron un sustento gigantesco. Como muchos lectores europeos y anglosajones supusieron que la literatura latinoamericana necesariamente tenía que responder a esas consignas, la etiqueta hizo muchísimo daño. Hasta a Borges en algún momento le adjudicaron ciertas hebras. La academia sueca vio una veta de algo novedoso cuyo inventor es uno, García Márquez, y por lo tanto consideró que había que darle el Nobel. Es una sola novela, admirable, que causa en su tiempo un enorme escozor. Yo la recibo con una pasión que ahora es extraña en la crítica, porque no se apasiona para elogiar ni para pegar. En la tapa de Primera plana sale un título que dice La gran novela de América. Ahora rara vez se pone ese adjetivo; quizás haya pocos libros que lo merezcan, pero acá somos muy desapasionados, o nos cuidamos mucho las espaldas, o el trasero. O quizá no tenemos la confianza necesaria en nosotros mismos, de decir: “Creo en esto y lo defiendo, y si no les gusta, paciencia. Pero éste soy yo”. Eso hizo importantes a algunos críticos en la Argentina: la pasión.

“Escribí un texto que se llama Sombra terrible de Borges en el que objeto su mandato en cuanto a que la literatura tiene que ser aséptica, no sentimental, no apasionada –dice TEM–. El se basa, sobre todo, en que era incapaz de escribir un texto valioso sobre la muerte de su madre. Decía que cuando estás bajo el efecto de la emoción, de los sentimientos, nada es valedero: efectivamente, ése era él, que era capaz de imponer su razón distrayéndose, o sustrayéndose a los sentimientos. Pero cuando se acepta la escritura de alguien como un mandato, aunque no tenga mucho que ver con tu mundo individual, corrés el riesgo de traicionarte. Traicionarse a uno es traicionar a la literatura. Y eso se refleja en la escritura.”

LA VIDA CON PERON
A Las memorias del general, editado hace una década, TEM le agregó dos textos inéditos y lo rebautizó como Las vidas del general. El nuevo título, anota en el prólogo, se ajusta mejor al contenido, porque “refleja no sólo los relatos con los que Perón quiso insertarse en la historia sino también los otros relatos disidentes que completan o contradicen esa imagen”. “Es totalmente periodístico”, asevera, y fue preparado “con la esperanza –quizás inútil– de que sus páginas dialoguen con todas las ficciones” que escribió sobre el peronismo. En una de las inclusiones, “Las novelas de Perón”, cuenta por qué, teniendo los elementos para hacer una biografía, encaró una ficción. En el otro, “La tumba sin sosiego”, narra sus encuentros con el coronel Cabanillas, que le contó al detalle sobre el periplo del cuerpo embalsamado de Eva Duarte y acerca de sus intentos fallidos por matar a Perón. “Acababa de terminar con La mano del amo y estaba en una especie de sequía, tenía que ponerme con Santa Evita y no encontraba el modo de arrancar –sitúa–. Una noche me llama por teléfono Rojas Silveyra, que había sido embajador de Lanusse en Madrid y me dice: ‘Le va a hablar un amigo mío’. Era Cabanillas. Una voz muy imperativa: ‘Usted se equivocó con los datos que da sobre el cadáver de Eva’. Yo no sabía quién era él. No hacía tanto que había llegado del exilio y la palabra coronel me daba resquemor. ‘La verdadera historia del cadáver la tenemos nosotros’, me dijo. ‘Si quiere véngase ahora, lo estamos esperando en el café Tabac’. ‘Es la una de la mañana, señor’, le digo. Y me contestó: ‘Mire, si le interesa venga ahora, y si no usted se lo pierde’.”

¿Quién le contó sobre el pasaje del espíritu de Eva a Isabel?
–Ahora, caminando hace unos días por Madrid, pasé por el lugar donde López Rega tenía su oficinita; quien quisiera hablar con Perón tenía que verlo a él. “¿Sabe qué estoy esperando? Que le devuelvan al general el cadáver de la Eva”, me dijo. “¿Por qué, López, qué gana Perón con eso?” “Es que cuando lo tenga le voy a pasar el alma de la Eva a Isabel, que es una gran mujer. Y la Eva la va a ayudar. Porque se puede pasar el espíritu de los muertos a los vivos.” Después, cuando se supo con mucha más certeza cuáles eran las creencias de López Rega, fui a Brasil y busqué cómo se hacía en los ritos umbanda, la sangre de un picaflor, en fin. Me dije: Si Eva estuvo en la casa, López Rega hizo este tipo de operación. El episodio en la novela es totalmente imaginario, a partir de su aseveración.

¿Usted cómo se define ideológicamente?
–Soy un hombre de izquierda en la medida en que creo en sus valores tradicionales. Pero sin afiliaciones partidarias, porque para los partidos la disciplina es esencial. Y eso no se condice con mi temperamento, me siento en plena libertad para votar lo que me parezca mejor, aunque a veces en la Argentina esa elección es difícil. Nunca he sido militante, pero sí defiendo las ideas, lo que tiene que ver con la dignidad de la persona, con la igualdad de oportunidades, en el trabajo y entre sexos. Por eso toda forma de fundamentalismo religioso o político me parece ofensiva. Nunca habría podido ser militar o cura.

¿Lo tildaron de gorila por La novela de Perón?
–Cada vez que me dicen que es una novela antiperonista digo que no soy peronista, pero tampoco anti. Perón lo sabía. Supongo que se molestó por el dato que quise chequear con él sobre su nacimiento: era completamente desconocido y habían borrado las huellas. Pero lo publiqué mucho después, recién cuando aparecieron Las memorias. No, gorila no soy. Aunque me acusaron: cuando presenté La novela de Perón en Tucumán tuve manifestaciones en contra.

“Mis padres apoyaban que escribiera mientras mi nombre apareciera en el diario –cuenta TEM–. De eso hay una historia muy curiosa. Cuando se desata la hiperinflación, fin de Alfonsín, comienzos de Menem, el New York Times me pide un texto para la revista. Y deciden publicarlo en tapa, con mi nombre ahí. Cuando sale me entusiasmo y decido llamar por teléfono a mi madre. ‘¿Y eso significa mucho para vos?’ ‘Bueno, mamá, sí, es valioso.’ ‘¿Pero qué se va a leer acá en la Gaceta de Tucumán?’ ‘Probablemente nadie se haga eco’, le digo. ‘¿Y entonces qué valor tiene?’ ‘Bueno, es el diario que más vende del mundo, aunque yo no reciba ninguno de esos beneficios. Estoy en la portada de un diario que distribuye dos millones y medio de ejemplares.’ ‘¿Y eso te importa?’, dijo mi madre. ‘¿Es un reconocimiento para vos?’ ‘Sí, mamá, significa eso.’ ‘Ah, hijo, qué lástima. Tan tarde en tu vida’.”

