REDES

quarta-feira, 8 de abril de 2020

Cuando la naturaleza jaquea la orgullosa modernidad – Por Enrique Dussel



por nodal
Aprecio a estrutura do pensamento de E.DUSSEL, leiam,sugiro o artigo abaixo compartilhado por NODAL-AR




Cuando la naturaleza jaquea la orgullosa modernidad – Por Enrique Dussel

(Los conceptos vertidos en esta sección no reflejan necesariamente la línea editorial de Nodal. Consideramos importante que se conozcan porque contribuyen a tener una visión integral de la región.)



Estamos experimentando un evento de significación histórica mundial del que posiblemente no midamos su abismal sentido como signo del final de una época de larga duración, y comienzo de otra nueva edad que hemos denominado la Transmodernidad.
El virus que ataca hoy a la humanidad, por primera vez en su milenario desarrollo –en un momento en el que puede tenerse conciencia plena de la simultaneidad (en tiempo real) verificada por los nuevos medios electrónicos– nos da qué pensar en el silencio y aislamiento autoimpuesto de cada ser humano ante un peligro que muestra la vulnerabilidad de un castillo de naipes que vivimos cotidianamente como si tuviera la consistencia de una estructura invulnerable.
El hecho ha producido un sinnúmero de reacciones de colegas filósofos y científicos porque llama profundamente la atención. Queremos agregar un grano de arena a la reflexión sobre el sobrecogedor acontecimiento.
Allá por 1492, Cristobal Colón, un miembro de la Europa latino-germánica, descubre el Atlántico, conquista Amerindia y nace así la última Edad del Antropoceno: la Modernidad, produciendo además una revolución científica y tecnológica, que dejó atrás a todas las civilizaciones del pasado, catalogadas como atrasadas, subdesarrolladas y artesanales. Lo denominaremos el Sur global; y esto hace sólo 500 años.
El yo europeo produjo una revolución científica en el siglo XVII, una revolución tecnológica en el XVIII, habiendo desde el siglo XVI inaugurado un sistema capitalista con una ideología moderna eurocéntrica, colonial (porque esa Europa era el centro del sistema-mundo gracias a la violencia conquistadora de sus ejércitos que justificaban su derecho de dominio sobre otros pueblos), patriarcal, y, como culminación, el europeo se situó como explotador sin límite de la naturaleza.
Sin embargo, los valores positivos inigualables de la Modernidad, que nadie puede negar, se encuentran corrompidos y negados por una sistemática ceguera de los efectos negativos de sus descubrimientos y sus continuas intervenciones en la naturaleza. Esto se debe, en parte, al desprecio por el valor cualitativo de la naturaleza, en especial por su nota constitutiva suprema: el ser una “cosa viva”, orgánica, no meramente maquínica; no es sólo una cosa extensa, cuantificable.
Hoy, la madre naturaleza (ahora como metáfora adecuada y cierta) se ha rebelado; ha jaqueado a su hija, la humanidad, por medio de un insignificante componente de la naturaleza (naturaleza de la cual es parte también el ser humano, y comparte la realidad con el virus). Pone en cuestión a la modernididad, y lo hace a través de un organismo (el virus) inmensamente más pequeño que una bacteria o una célula, e infinitamente más simple que el ser humano que tiene miles de millones de células con complejísimas y diferenciadas funciones.
Es la naturaleza la que hoy nos interpela: ¡O me respetas o te aniquilo! Se manifiesta como un signo del final de la modernidad y como anuncio de una nueva Edad del mundo, posterior a esta civilización soberbia moderna que se ha tornado suicida. Como clamaba Walter Benjamin, había que aplicar el freno y no el acelerador necrofílico en dirección al abismo.
La naturaleza no es un mero objeto de conocimiento, sino que es el Todo (la Totalidad) dentro del cual existimos como seres humanos: somos fruto de la evolución de la vida de la naturaleza que se sitúa como nuestro origen y nos porta como su gloria, posibilitándonos como un efecto interno.
Y, por ello, no metafóricamente, la ética se funda en el primer principio absoluto y universal: ¡el de afirmar la Vida en general, y la vida humana como su gloria!, porque es condición de posibilidad absoluta y universal de todo el resto; de la civilización, de la existencia cotidiana, de la felicidad, de la ciencia, de la tecnología y hasta de la religión. Mal podría operar alguna acción o institución si la humanidad hubiera muerto.
Se trata entonces de interpretar la presente epidemia como si fuera un bumerán que la modernidad lanzó contra la naturaleza (ya que es el efecto no intencional de mutaciones de gérmenes patógenos que la misma ciencia médica e industrial farmacológica ha originado), y que regresa contra ella en la forma de un virus de los laboratorios o de la tecnología terapéutica.
La interpretación intentada indica que el hecho mundial, nunca experimentado antes y de manera tan globalizada que estamos viviendo, es algo más que la generalización política del estado de excepción (como lo propone G. Agamben), la necesaria superación del capitalismo (en la posición de S. Zizek), la exigencia de mostrar el fracaso del neoliberalismo (del Estado mínimo, que deja en manos del mercado y el capital privado la salud del pueblo), o de tantas otras muy interesante propuestas.
Creemos que estamos viviendo por primera vez en la historia del cosmos, de la humanidad, los signos del agotamiento de la modernidad como última etapa del Antropoceno, y que permite vislumbrar una nueva edad de mundo, la Transmodernidad, en la que la humanidad deberá aprender, a partir de los errores de la modernidad, a entrar en una nueva edad del mundo.
Donde, partiendo de la experiencia de la necro-cultura de los últimos cinco siglos, debamos ante todo afirmar la Vida por sobre el capital, por sobre el colonialismo, por sobre el patriarcalismo y por sobre muchas otras limitaciones que destruyen las condiciones universales de la reproducción de esa vida en la Tierra.
Esto debiera ser logrado pacientemente en el largo plazo del siglo XXI que sólo estamos comenzando. En el silencio de nuestro retiro exigido por los gobiernos para no contagiarnos de ese signo apocalíptico… tomemos un tiempo en pensar sobre el destino de la humanidad en el futuro.
 (*) Académico, filósofo, historiador y teólogo argentino, naturalizado mexicano. Fue rector interino de la Universidad Autónoma de la Ciudad de México.

