terça-feira, 30 de dezembro de 2008

BASTO PEROBA

Amigos,
Conheçam Basto Peroba, lá de Bom Conselho,PE. Um dos melhores sanfoneiros que conheço.
Grande abraço
Sérgio Gusmão EDITOR ASSOCIADO
http://www.youtube.com/watch?v=80fCTsHsJGc
">

EM CAMPANHA LULA INAUGURA PARQUE DONA LINDU


SOB PROTESTOS DA POPULAÇÃO RECIFENSE, EM GRANDE PARTE , TENDO JA SOFRIDO EMBARGOS JURÍDICOS O PARQUE É INAUGURADO COMPONDO ATOS DA CAMPANHA DO PT EM PERNANMBUCO, NOMES COMO JOSUÉ DE CASTO, CAPIBA,HERMILO BORBA FILHO E TANTOS OUTROS SOSSOBRARAM">

domingo, 28 de dezembro de 2008

Autores encontram-se para organizar obra sobre Homoparentalidade a ser lançada em 2009



Em encontro em Recife autores encontram-se para organizar obra sobre Homoparentalidade a ser lançada em 2009 entre os eixos São Paulo, Recife e Vitória.

Edineide Silva -PE, Aldo Ambrózio-SP ES e Paulo Vasconcelos -PE.

EM FÉRIAS EM PE :descaso e sujeira nos moumentos urbanos do Recife


É LAMENTÁVEL A SUJEIRA NO ENTORNO DA FACULDADE DE DIREITO DO RECIFE, PRIMEIRA DO BRASIL, JARDINS E CALÇADAS ESTROPIADAS E REGADAS A LIXO, ASSIM COMO A RUA PRINCESA IZABEL E O CAIS DA AURORA.

A cantora e atriz americana Eartha Kitt morreu em N York aos 81 anos


La cantante y actriz estadounidense Eartha Kitt murió en Nueva York a los 81 años a causa de un cáncer de colon, informó la cadena de noticias CNN en base a la portavoz Patty Freedman.

En el momento de su muerte, estaba acompañada por su hija.

Recientemente había finalizado una grabación en Chicago, agregó la fuente.

Kitt, conocida por su voz versátil y particular, se convirtió en la "musa negra" de la bohemia blanca de los años cincuenta. Su fama se debió también a la interpretación de 'Gatúbela' en la serie televisiva 'Batman' en los años sesenta y a la canción 'Santa Baby'.

Fue ganadora de dos Premios Emmy, entre otros galardones. Entre sus grandes éxitos se encuentran 'Je cherche un homme', 'C'est Si Bon', 'Let's Do It' y 'My Heart Belongs to Daddy'.

Nació en Carolina del Sur. A los ocho años, su madre la envió a vivir junto con una tía en Harlem, Nueva York, donde pronto descubrió su amor por el mundo del espectáculo.

Con el Dunham Dance Group se presentó en todas las capitales europeas y en 1948 actuó frente a la familia real británica en Londres.

Posteriormente, emprendió su carrera de solista en el club nocturno 'Carrols', en París.

En los años cincuenta, participó en numerosas producciones de Hollywood, entre ellas 'Accused' y 'Anna Lucasta'.

Kitt se presentó como cantante en más de cien países y fue honrada con una estrella en el Paseo de la Fama, en Hollywood.

La sobreviven su hija y cuatro nietos, con los que vivía en Connecticut, Estados Unidos.
by clarin

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

La ONU llama a despenalizar la homosexualidad en todo el mundo

La ONU llama a despenalizar la homosexualidad en todo el mundo
05:39Argentina fue uno de los promotores más activos de la medida y leyó la declaración. Por: Sibila Camps

1

"Este gobierno hizo valer nuestros derechos", aseguró César Cigliutti, presidente de la CHA.
La Asamblea General de las Naciones Unidas aprobó ayer una declaración que exhorta a poner fin a las violaciones de los derechos humanos fundadas en la orientación sexual y la identidad de género. El documento, firmado por 66 países y presentado por la Argentina, significa el primer paso para la despenalización universal de la homosexualidad.
En más de 80 países todavía hay leyes que la castigan, incluso con la pena de muerte (en Arabia Saudí, Emiratos Árabes, Irán, Mauritania, Nigeria, Sudán y Yemen). En la mitad de ellos son un resabio de las "leyes de sodomía" de la colonización británica, que ponían bajo sospecha las costumbres sexuales de los pueblos conquistados.
Un reciente informe de Human Rights Watch explica que, en 36 países, esas leyes derivan de una sola ley sobre conducta homosexual que el gobierno colonial británico impuso en India en 1860 (ver www.hrw.org). Esa ONG fue una de las que apoyaron la declaración, impulsada principalmente por la International Gays and Lesbian Association (ILGA). La iniciativa es el primer resultado concreto del Comité IDaHo, sigla del Día Internacional Contra la Homofobia, instaurado en 2006.
"Los gobiernos de América Latina están ayudando a abrir el camino, como defensores de la igualdad y partidarios de esta declaración", señaló la mexicana Gloria Careaga Pérez, co-secretaria general de ILGA. En ese sentido, Argentina tuvo, junto con Francia, un papel protagónico al impulsar el documento, que fue presentado por Jorge Argüello, embajador argentino ante la ONU.
"Esto refuerza el compromiso de nuestro país para adecuar las normas para terminar con las violaciones de derechos humanos a nuestra comunidad", destacó a Clarín, desde Nueva York, Pedro Paradiso Sottile, coordinador del área jurídica de la Comunidad Homosexual Argentina (CHA), quien integró el equipo de ILGA que trabajó en el tema.
La declaración, que no tiene estatus de tratado, enmarca la diversidad sexual en los derechos humanos. Expresa la alarma de los países firmantes "por la violencia, acoso, discriminación, exclusión, estigmatización y prejuicio que se dirigen contra personas de todos los países del mundo por causa de su orientación sexual o identidad de género".
El documento también condena las violaciones a los derechos humanos por esta causa. Y urge a los Estados a tomar "las medidas necesarias, en particular las legislativas o administrativas", para despenalizar la elección sexual.