Se ríe. Eso explica la madre de La mano del amo, dice.
by pagina 12

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

A. Latina diante de cenário recessivo

A América Latina entrou em 2009 com níveis baixos de confiança tanto sobre a situação econômica presente, quanto futura, e boa parte dos países da região vive um período caracterizado como recessivo, mostrou pesquisa divulgada nesta quarta-feira.

De acordo com levantamento feito em conjunto pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e o instituto alemão Ifo, o Índice de Clima Econômico (ICE) da região atingiu 2,9 pontos em janeiro, o menor nível da série histórica iniciada em janeiro de 1990.


Entre outubro do ano passado e janeiro deste ano, o índice de confiança caiu em nove das 11 principais economias da América Latina, incluindo o Brasil.

"A avaliação sobre a situação atual piorou significativamente em relação a outubro, com deteriorações mais expressivas no Brasil, Paraguai e Equador", afirmou a FGV em comunicado.

No caso do Brasil, o índice que mede a avaliação da situação econômica atual caiu de 7,3 para 4,7 pontos, abaixo portanto da marca de 5 pontos, que separa as avaliações positiva e negativa.

"Com exceção de Peru e Uruguai, as outras economias da região estariam, em janeiro de 2009, em períodos caracterizados como recessivos, segundo os critérios da pesquisa"
by reuters

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Chávez conquista referendo e reeleição ilimitada



A emenda constitucional coloca fim ao limite para a reeleição aos cargos públicos foi aprovada domingo com 54, 36% dos votos.

Hugo Chávez abre caminho para disputar um terceiro mandato presidencial nas eleições de 2012.
by bbc
Oposición reconoce triunfo del Sí
Contenido relacionado
Smolansky acepta resultado pero denuncia ventajismo

Ismael García pide a la oposición seguir en pie de lucha

11:39 PM Caracas.- Omar Barboza, presidente del partido Un Nuevo Tiempo, reconoció el triunfo "con hidalguía" de la opción del Sí y dijo que la oposición no estaba compitiendo con una propuesta más, sino con un Estado que utilizó recursos "sin escrúpulos para ganar la contienda".

"Ellos han sacado más votos que lo obtenido por nosotros y debemos reconocerlos concientes de las condiciones de ventajismo sin límites y, sin embargo, participamos creyendo en la democracia y en el voto como instrumento de lucha", dijo Barboza.

Aseguró que el Gobierno convirtió la contienda en un plebiscito y a pesar de eso la oposición pasó la barrera de los 5 millones de votos. "El presidente Chávez que tenía 60% de votos en todo el territorio nacional, hoy solo obtuvo el 54%, lo que quiere decir que redujo en un 10% el apoyo del país".
by Universal

Chávez: temos aberto vez por vez as portas do futuro

09:44 PM Nacional y Política Desde el llamado "balcón del pueblo" y en cadena nacional, el presidente de la República, Hugo Chávez, destacó que "ganó la verdad contra la mentira, la dignidad de la patria contra los que niegan la patria y la constancia del pueblo". "Ha ganado el pueblo por una clara mayoría, hemos abierto de par en par las puertas del futuro", dijo.

CNE anuncia triunfo del SI con el 54,36% de los votos
09:38 PM Nacional y Política La presidenta del Consejo Nacional Electoral (CNE), Tibisay Lucena, dio a conocer el primer boletín oficial con resultados del referendo aprobatorio por la enmienda constitucional en el que dan como ganadora la opción del Sí con un porcentaje del 54,36% lo que corresponde a 6.003.544 electores por encima de la opción del No con un 45,63%, lo que corresponde 5.040.082.
http://www.eluniversal.com/index.html

domingo, 15 de fevereiro de 2009

Lula fala, fala, fala, viaja, viaja, viaja; o resto do tempo faz política


Quero destacar a fala coerente de Ferreira Gullar neste domingo 15.02.2009 na Folha de São Paulo, seguem trechos:
FERREIRA GULLAR

Por qué no te callas?

Lula fala, fala, fala, viaja, viaja, viaja; o resto do tempo faz política
...........

MINHA GENTE , estou a cada dia mais perplexo com a performance do nosso presidente Luiz Inácio Lula da Silva. ....
Às vezes me pergunto se minha crescente perplexidade decorre dessa sua insistência que já dura sete anos ou de alguma outra coisa. Acho que são as duas: por um lado, já não aguento ouvi-lo falar pelos cotovelos, gesticular e postar-se como um ator num palco e, por outro, percebo-o cada vez mais à vontade para dizer o que lhe convenha, conforme o momento e conforme o público.
....
Já quando o público muda, ele também muda o discurso. Se fala para empresários, banqueiros, exportadores, a conversa é outra. Mostra-se preocupado com o crescimento da economia, com o apoio do BNDES à iniciativa privada e chega mesmo a admitir que sem os empresários o país não cresceria. E o balanço de final de ano mostra que os bancos realmente nunca ganharam tanto dinheiro como durante a gestão presidencial do fundador do Partido dos Trabalhadores, que se dizia inimigo número um deles.
Joga com um pau de dois bicos, mas dá certo. Diz uma coisa para os pobres e o contrário para os ricos, mas dá certo. Tanto que a sua popularidade cresce a cada nova pesquisa de opinião. Na última delas, o índice de aprovação de seu governo alcançou mais de 70% e a dele, presidente, mais de 80%. Ele fala, fala, fala, viaja, viaja, viaja; o resto do tempo faz política. Há uma cumplicidade esquisita: Lula finge que governa, e o povão finge que acredita.
Mas, infelizmente, os números da estatística não conseguem cegar-me. ....
Essas considerações me ocorreram ao ler o discurso que ele pronunciou, no Rio de Janeiro, na favela da Mangueira, ao inaugurar uma escola. De ensino não falou, claro, já que não lê nem escreve. Anunciou a intenção de usar prédios públicos desativados como moradia de sem-teto. E aproveitou para mostrar como os ricos odeiam os pobres: disse que os ricos da avenida Nove de Julho, em São Paulo, não querem deixar que gente pobre venha morar ali, num prédio público desocupado. "Mas nós vamos colocar, porque a moradia é um direito fundamental do ser humano." Palmas para ele!
.....
O discurso, como sempre, é atrapalhado mas suficientemente claro para que a mensagem seja entendida: os ricos odeiam os pobres, que só contam com Lula para protegê-los. A conclusão é óbvia: se o Lula é o pai dos pobres, quem se opõe a ele certamente os odeia e ama os ricos.
Assim como se apropriou de tudo o que antes combatera, improvisou o tal PAC, um aglomerado de projetos pré-existentes de empresas estatais, governos estaduais e municipais, que vai desde o pré-sal até a ampliação de metrôs e o trem-bala.
Mas o investimento do governo federal é de apenas 0,97% do PIB, menos do que investiu FHC em 2001. Se tudo o que está ali é viável ou não, pouco importa, desde que sirva para manter Lula e Dilma sob os holofotes.
by http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq1502200922.htm