terça-feira, 7 de abril de 2020

Cara de pau! O Jornal Nacional ....BOLSA FAMÍLIA

A imagem pode conter: 1 pessoa, texto e close-up
Angela  Carrato profa.UFMG COMUNICAÇÃO


Flagra do Facebook



Cara de pau! O Jornal Nacional entrevista o economista português Ricardo Henriques, professor da UFF, que teve participação lateral no desenho do Programa Bolsa Família, e não ouve o ex-presidente Lula ou os ex-ministros do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Patrus Ananias e Tereza Campelo sobre o assunto. Depois o Bonner e a Renata querem que o respeitável público acredite que o JN é " imparcial".
Não é não! O JN está em guerra com Bolsonaro, mas só com ele.
A famiglia Marinho defende a pauta econômica do ministro Paulo Guedes, em especial as privatizações e desnacionalizaçoes, que estão fazendo o país retornar à condição de colônia.
O maior temor dos Marinho é que a maioria da população brasileira descubra a safadeza que fizeram e continuam fazendo com o ex-presidente Lula e com o PT.
O JN não menciona o nome de Lula, mas os programas e tecnologias sociais que estão sendo utilizados para enfrentar as duas crises que o Brasil enfrenta - desgoverno e coronavirus - são exatamente os implementados e/ ou deixados pelos governos petistas: reservas de mais de 480 bilhões de reais Programas Bolsa Familia (PBF) e Benefício de Prestação Continuada (BPC), além do Cadastro Único (CadÚnico).
Até quando a mídia corporativa, que é concessão pública, vai continuar censurando Lula, Dilma e os integrantes desses hovernos quem os brasileiros podem ou não ouvir?
* grifo deste blogueiro

segunda-feira, 6 de abril de 2020

Cinco doentes graves estavam numa enfermaria.....