O que: livros para celular


Lançados os primeiros livros para celular do Brasil - Editora Plus
não-ficção/edição web de Eduardo Melo

3
Editora Plus, Porto Alegre (RS) · 13/2/2009 · 18 votos · nenhum

Editora: Editora Plus

Lançamento: 20/2/2009
Preço médio: Grátis
Serviço
Onde: www.editoraplus.org
O que: livros para celular
Quando: no ar em fase beta. Lançamento oficial 20 de fevereiro.
Quanto: grátis.

Dia 20 de fevereiro, a Editora Plus lança oficialmente as obras do seu catálogo em versões para iPhone e outros celulares. Eles já estão disponíveis para download desde o dia 15 de janeiro, no site editoraplus.org, em fase de testes (beta) aberta ao público em geral. Não é necessário nenhum cadastro para baixar os livros.

Inaugurada em novembro de 2008, a editora publica exclusivamente livros eletrônicos, gratuitos e inéditos. "Pensamos nos leitores. Eles ficaram sem desculpa para não ler. Nossos livros são inéditos e de graça. Estão sempre limpos, sempre novos", afirma Mauricio Azevedo, 28, editor-chefe da Plus.

A proposta da Editora é incentivar a leitura, exclusivamente no formato digital. A idéia de oferecer livros no celular é fruto de um planejamento rigoroso. "Temos como meta levar os livros a todos os lugares. O computador foi apenas o primeiro. Agora os leitores podem ler nossos livros no smartphone, iPhone ou e-book reader, como Kindle ou Sony", lembra Eduardo Melo, 27, diretor responsável pela integração tecnológica da editora. No link editoraplus.org, os livros são oferecidos nos formatos ePub (iPhone), PDF (computadores) e Mobi (smartphones).

Mas o público brasileiro está pronto para ler livros no celular? Essa é uma pergunta ainda sem resposta. "Já existem centenas de milhares de livros para leitura em dispositivos moveis, mas quase todos em lingua inglesa e comercializados por valores entre 5 e 15 dólares. Para o leitor brasileiro, faltam alternativas. Nós viemos preencher essa lacuna", comenta Melo, para quem a leitura em dispositivos móveis "é um mercado inexplorado no Brasil, que será extremamente rentável, para quem desenvolver um modelo de negócios adequado à realidade do nosso país".

A Editora Plus é uma ONG e não tem planos de lucrar no novo nicho. O objetivo, segundo seus diretores, é oferecer ao público acesso livre e gratuito aos livros, e aos autores, a chance de alcançarem públicos maiores.

O catálogo da Plus abrange desde publicações acadêmicas e literárias, até livros de auto-ajuda. "Nossa proposta é democratizar a leitura, dos estudantes às socialites", polemiza Azevedo. Nancy Lix, uma das autoras da Plus, lança em fevereiro um livro de poesias. "Outros editores elogiaram o texto, mas pediram pagamento para editar, e pior, drinks e autógrafos no lançamento. Não tou a fim de colocar salto alto, ir ao cabelereiro, e comprar roupa nova. Muito menos, pagar para publicar!", conta. Para os autores, a Plus é uma ótima alternativa ao mercado tradicional - oferece projeção nacional e não cobra para editar os livros.

Todo o trabalho de edição dos livros é conduzido por uma equipe de voluntários, entre editores, revisores, diagramadores e capistas, coordenados pela Plus. Com um detalhe: são voluntários espalhados por todo o país. Atualmente, edição e diagramação são feitas em Porto Alegre, revisão em Novo Hamburgo-RS e capa no Rio de Janeiro. Os leitores também se envolvem no processo, traduzindo e gravando audiobooks. "Eu trabalho com diagramação, em todos os tipos de publicação. Mas pretendo ir um pouco mais adiante, quero o mercado de capas. Aí vem o famoso problema: experiência. Como ter experiência se não te dão a oportunidade? Então, quando entrei no site, vi que posso ser útil e ganhar como retorno a entrada no mercado de capas", conta Rosane Guedes Gravina, empresária e uma das voluntárias da equipe.

Os leitores podem interagir entre si, e com os autores, no próprio site da Plus. Cada livro possui uma página, com links para download, espaço para comentar a obra, contatar o autor e até fazer doações. "Os livros são gratuitos, mas se alguém quiser, pode pagar o que quiser por eles", diz Melo. Nesses casos, metade do dinheiro vai para o autor, e a outra metade para a Plus, o que ajudará a manter o site no ar e a publicação gratuita. "Cada livro custa para o autor em torno de R$ 49,00 – somente as despesas com a Biblioteca Nacional."

Para os próximos meses, a Plus reserva mais surpresas. "Não podemos revelar ainda. Mas fiquem certos que vai seguir na mesma linha de inovação", diz Azevedo.
BY TERRA

sábado, 14 de fevereiro de 2009

Fidel : el futuro de Cuba depende del resultado de mañana en Venezuela - na votação sobre a constituição e prorrogamento do mndato de Chavez






"Nuestro futuro es inseparable de lo que ocurra el próximo domingo", señaló Castro, alejado del poder desde julio de 2006 por enfermedad, en su artículo publicado en la prensa local.



AVenezuela é o principal sócio comercial de Cuba e hle envía 92.000 barris diários de petróleo com facilidades de pagamento.

"Sony world photography awards


Foto: Hartmut Schwarzbach
"Sony world photography awards - exposição que tem uma turnê global que teve início em Bruxelas, no ano passado, passou pelo Rio, Alemanha, Japão, Índia, Estados Unidos e Singapura. Após o Rio de Janeiro a mostra seguirá para Austrália e Rússia. A turnê termina em abril, em Cannes, França. - Descobrindo um mundo de imagens", exposição que passou pelo Rio, Alemanha, Japão, Índia, Estados Unidos e Singapura. Após o Rio de Janeiro a mostra seguirá para Austrália e Rússia. A turnê termina em abril, em Cannes, França.

jussara miranda


estudo de Sandro Ka

Jussara Miranda é o tipo de artista que não se contenta com o palco. A coreógrafa gaúcha discute política cultural, espaços, públicos-alvo com a mesma paixão com que discute dança e o trabalho de seu grupo, o premiado Muovere. Para 2009, Jussara vai estar à frente de dois projetos, que envolvem oficinas dirigidas a públicos diferenciados.

No projeto Dalí Daqui, parceria com o grupo SOMOS que terá o apoio do Prêmio Interações Estéticas - Residências Artísticas em Pontos de Cultura - Funarte /CEPIN, a idéia é usar a obra de Salvador Dalí como inspiração e provocação. Entre maio e setembro, 30 oficineiros, escolhidos principalmente a partir de uma carta de intenções e não necessariamente bailarinos (segundo Jussara, preferencialmente não-bailarinos), vão ser expostos a obras do artista espanhol, vão frequentar oficinas de dança flamenca, de rua e contemporânea e vão discutir com historiadores e artistas plásticos sobre a vida e obra de Dalí. O coreógrafo Diego Mac está na equipe do Dalí Daqui, avisa que ao plano é descobrir as danças que estão escondidas nos corpos, usando todas as mídias possíveis.
- Vamos usar vídeos, vamos interferir em mídias publicitárias, vamos ver como se pode fazer um espetáculo em um outdoor.
Jussara avisa que quem não estiver formalmente na oficina poderá participar pelo blog que será criado e em festas populares que o Dalí Daqui vai propor:
- Seria uma espécie de competição de dança, sem ser competição. Teria prêmio simbólico em dinheiro, mas o objetivo maior seria o de descobrir danças nos corpos dos participantes.
As inscrições para Dalí Daqui poderão ser feitas a partir de 6 de abril no dalidaqui.blogspot.com e Ponto de Cultura SOMOS (R. Jacinto Gomes, 378, fone 51 3233-8423).

O projeto Dança e Sentidos é a sequencia de um trabalho que Jussara e o Muovere vêm desenvolvendo desde 2007, de forma voluntária, na CCMQ. Destinado a crianças e adolescentes cegos e de baixa visão, entre sete e 17 anos, o projeto prevê um ano de oficinas, mostras artísticas, participação em eventos científicos, capacitação de oficineiro cego e professores videntes, além da publicação da Cartilha da Dança 2 (a Cartilha 1 foi lançada na Feira do Livro de Porto Alegre do ano passado) em Braille e da produção do site "Dança e Sentidos". O projeto foi criado por Jussara, Joana Amaral e Regina Célia Tanski, e terá o incentivo de Integração Comunidades Petrobras - Refap - Região Sul.
As aulas começam dia 4 de março, na sala Cecy Frank, 4º andar da CCMQ. Informações e reserva de vagas a partir de 23 de fevereiro pelos telefones 9666-2409 / 9915-4946 / 9643-2364.
retirado do blog do caco http://www.clicrbs.com.br/blog/jsp/default.jsp?uf=1&local=1&source=DYNAMIC,blog.BlogDataServer,getBlog&pg=1&template=3948.dwt&tp=§ion=Blogs&blog=359&tipo=1&coldir=1&topo=3951.dwt

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Ernesto Sábato foi mais uma vez mais proposto para o Prêmio Nobel de Literatura


O escritor argentino Ernesto Sábato, junto aos espanhois Francisco Ayala e Miguel Delibes,foram propostos para o Premio Nobel de Literatura 2009 pela Sociedade Geral de Autores e Editores de Españha (SGAE), entidade que destaca seu "grande compromisso social.

RESTOS MORTAIS DE JORGE LUIS BORGES


Um projeto da deputada Beatriz Lenz insiste em repatriar os restos de Jorge Luis Borges, morto e sepultado em Genebra em 1985. Alejandro Vaccaro, biógrafo do autor , recordou que o escritor deixou constar que sua voluntade era de ser enterrado em Buenos Aires

Argentino Walter Astrada, premiado pela World Press Photo


ARGENTINO PREMIADO. La primeIra foto da série sobre la violência em Kenia, do argentino Walter Astrada, premiada pela World Press Photo.by el clarin

Ministério da Educação constituiu comissão de especialistas na revisão das diretrizes curriculares do curso de jornalismo

A Secretaria de Educação Superior (Sesu) constituiu comissão de especialistas para subsidiar o Ministério da Educação na revisão das diretrizes curriculares do curso de jornalismo. Ela funcionará durante 180 dias e se reunirá pela primeira vez no dia 19.

Para a secretária de Educação Superior do MEC, Maria Paula Dallari Bucci, as diretrizes em vigor abrangem toda a área de comunicação social e são pouco específicas para a formação em jornalismo. "A intenção é garantir um melhor processo formativo para o profissional do jornalismo, já que a diversidade e as peculiaridades da profissão não são hoje contempladas pelas atuais diretrizes", afirma.
BY JC RECIFE

Pernambuco terá curso para professores indígenas


Pernambuco terá curso para professores indígenas


Estudo com giz, terra e cantos nativos. Veja no especial A Retoma Indígena





Do JC OnLine

Pernambuco terá o primeiro curso de licenciatura voltado para professores indígenas em 2009. Foi lançado nessa segunda-feira (19) o Edital do Curso de Licenciatura Intercultural para Professores Indígenas, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

As inscrições para o concurso vestibular do curso estão abertas até a próxima quinta-feira (22). Os candidatos devem ser professores que já atuam em escolas indígenas do Estado de Pernambuco. O curso de nível superior terá duração de 4 anos e será ministrado no Campus Agreste da UFPE.

São 160 vagas distribuídas nas habilitações de linguagem e artes, ciências da terra e da natureza e ciências humanas e sociais. O edital do concurso, discriminando as vagas ofertadas, a estrutura e o funcionamento do processo seletivo, poderá ser consultado no endereço eletrônico da Covest.