Elton Luiz Leite de Souza Facebook
FLAGRA DO FACEBOOK

Cinco doentes graves estavam numa enfermaria. A única comunicação da enfermaria com o mundo exterior era uma pequena janela. Perto dessa janela cabia apenas uma maca, na qual ficava um dos pacientes a narrar o mundo lá de fora, mundo este que os outros pacientes não podiam ver. “Daqui vejo o mar , até sinto sua brisa. Vocês também conseguem sentir?”, perguntava aos outros doentes. Apenas um dizia não conseguir sentir. Os que sentiam, recriavam um mar na alma e “horizontavam-se” . No dia seguinte prosseguia o paciente-narrador: “Daqui posso ver e ouvir crianças brincando numa pracinha . Vocês também conseguem ouvi-las?” . O mesmo paciente que não conseguia sentir a brisa também não conseguia ouvir as crianças . Os outros conseguiam, e algo dentro deles brincava também e regenerava. Enfim, o paciente da janela passava o dia a transpor em palavras a vida , de tal modo que suas palavras viravam remédio para quem as ouvia: elas eram cura também.
Certo dia, porém , o paciente da janela emudeceu. Chamaram a enfermeira. Ela constatou, sem surpresa, que ele havia morrido. Só então os outros souberam que o homem da janela era o mais doente entre eles. Agora, cada um queria que a própria maca fosse colocada perto da janela, aquele lugar “privilegiado” , mas concordaram que para lá fosse o doente de sensibilidade embotada . Só lhe fizeram uma exigência: continuar as narrativas. “ Farei melhor que o poeta que aqui estava !”, gabou-se.
Quando ele olhou pela janela, porém, ficou mudo...Perguntaram : “o que houve!?” Então, ele disse: “em frente à janela não há mar, paisagem ou praça. Há apenas um muro cinza... Um espesso muro cinza”, repetiu. Ele só conseguia dizer a palavra mais sem vida que existe : aquela que apenas repete o que está dado. Pois era verdade: sempre houve aquele muro.
O muro cinza simboliza tudo aquilo que nos rouba a visão de horizontes, horizontes que nos estão fora e dentro, mesmo que ainda em esboço, virtualmente. Poesia é criar palavras, sentidos e dizeres que abram linhas de fuga para a vida com força libertária mais potente do que as marretas.
“É preciso transver o mundo” (Manoel de Barros).

sábado, 4 de abril de 2020

BOLSONARO NO TRIBUNAL DE HAIA- CRIMES CONTRA HUMANIDADE (?)


Presidente Jair Bolsonaro. Foto: PR
FOTO- https://bit.ly/2JBXtJN




TRENDING TOPICS EM TWITTER E MANCHETE NA REVISTA DE CREDIBILIDADE-   CARTA CAPITAL,  LEIAM:



Segundo a Associação Brasileira de Juristas pela Democracia, o presidente coloca a vida da população em risco e comete crime de epidemia

https://bit.ly/2JBXtJN
A Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD) protocolou, nesta quinta-feira 2, uma representação no Tribunal Penal Internacional contra o presidente Jair Bolsonaro pela prática de crime contra a humanidade. De acordo com a entidade, o Brasil possui, no atual momento, um chefe de governo e de Estado cujas atitudes são total e absolutaente irremsponsáveis.
“Por ação ou omissão, Bolsonaro coloca a vida da população em risco, cometendo crimes e merecendo a atuação do Tribunal Penal Internacional para a proteção da vida de milhares de pessoas”, reforça o documento protocolado pelos advogados Ricardo Franco Pinto (Espanha) e Charles Kurmay (EUA).
Segundo a ABJD, Bolsonaro está cometendo o crime de epidemia, previsto no art. 267, do Código Penal Brasileiro, que dispõe sobre crimes hediondos. “Os crimes cometidos afetam gravemente a saúde física e mental da população brasileira, expondo-a a um vírus letal para vários segmentos e com capacidade de proliferação assustadora, como já demonstrado em diversos países. Os locais que negligenciaram a política de quarentena são onde o impacto da pandemia tem se revelado maior, como na Itália, Espanha e Estados Unidos”, ressalta.
LEIA TODA MATÉRIA-  https://bit.ly/2JBXtJN
LEIA TAMBÉM:

Capitão Corona’ no Tribunal Penal Internacional (TPI)? Ainda não---


Conversei com a Ex-juíza da Corte Internacional para entender se estão presentes requisitos para condenar o ‘capitão corona’

Há alguns dias se fala sobre a eventual possibilidade – ou mesmo necessidade – de responsabilização do presidente Jair Bolsonaro em âmbito internacional, mais precisamente perante o Tribunal Penal Internacional (TPI), com sede em Haia, Países Baixos, diante das recentes atitudes do Presidente em relação à pandemia do Coronavírus.
Como se sabe, o TPI foi criado para prevenir a ocorrência de violações dos direitos humanos e do direito internacional humanitário, além de coibir ameaças contra a paz e a segurança internacionais.
Até o momento que escrevo esta coluna, o Presidente Bolsonaro realizou intencionalmente atos diários de descumprimento das recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS), das classes médicas brasileira e internacional, e de seu próprio Ministro da Saúde.
......
A ex-juíza do TPI entende que até o momento, ainda que graves, as condutas do Presidente não poderiam ser equiparadas a crimes contra a humanidade, de acordo com o Estatuto de Roma, que disciplina a matéria, e da jurisprudência do próprio Tribunal.
Isto porquê os crimes contra a humanidade devem ser obrigatoriamente cometidos em contexto de “ataque generalizado ou sistemático contra a população civil”, que pode ser manifestado em conflitos armados – o que obviamente não é o caso – ou em um contexto de uma política ou de um plano deliberado de ataque contra a população civil.
Também não seria o caso de genocídio, descrito no Estatuto de Roma como atos praticados com intenção de destruir, no todo ou em parte, um grupo nacional, étnico, racial ou religioso.
Me parece que a professora tem razão. A fim de obter maior chance de êxito na instância internacional, é preciso ter cuidado para uma ação certeira.
LEIA MATÉRIA NA ÍNTEGRA-   https://bit.ly/3bQzpyN


sexta-feira, 3 de abril de 2020

Una vacuna logra neutralizar el coronavirus en ratones (?)

https://bit.ly/2JDrVms



HISPANTV-IRÃ-AINDA CENSURADA AO VIVO PELO YOUTUBE -NOS BRINDA ESTA NOTICIA ABAIXO
https://bit.ly/2JDrVms

Un grupo de científicos de EE.UU. anuncia que pruebas realizadas en ratones de una vacuna contra el covid-19, produce anticuerpos que neutralizan el coronavirus.
Un equipo de investigadores de la universidad de Pittsburgh de EE.UU., ha publicado este jueves un artículo en la revista EBioMedicine que describe resultados prometedores para el desarrollo una posible vacuna eficaz contra el nuevo coronavirus, denominado COVID-19 por la Organización Mundial de la Salud (OMS).
El artículo ha mostrado que la vacuna contra el coronavirus, podría ser administrada a través de un parche del tamaño de la punta de un dedo, generando anticuerpos específicos para el virus en cantidades suficientes para neutralizarlo.
Probada en ratones, PittCoVacc (el nombre que ha recibido la vacuna) generó una oleada de anticuerpos contra el COVID-19 en las dos semanas siguientes al pinchazo. 
El equipo de Pittsburgh ya había investigado el síndrome respiratorio agudo grave (SARS, por sus siglas en inglés) que dejo 774 muertos a nivel mundial en 2003 y el síndrome respiratorio del Medio Oriente (MERS, por sus siglas en inglés) en 2014 que causó 851 muertos.
En esta misma línea, los autores de la investigación explican que los tres coronavirus están estrechamente unidos entre sí y que sus análisis anteriores con el SARS y el MERS les revelaron la existencia de una proteína concreta que es fundamental para inducir la inmunidad contra el virus. 
“Sabíamos exactamente dónde combatir este nuevo virus”, asegura el autor principal de la investigación, Andrea Gambotto. 
LEIA MAIS,VEJA VÍDEO EM : https://bit.ly/2JDrVms

quarta-feira, 1 de abril de 2020

China propone crear un "nuevo Internet" más dinámico


De acuerdo con los impulsores de la propuesta, la idea tiene como objetivo mejorar las comunicaciones y contribuir con su desarrollo.