POPULAÇÃO VAI FICAR MENOR E MAIS VELHA

POPULAÇÃO VAI FICAR MENOR E MAIS VELHA
O Brasil é o quinto país mais populoso do mundo, atrás da China, Índia, Estados Unidos e Indonésia. pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)2000, a população brasileira se aproxima dos 190 milhões de habitantes. O país é populoso, mas a tendência é de que este número continue a aumentar somente até 2039 -quando atingiria o máximo de 219 milhões de habitantes - e depois entre numa decrescente, chegando a 215,2 milhões em 2050.
Com a diminuição, as projeções demográficas APONTAM que a população está envelhecendo. Até 2050, 30% dos brasileiros estarão acima dos 60 anos.
BY ig

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

DA REVISTA BRASILEIROS


O "Disk Corno" do Google
Os bimbalhões que se cuidem: o Google está de olho!

Osmar Freitas Jr., de Nova York

Tamanho do texto: A A AEnviar por e-mail Fale com a gente


Era só o que faltava: o Google lançou um serviço localizador de pessoas pelo celular. A ferramenta usa sinais de torres de telefonia, GPS, conexões Wi-Fi e o diabo para mostrar a posição de um indivíduo num mapa. Estará presente em 27 países, inclusive no Brasil. Foi batizado: "Latitude". Deveria se chamar "Disk Corno". Imagine as multidões de esposas e maridos traídos que vão se utilizar do sistema para flagrar os parceiros puladores de cerca. O cara diz que tem uma reunião de trabalho, mas é apontado numa região de motéis. Fala que vai viajar a serviço para Araraquara, mas a patroa o encontra num apart-hotel na região de Ipanema. E nem adianta fugir para o meio do mar, já que o Google agora tem imagens dos cafundós dos oceanos. É o dedo-duro eletrônico universal.

Já disse aqui que o celular havia transformado o patrão em Deus: possuidor da onipresença. Às quatro da matina, o sujeito está dormindo um sono solto, quando toca o telefone - com aqueles ringtones ridículos. É seu empregador, convocando para serviço urgente. Agora, perde-se até a desculpa de que estava sem recepção. Quem chamou sabe que o infeliz está em casa, na cama.

O pior será o imbróglio matrimonial. Os cornos vão colocar as mãos num roteiro pormenorizado das peregrinações dos traidores.

- Muito bonito, né seu Antenor. Por onde o senhor andava?

- Eu estava numa reunião com um cliente na Faria Lima. Trabalho duro!

- Nem para mentir você presta! Está aqui ó: às 6h30 você foi pro bar Filial. Às 21h30 você saiu, imagino com sua filial, e foi para a zona de motéis na Marginal do Tietê. Saiu de lá há 20 minutos. Olha aí: ainda está de cabelo molhado, seu vagabundo!

Não vai demorar para que esta empresa infernal acrescente também imagens do sujeito pelos cantões mais obscuros do planeta. É só dar acesso às bilhões de câmeras de vigilância que estão espalhadas pelas ruas. Em Nova York, por exemplo, existem dois milhões de equipamentos de filmagem reconhecidos oficialmente. Fora os que são secretos, e aqueles instalados pela iniciativa privada. Um cara não pode sequer coçar as partes sem que o momento fique registrado em todo o seu grotesco. Em Londres foi feito um filme de meia hora só com gente cavocando o nariz durante paradas em semáforos. Usaram-se, é claro, os serviços das câmeras da polícia. Nem o Big Brother seria capaz de tanta xeretice.

Com o localizador via celular, pode-se calibrar melhor a mira das câmeras. E não serão apenas os cornos que vão lucrar - se é que saber da traição traz algum lucro. Os chatos também saem ganhando. Você quer fugir de um pentelho, mas não adianta: ele te acha em qualquer mocó. Ladrões roubam um telefone, encontram o resto da família, e vão atrás das vítimas. O Google diz que o serviço é voluntário. Mas vai falar para o marido desconfiado que a esposa não quer esta ferramenta em específico. A empresa fornecedora do tormento também alega que dá para desativar parte do esquema. Aí seria mostrado apenas em que cidade o indivíduo está. Mas quem não iria desconfiar de um sujeito que só quer mostrar que está em Petrópolis ou em Chapecó-Mirim?

Este localizador é que nem gênio: uma vez aberta a garrafa, ninguém consegue segurar o bicho. Os bimbalhões que se cuidem: o Google está de olho! E vai caguetar.

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

eleição de Sarney coroa 'semifeudalismo' The Economist

Economist: eleição de Sarney coroa 'semifeudalismo'

AE - Agencia Estado

BRASÍLIA - Numa reportagem intitulada "Onde dinossauros ainda vagam", a revista britânica The Economist que circulou na sexta-feira qualificou a eleição de José Sarney (PMDB-AP) para a presidência do Senado de ?vitória do semifeudalismo?. Pode até parecer exagero no Brasil, visto que os europeus chegaram aqui já na Idade Moderna. Mas a eleição de Sarney leva cientistas políticos e parlamentares a duvidar de que algo rumo ao modernismo possa acontecer.



E não é só a eleição de Sarney para o Senado que conduz a esse tipo de dúvida quanto ao futuro do Congresso pelos próximos dois anos. A eleição do deputado Michel Temer (PMDB-SP) para presidente da Câmara pela terceira vez, como Sarney, contribuiu para aumentar ainda mais as desconfianças de que nada vai mudar. A não ser que haja uma pressão muito forte da sociedade em prol das mudanças, diz o deputado Chico Alencar (PSOL-RJ), um batalhador de causas que possam tirar o Congresso do marasmo dos últimos anos.



?Se pensarmos que os dois presidentes estão no terceiro mandato, podemos achar que estão muito cansados e não farão nada. Mas, como sou um otimista, espero que a sociedade ponha muita pressão sobre eles e arranque alguma coisa que tire do ar essa impressão de que nada será feito?, afirma Chico Alencar. O deputado lembra que o Congresso é sensível à voz das ruas. E, por isso mesmo, se houver pressão sobre o Senado e a Câmara, temas como o fim do foro privilegiado para parlamentares, a redução nos gastos, a modernização das estruturas administrativas e o fim do voto secreto nas sessões poderão enfim ser votados e aprovados.



Pelo que disseram até agora Sarney e Temer, a modernização não será fácil. Os dois afirmaram que vão tratar das reformas tributária e política, numa repetição do que dizem todos os presidentes de Senado e Câmara eleitos nos últimos dez anos. ?O presidente Sarney vai cuidar das reformas tributária e política?, afirmou Fernando Cesar Mesquita, assessor de Sarney. ?Foi isso o que ele prometeu.? O problema é que Sarney promete isso desde sua primeira eleição para presidente do Senado, em 1995. Temer disse que a reforma tributária será prioridade de sua gestão. Repetiu o que disse antes, quando presidiu a Câmara entre 1997 e 2000. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Marco de Canavezes quer avião da TAP com o nome da diva

Marco de Canavezes quer avião da TAP com o nome da diva
09h23m
A Câmara de Marco de Canaveses, terra-natal de Carmen Miranda, propôs à TAP-Air Portugal que baptize um dos seus aviões com o nome da artista que nasceu há cem anos, a completar esta segunda-feira.

Manuel Moreira, presidente da Câmara, disse à Lusa que a sua autarquia aguarda ainda a resposta ao pedido formulado à transportadora aérea portuguesa.

O autarca anunciou que as comemorações do centenário do nascimento da cançonetista e actriz vão prolongar-se por seis meses e incluem o lançamento de um selo comemorativo da efeméride, em colaboração com os CTT -Correios de Portugal.

A atribuição póstuma da medalha de Mérito Municipal a Carmen Miranda, um desfile de escolas de samba, conferências com a presença do ministro da Cultura e os embaixadores de Portugal no Brasil e de Brasília em Lisboa integram ainda o programa.

No âmbito das comemorações, a autarquia perspectiva ainda a realização de uma gala musical num palco flutuante sobre o rio Tâmega, estando a negociar a transmissão do espectáculo com uma cadeia de televisão.

"É uma diva, um verdadeiro ícone ainda no Brasil e em Hollywood, uma figura natural da nossa terra, que muito nos orgulha", disse o autarca.

Carmen Miranda (Maria do Carmo Miranda) nasceu a 09 de Fevereiro de 1909 em Várzea da Ovelha, Marco de Canaveses, mas passou grande parte da sua vida do outro lado do Atlântico, entre o Brasil e os Estados Unidos.

Com pouco mais de vinte anos, Carmen Miranda era já uma vedeta no Brasil, tanto na música como no cinema, chamando a atenção de Hollywood, onde chegou a ser uma das actrizes mais bem pagas.

Muitas vezes encarnou uma personagem folclórica, tropical e garrida, de pronúncia acentuada, em musicais na era do Technicolor, sendo conhecidas as interpretações de canções como "Tico-tico no fubá" ou "O que é que a baiana tem?".

Carmen Miranda morreu nos Estados Unidos a 05 de Agosto de 1955, com 46 anos, vítima de ataque cardíaco, depois de ter participado num programa televisivo.

Quando o corpo foi trasladado para o Rio de Janeiro, a cerimónia foi acompanhada por cerca de meio milhão de pessoas.
http://www.prensaescrita.com/diarios.php?codigo=POR&pagina=http://www.jn.pt

Alfarrábios de Mussa


Alfarrábios de Mussa BY MUNDO DO LIVRO
http://www.clicrbs.com.br/blog/jsp/default.jsp?uf=1&local=1&source=DYNAMIC,blog.BlogDataServer,getBlog&pg=1&template=3948.dwt&tp=§ion=Blogs&blog=31&tipo=1&coldir=1&topo=3951.dwt

Alberto Mussa é um ficcionista .
Seus livros anteriores, que transitam entre ensaio, romance e tradução. O Enigma de Qaf, do segundo, contando uma história que mesclava uma ficção situada na Arábia pré-advento do Islamismo com um estudo rigoroso sobre a composição de um determinado número de poemas desse período — poemas que mais tarde Mussa traduziu na íntegra em um volume com o nome de Os Poemas Suspensos. Agora, Mussa retoma como tema de seu novo livro um assunto que o perseguiu desde os anos 1990: a cultura indígena dos tupinambás brasileiros. Meu Destino é ser Onça é um livro complexo, dividido em três partes. Na primeira, escolhendo elementos de vários relatos de viajantes do Brasil-Colônia que reproduziam mitos indígenas, Mussa "reconstruiu" o que seria uma versão original da mitologia tupinambá, o que incluía uma cosmogonia que aborda a criação do mundo, a origem dos astros e das estrelas e até de elementos da vida e da estrutura social dos índios, como o canibalismo. Na segunda parte, o autor enumera os textos que serviram de fonte para o trabalho, traduzidos quando necessário, como um depoimento do frade francês Thevet sobre o que viu em uma viagem ao Brasil e no contato com os índios. A terceira e mais polêmica parte é um estudo linguístico-antropológico, destinado mais a especialistas, sobre o cálculo usado por Mussa para escolher alguns elementos dessas fontes e dispensar outros na elaboração de uma narrativa única da origem do mundo segundo os tupis.

AS AULAS VOLTAM NA S UNIVERSIDADES

SERIA MUITO BOM QUE OS ALUNOS UNIVERSITÁRIOS, QUE ORA ENTRAM NA UNIVERSIDADE TIVESSEM A CONSCIÊNCIA DE QUE INGRESSAR NUM CURSO UNIVERSITÁRIO É A RELAIZAÇÃO DE UM PROJETO DE VIDA, QUE EXIGE DEDICAÇÃO, PLANEJAMENTO.QUE NESTE PERÍDODO É QUE SE DÁ O ENCONTRO COM O MUNDO ABERTO DO CONHECIMENTO, ATRAVÉS DE PROFESSORES, SUAS INDICAÇAÕES EM LIVROS WEB, REVISTAS ETC.ENFIM TEMPO DE APROVEITAR O CONVÍVIO EM QUE SE ENTRECRUZAM BASTANTE INFORMAÇÕES E A CONTRUÇÃODO CHAMADO CURRÍCULO OCULTO, FAZERES SABERES QUE DESENVOLVO COM MEUS PARES, CONHECIMENTOS QUE ME INDICAM, PARTICIPAÇÃO EM GRUPOS DE ESTUDO E PESQUISA, LEITURAS COLETIVAS E DISCUSSÕES.