De acuerdo con los impulsores de la propuesta, la idea tiene como objetivo mejorar las comunicaciones y contribuir con su desarrollo. | Foto: FT

Se vai à frente,teremos uma grande revolução e China comanda,veja matéria TELESUR:
https://bit.ly/2UXCZ3s


Se trata de una tecnología revolucionaria que permitiría a los dispositivos que comparten una red, comunicarse directamente entre sí, sin depender de un satélite o intermediario.

El Ministerio de Industria y Tecnología de la Información de China, junto a Huawei, China Unicom, China Telecom y varias operadoras del país, presentaron la propuesta de creación de un nuevo Internet, ante la Unión Internacional de Telecomunicaciones (UIT).Medios locales reseñaron el martes que el proyecto llamado "New IP" pretende reemplazar el sistema actual de comunicaciones por Internet, TCP/IP, desarrollado hace casi medio siglo, por un nuevo "sistema de direcciones IP más dinámico".
Se trata de una tecnología revolucionaria que permitiría a los dispositivos que comparten una red, comunicarse directamente entre sí, sin depender de un satélite o intermediario.


El virus que expuso a las potencias mundiales-El Frasco, medios sin cura

segunda-feira, 30 de março de 2020

A Pior Crise Da Humanidade É Não Conseguir Se Tornar Humanidade

E.Morin -FOTO POR PORTAL RAÍZES -https://bit.ly/3blMiR6
Portal Raízes nos apresenta matéria- diante da crise que se arrasta por décadas e agora tem seu ápice uma boa ou excelente matéria, leiam abaixo:



“A Pior Crise Da Humanidade É Não Conseguir Se Tornar Humanidade”- Por Edgar Morin

https://bit.ly/3blMiR6




“A crise geral da humanidade é a crise da humanidade que não consegue se tornar humanidade. Por quê? Porque todos os processos que conduziram essa humanidade a se reunir em um mesmo destino comum são, ao mesmo tempo, processos que nos conduzem a catástrofes futuras. E aqui indico dois aspectos contraditórios ou aparentemente contraditórios da globalização. Ela é a pior das coisas e a melhor das coisas que podem acontecer à humanidade.
Por que a pior das coisas? Porque é um processo no qual a ciência permitiu à técnica desenvolver armas de destruição em massa que se multiplicam com uma possibilidade crescente de serem utilizadas, pois os fanatismos, os isolamentos étnicos, os fundamentalismos religiosos criam condições propícias não apenas para múltiplos conflitos, mas talvez para um grande conflito. Sabemos que o processo da nossa civilização técnica e da nossa economia conduziu à degradação da biosfera, à crise do meio ambiente que ainda somos capazes de deter e encontrar os meios de combatê-la.
Assim sendo, o mundo tem novas ameaças e, como esses processos se aceleram e se agravam, evidentemente a globalização é o pior, pois ela produz, nos conduz para catástrofes. Mas, ao mesmo tempo, ela é o melhor porque, pela primeira vez, todos os seres humanos, de todos os continentes, se encontram, sem que eles saibam, reunidos em uma mesma comunidade de destino. Sofrem os mesmo riscos, os mesmos problemas fundamentais, os mesmos problemas ecológicos, os mesmo problemas econômicos, os mesmo perigos vindos da possibilidade de guerras, e isso cria as condições para que nasça um novo mundo.
Essa é a missão, que Zygmunt Bauman conferia às gerações mais jovens, dizendo: ‘Vocês devem inventar novas formas de democracia’. Mas o problema é que se trata agora de inventar uma sociedade, em escala mundial, que não seja feita sobre o modelo de Estados nacionais, que não seja uma espécie de super, de mega Estado mundial a partir do modelo dos Estados nacionais.
Uma nova forma de organização política, assim como a democracia ateniense era uma democracia de cidades pequenas, de alguns cidadãos se transformou em democracia das nações. Hoje há sociedade a ser criada na qual talvez a Internet possa desempenhar um papel nessa democracia.  Assim sendo, temos um problema absolutamente vital e fundamental que a comunidade de destino mundial nos revela a possibilidade, talvez, de criar um mundo novo.
E a ideia de humanidade não nos deve fazer esquecer de que fazemos parte de uma nação, de um povo, de uma civilização, mas que o mundo da humanidade é um mundo que tem sua unidade na própria diversidade e a sua diversidade em sua unidade. Acredito que o caminho, repito, não é um caminho traçado. Isso quer dizer que podemos tentar uma direção. E, toda decisão, toda escolha humana contém uma aposta. A ideia de aposta é muito importante. Devemos apostar sem parar. Mas apostar também significa ser capaz de uma estratégia para retificar o caminho que tomamos se percebermos que nos equivocamos.
Nada está assegurado, nada está determinado, nada está garantido, mas, ao mesmo tempo, uma nova humanidade é possível, um mundo melhor é possível. Não o melhor dos mundos, não há um mundo perfeito. É um mundo que sempre terá suas carências, suas lacunas, que carregará a tragédia ou a morte, mas sabemos hoje que um mundo melhor é possível. Improvável, mas possível. Esse é o caminho: a esperança”. Edgar Morin
Este texto é um excerto transcrito pela equipe do Portal Raízes da palestra  com Edgar Morin, sociólogo francês, sobre “crise geral da humanidade” em sua conferência ao Fronteiras do Pensamento 2011. Segundo Morin, a base para compreender a série de crises que estamos vivendo é a ambiguidade da globalização: por um lado, se os problema contemporâneos agora são globais, por outro, as nações nunca antes foram tão interligadas em uma mesma “comunidade de destino”. De acordo com o sociólogo, para encontrar respostas aos problemas atuais, é preciso abraçar o que ele considera o maior desafio atual: globalizar e desglobalizar ao mesmo tempo.




sexta-feira, 27 de março de 2020

BOLSONARO NEOFASCISTA - Conversamos con Gisele Ricobom-EnClave Política:

O povo se cala perante o pânico, enquanto Bolsonaro e a mídia escondem o verdadeiro culpado

Jair Bolsonaro - Foto: Isac Nóbrega/PR

A REVISTA FORUM NOS FAZ PENSAR,PENSAR MENOS TORTO E FRÁGIL, EM QUE APRESENTA ESSE ARTIGO DE R.S.DE FAGUNDES


Leia na coluna de Raphael Fagundes: "Precisamos nos libertar do medo oficial criado pela mídia, tanto o que sustenta o governo Bolsonaro quanto da manipulação que ela faz do medo desencadeado pelo coronavírus"  https://bit.ly/2QNU66m



O filósofo Jean-Paul Sartre escreveu: “Aquele que não tem medo não é normal, isso nada tem a ver com a coragem”. Mas, por longos anos, a Igreja tinha o monopólio do medo oficial e afirmava que “os lobos, o mar e as estrelas, as pestes, as penúrias e as guerras são menos temíveis do que o demônio e o pecado, e a morte do corpo menos do que a da alma”.[1] Ou seja, todos estes males tinham um causador, o Satã.