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Grupo Abril dá continuidade às ações de adaptação à reforma ortográficaSão Paulo


- O novo acordo ortográfico já faz parte das publicações do Grupo Abril e de várias ações da empresa. Na Abril Educação, que reúne as editoras Ática e Scipione, os primeiros passos rumo à nova ortografia foram iniciados em maio, por meio da revisão dos livros do catálogo e da diagramação. A partir de janeiro de 2009, todas as revistas publicadas pela Abril, além de outros meios de comunicação do grupo, também já estarão adaptadas às novas regras. A integração de diversas áreas internas do Grupo Abril permitiu ainda levar a discussão à comunidade. Preocupada com a adaptação dos professores às mudanças, a empresa, representada pela Fundação Victor Civita em conjunto com a Abril Educação e a área de serviços editoriais, promove nesta quinta-feira, 4 de dezembro, às 17:30, um encontro sobre as principais mudanças do novo acordo ortográfico na Praça Victor Civita, em São Paulo. (...)
by http://www.portaldapropaganda.com/midia

Conheça Homero Fonseca


Conheça Homero Fonseca

Homero Fonseca, pernambucano de Bezerros, é jornalista e escritor.

Formado em jornalismo pela Universidade Católica de Pernambuco, durante oito anos integrou a equipe da revista Continente Multicultural(editor-executivo, editor, diretor editorial e superintendente de edição). Também foi diretor de redação da Folha de Pernambuco, editor-chefe do Diario de Pernambuco, repórter das sucursais de O Estado de S. Paulo e Jornal do Brasil e repórter do Jornal do Commercio e Diário da Noite, do Recife.

Coordenador de programação da V e VI Bienais Internacionais do Livro de Pernambuco, 2005 e 2007.

É pai de Pedro, Ana, José Henrique e Maria Clara, e avô recente de João, com muito gosto.

Torce pelo Santa Cruz, atualmente mais animado com as perspectivas do tricolor.

É um dos fundadores da troça anárquico-carnavalesca Siri na Lata, da qual se desligou há anos por considerar que ela se afastou da proposta original, e também da O Mundo Pegando Fogo, impedida de desfilar pelas multidões que atravancam as ruas de Olinda no Carnaval. Ultimamente, tem preferido ficar em São José da Coroa Grande, curtindo o mar e os cajueiros com Iracema.

Sente-se lisonejado por ter recebido o título de cidadão honorário de Caruaru e de ser nome da sala de leitura do ginásio municipal Artur Brasiliense Maia, em Garanhuns.

Ensinou, por um breve tempo, Teoria da Comunicação na Escola Superior de Relações Públicas e tem sido convidado para participar de simpósios pelo Brasil a fora sobre jornalismo cultural e literatura.

Sob o pseudônimo de Zé de Arruda, publicou três folhetos de cordel, na década de 80, abordando política e futebol.

Tem publicados os seguintes livros:

Roliúde - Romance - Rio, Editora Record, 2007.

Pernambucânia – O Que Há nos Nomes das Nossas Cidades – Ensaio/ Toponímia – Recife, Cepe – Companhia Editora de Pernambuco, 2006/2007;

Pequeno Teatro da Vida – Crônicas – Recife, Editora Comunigraf, 2002;

A Arte de Viver Teimosamente – Perfil biográfico do jornalista Mário Melo, Recife, Edição da Assembléia Legislativa de Pernambuco, 2001;

A Vida É Fêmea – Contos – Recife, Editora Comunigraf, 2000;

Viagem ao Planeta dos Boatos – Reportagem – Rio, Editora Record, 1996.

Participou da coletânea Recife Conta o Natal, com o conto "Por volta da meia noite" -- Recife, Fundação de Cultura Cidade do Recife, 2007.


A epígrafe do Blog ("Só sei que nada sei, mas desconfio de muita coisa"), como a maioria dos leitores devem ter desconfiado, mistura Sócrates e Guimarães Rosa. Uma perfeita "recombinação".
by http://www3.interblogs.com.br/homerofonseca/clip.kmf

Paraibano está entre os vencedores




Paraibano está entre os vencedores

Por: ASTIER BASÍLIO


Com texto do paraibano Braulio Tavares, o espetáculo Trupizupe, o Raio da Silibrina (montagem da Portugal Produções, com direção de José Manoel) venceu dois prêmios no Janeiro dos Grandes Espetáculos, festival realizado em Recife. A produção pernambucana levou os prêmios de Melhor Espetáculo, pelo júri popular e o prêmio de Melhor Ator Coadjuvante, para Leidson Ferraz.
A entrega dos prêmios aconteceu na última terça. O melhor espetáculo, escolhido pela comissão julgadora, foi Ato, montagem do Grupo Magiluth, com direção de Júlia Fontes e Thiago Liberdade. A escolha do “Melhor Diretor” foi para Marcondes Lima diretor da peça Rasif – Mar Que Arrebenta, do Coletivo Angu.
Ricardo Mourão, da peça O Crime do Padre Amaro (Galharufas Produções) e Marilena Breda por sua atução em Algum Amor Para Eugênia (Centro de Formação e Pesquisa das Artes Cênicas Apolo-Hermilo) receberam, respectivamente, os prêmios de Melhor Ator e Melhor Atriz.
Um fato curioso. A comissão julgadora não indicou nenhum nome paras as categorias de “Melhor Atriz Coadjuvante”, “Ator Revelação” e “Atriz Revelação”. O espetáculo com mais premiações foi Rasif, que é baseado em contos de Marcelino Freire. A peça recebeu três premiações.
by jornal da paraiba

Feira do Livro em Portugal abre em 30 de Abril



A Feira do Livro de Lisboa será inaugurada a 30 de Abril e encerrará a 17 de Maio, sendo o Brasil convidado como país-tema.

A Feira de Lisboa realizar-se à no Parque Eduardo VII, enquanto a do Porto, que começará a 22 de Maio e terminará a 14 de Junho, regressa à Avenida dos Aliados.

A Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL) explicou que o desfasamento de datas se insere numa aposta para 'dinamizar o sector'.

Os novos pavilhões da feira, apresentados quarta-feira pela APEL, 'mereceram uma apreciação positiva dos editores e livreiros', referiu o presidente da associação, Rui Beja.
by diário da manhã

Sarkozy coloca-se a frente da política cultural francesa



Nicolas Sarkozy nunca será o presidente mais culto da história da França.Muito menos pretende, mas com a criação do Conselhoo para a Criação Artística procura retirar a cultura das mãos dos sumos sacerdotes de das artes francesas, sempre vinculados aos partidos de esquerda. E falou: "Quero que a cultura seja nossa resposta a crise".