Zygmunt Bauman acredita que este medo oficial, o qual digladiava com o riso subversivo observado por Bakhtin, perdeu-se, desmanchou-se no ar. “O indivíduo foi liberado para construir os seus próprios medos”.[2] “É como se o poder tivesse escolhido o riso como seu abrigo mais seguro”. Trata-se de um poder que gera gozo constante.
Mas o medo ainda gera prazer – e poder, consequentemente. Vivemos, inclusive, como destaca o sociólogo Barry Glassner, em uma “cultura do medo”, na qual um tipo de medo é fabricado para esconder os problemas sérios, os causadores reais das mazelas sociais. Qualifica-se a criminalidade, o consumo de drogas, o “politicamente correto” como razões para a pobreza e para a degeneração moral para ocultarem a desigualdade social. Como diz Glassner, “tememos as coisas erradas”.[3]
Como dizia Nixon, “as pessoas reagem ao medo, não ao amor”. Foi isso que elegeu Bush, Trump e recentemente, no Brasil, Jair Bolsonaro. O medo fabricado pela mídia o qual culpabilizava o petismo, a esquerda, a corrupção etc., como as raízes dos nossos problemas, serviu para esconder atrás de um véu alienante a verdadeira causa, a concentração de renda.
Esse medo pariu Bolsonaro (embora não fosse o ideal para a mídia psdebista) e é este mesmo medo que sustenta seu governo. Mas o que aconteceria se este medo oficial, fabricado, exaurisse-se? O que iria nutrir Bolsonaro e sua corja da extrema direita?

É por isso que, em tempos de coronavírus, um medo muito mais real que o fabricado pelo governo, o presidente brasileiro menospreza tanto a dimensão epidêmica da doença. Contesta-se os fatos para se ter o controle do medo. Diz que o povo está sendo enganado, que o Covid-19 não passa de uma “gripezinha”. Na verdade, Bolsonaro teme que o medo que sustenta o seu poder, o medo falso, seja suplantado pelo medo real.

Este medo real pode trazer à tona a desigualdade social, o desprezo pela saúde pública, provocado, principalmente, pela política neoliberal de sucateamento do Estado. Este medo real pode colocar em risco o corte de gastos, medida que expõe, sem engodos ideológicos, a verdadeira face do capitalismo.
A mídia, contudo, que não tem nada de santa, vem se dedicando ao máximo para evitar a irrupção de tal visão política, manipulando – como é de praxe – o medo em relação ao coronavírus e despeja a culpa sobre o indivíduo que não lava a mão, que não respeita as recomendações etc., ocultando a responsabilidade do mercado, o grande agente destruidor das políticas públicas e promovedor da ampliação dos lucros.

O presidente, por seu turno, não quer evitar o pânico ao dar suas declarações de alguém que finge estar em um reino encantado, mas manter o monopólio do medo, o medo que o sustenta. Só pode haver um medo, o da esquerda (e das outras terminologias que o presidente associa a esse setor do espectro político).
Este tipo de pânico gera prazer e gozo, diferente do medo real. Por isso é fácil de ser manipulado. Existe o prazer de ver o corrupto preso; o bandido sendo violentado na cadeia; o gay sendo reprimido etc.. Aquele que compartilha do pensamento conservador e reacionário goza com esse tipo de demonstração de ódio. O pânico se transforma em prazer. É fato que a própria palavra “pânico” tem uma origem lasciva. Decorre do fato de as virgens/ninfas/mênades eram acometidas quando o “excitado” e lascivo Pan, com seus desejos animais, queria arrebatá-las. A palavra pânico é derivada de Pan.[4]

Precisamos nos libertar do medo oficial criado pela mídia, tanto o que sustenta o governo Bolsonaro quanto da manipulação que ela faz do medo desencadeado pelo coronavírus. Os dois medos visam esconder as mazelas provocadas pelo mercado que, por sua vez, promoveu o corte de gastos e o sucateamento do Estado para salvar as grandes fortunas.

Como disse Karl Marx “O medo cala a boca dos inocentes e faz prevalecer a verdade dos
culpados”. Mas enquanto o povo se cala em meio ao pânico, a mídia e o governo fazem de tudo para esconder o verdadeiro culpado, o setor financeiro.

[1] DELEUMEAU, J. História do medo no Ocidente. São Paulo: Cia das Letras, 2009, p. 44.
[2] BAUMAN, Z. Em busca da política. Rio de Janeiro: Zahar, 2000, p. 69.


[3] GLASSNER, B. Cultura do medo. São Paulo: Francis, 2003, p. 27.

[4] HOYSTAD, O. M. Uma história do coração. Petrópolis: Vozes, 2015, p. 53.
 *Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum




A estratégia secreta de Bolsonaro SAÚDE COVI19