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Cada vez se publicam mais livros na Argentina



En la industria dicen que, a riesgo de crear una sobreoferta, se edita más y en tiradas más chicas. La veloz rotación de los títulos publicados perjudica a los autores, libreros y editores

Por: Socorro Estrada
ABUNDANCIA. Entre reediciones y nuevas obras, en la argentina se publican anualmente 20.000 títulos.
1 de 1

Un escritor demora dos años, en promedio, para terminar una novela y conseguir una editorial que se la publique. Los editores se toman meses para producir el libro terminado -diseño, diagramación, corrección- hasta llegar a la imprenta y la distribución en librerías. Se trata de un título que podrá vender, o no, cientos de ejemplares. Pero ese libro nuevo llegará a las librerías dentro del paquete de novedades mensuales -una librería importante recibe mil títulos por mes- y la realidad es que los libreros apenas logran saber de qué se trata. Treinta días después, si esa novela no fue un éxito de ventas, las librerías la incluirán entre las devoluciones del mes y los ejemplares volverán al depósito de las editoriales. Con suerte, ese libro terminará en una mesa de saldos donde se lo liquidará a bajo precio. Si no, se convertirá en pulpa de papel.

Autores, libreros y editores son víctimas de una industria que intenta ganar participación en el mercado ofreciendo cada vez más títulos. Se recae así en una sobreoferta de libros. ¿Vivimos en la época de "los demasiados libros", como dice el pensador mexicano Gabriel Zaid? En la Argentina los registros de ISBN hablan de 20.000 mil títulos nuevos por año, tendencia que crece: en el año 2008 se publicaron 19.663 títulos y solamente 2.828 fueron reimpresiones. En España, el ritmo de publicación es tan veloz que el servicio de novedades para las librerías es semanal. En fin, la cuestión se ha discutido hasta en la Feria del Libro de Francfort. Esta sobreoferta de libros hace que todos se anulen entre sí en la lucha por el espacio de exhibición en las librerías. Y el efecto real es que se vende menos, porque no hay tiempo para la humana recomendación "boca a boca" de un libro. Los libreros, abrumados por tantas novedades, exhiben sólo autores consagrados y libros de actualidad.

"Hay una canibalización entre las novedades, más que una sobreoferta. De cada tema hay miles de libros y autores, pero no creo que haya tantos lectores o compradores. Así, para un libro de autor desconocido es difícil ganarse un sitio en las librerías y llegar a los lectores", dice Analía Rossi, directiva de Aguilar-Grupo Santillana Argentina. Esta sobreoferta perjudica a las editoriales: fragmenta el mercado en un número infinito de títulos que se imprimen en tirajes cada vez más chicos. "En la Argentina, desde fines de la década de 1990, ya no existen títulos que vendan más de cien mil ejemplares anuales. Antes era normal que cinco títulos por año -entre todas las editoriales- alcanzaran esa cifra", recuerda Pablo Avelluto, directivo de Sudamericana.

Lo cierto es que tampoco las librerías pueden sobrevivir sólo con bestsellers: los cien títulos más vendidos en 2008 representan un porcentaje ínfimo de las ventas totales de libros en el país. El escritor Guillermo Martínez, autor del bestseller Crímenes imperceptibles, no ve tanto una sobreoferta como "un relegamiento progresivo de la literatura hacia la parte trasera de las grandes librerías. Adelante hay libros de autoayuda y cocina. No hay tanta oferta de literatura, la prueba es que muchos clásicos no se consiguen. Pero cualquier buen lector sabe que ciertos libros deben buscarse en las librerías chicas, especializadas". En el año 1984 Los amores de Laurita de Ana María Shúa era una de las cuatro novedades mensuales de Sudamericana. "Esa cantidad de novedades hoy da risa", cuenta la escritora. En su opinión, "a pesar de todo hoy se publican en el país más libros de autores jóvenes que hace veinte años, porque la industria necesita alimento y porque hay editoriales chicas que nacen y mueren, al compás de los vaivenes económicos del país".

En la Argentina se edita bastante y abundan los libros importados. Muchísimos no se venden, pero no es fácil decir cuándo "sobra" un libro. Pablo Avelluto, de Sudamericana, cree que "lo malo es que los libros no se consiguen en todas las librerías todo el tiempo y -por eso mismo- la rotación de títulos se aceleró tanto. Pero estamos en vísperas de fuertes cambios. Las librerías virtuales en Internet disponen de catálogos más amplios que cualquier librería real. El libro electrónico resolverá los problemas de espacio. La tecnología de impresión a pedido resolverá el problema de las bajas tiradas y los libros agotados que no se reeditan. Este cambio coexistirá con el libro tradicional, que se vende en consignación en la red de librerías reales ".

Probablemente la crisis económica actual moderará la edición de libros, la industria buscará otro equilibro entre calidad y cantidad. Al respecto, Daniel Divinsky, de Ediciones de La Flor, cuenta que su política siempre fue "editar poco y sólo títulos que consideramos valiosos". Sin embargo, para Divinsky, "la autorregulación es impensable en el capitalismo. La situación actual del mundo económico parece demostrarlo irrefutablemente".

La lógica del mercado
El experimentado librero Ezequiel Leder Kremer, director de la Librería Hernández, cree que "difícilmente se pueda ir contra la lógica del mercado. Los proyectos de autorregulación editorial no han pasado de ser confesiones culposas en voz alta. Es necesario autorregularse pero nadie puede hacerlo, porque hay que cumplir con los objetivos de facturación. Las grandes editoriales reconocen que la única manera que encontraron para garantizar las ventas es aumentar la cantidad de títulos editados. Los editores medianos y chicos, desarrollan estrategias basadas en el buen arte y oficio, pero también necesitan ventas". En su opinión, "los libreros hemos pasado de la preocupación por el exceso de novedades a la preocupación por un futuro donde el libro de papel entra en declive, por la aparición del libro electrónico. Con él cambia no sólo el soporte en si mismo, también los hábitos de consumo, la relación del lector con la literatura. El libro está perdiendo su lugar de privilegio, el papel, para disputar en el e-book de tinta electrónica una cuota de pantalla junto al correo electrónico, los diarios on line, las fotos, mensajes de texto y pornografía. Siempre habrá libros en papel, pero su edad de oro está terminando. Esperemos que la literatura sobreviva".

by revista Ñ