Toda la Unión Europea y casi toda América Latina —incluso Cuba— suscribieron la declaración, a la que también adhirieron Japón, Israel, Canadá, Australia, Nueva Zelanda, Nepal, República Centroafricana y Gabón, un país islámico. No firmaron Estados Unidos —argumentó que el sistema federal le impide tomar este tipo de compromisos—, China, Rusia ni el Vaticano; de este último, observador permanente ante la ONU, se esperaba un pronunciamiento negativo, pero su delegado se mantuvo en silencio.

El embajador sirio Abdullah al-Hallaq, en nombre de 58 países islámicos, leyó una declaración en contra, donde se advierte que la homosexualidad podría "conducir a la normalización social y probablemente la legitimación de muchos actos deplorables, como la pedofilia". Consideró además que el documento aprobado constituye una injerencia en los asuntos internos de los países.

Con sólo un tercio de los votos, aún se está lejos de que las minorías sexuales dejen de ser perseguidas y gocen de todos los derechos humanos. "Pero es la primera vez que la Asamblea General de la ONU trata este tema", celebró Paradiso Sottile.

by el clarin

domingo, 21 de dezembro de 2008

EDUCAÇÃO NO BRASIL

EDUCAÇÃO NO BRASIL
Uma pesquisa revelou que faltam bons professores no país e que alunos do 5º ano do ensino fundamental até o último do ensino médio têm dificuldade de aprendizado. É possível melhorar a Educação?


by globo .com

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Obama Soda PARIS


Obama Soda, uma bebida energética com 250 mililitros de SONHO americano na diversidade racial;ela nasce nos suburbios de París para sensibilizar a população do próximo ocupante da Casa Blanca, Barack Obama

EVO MORALES NAO FOI CONVIDADO PARA POSSE



MORALES NAO FOI CONVIDADO PARA POSSE DE BARACK OBAMA NOS EUA.
O QUE OCORRE?
JA SÃO DADOS DO TRATO COM O MERCOSUL?
PAULO A C V

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Wi-Fi Bus, essa idéia já chegou ao Brasil

Wi-Fi Bus, essa idéia já chegou ao Brasil
Empresa oferece conexão Wi-Fi de alta velocidade dentro do ônibus
A viação Itapemirim, em parceria com a Vex, deu início aos testes do Wi-Fi Bus com um veículo da linha São Paulo/Rio. Esse projeto utiliza a tecnologia 3G para transmitir/receber dados para o mundo externo, ou seja, o ônibus se conecta à internet por meio da malha 3G construída pelas operadoras de telefonia móvel. Já no veículo, o sinal 3G é convertido em sinal Wi-Fi e distribuído aos passageiros. Desta forma, quem possuir um notebook, smartphone ou qualquer outro equipamento com interface Wi-Fi poderá aproveitar a ‘viagem online’ para passear pela Web.

by http://olhardigital.uol.com.br/central_de_videos/video_wide.php?id_conteudo=7052

AS RÁDIOS EM SÃO PAULO E SUAS TURMINHAS

Porque a CBN tem tanta turminha de falar para eles entre eles,como se não existisse o rádio- ouvinte, como as confabulações entre Piotto e Eboli e muitas vezes abrindo a roda para as mocinhas das externas?
Parece que a rádio é feita por eles,MAS PARA ELES Só se salva Herodoto e Roberto Nonato,que apesar de brincar, o faz com comedimento e mais, porque a agressividade e má leitura de Milton jung, parece que trabalha forçado!

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

PROSTIUTIÇÃO NO VALE DO RIBEIRA É VISÍVEL E DECLARADA

É UMA VERGONHA A SITUAÇÃO DA PROSTITUIÇÃO INFANTIL DO VALE DO RIBEIRA- EM SÃO PAULO, FOSSE NO NORDESTE , QUE TAMBÉM TEM, SERIA UM H O R R O R PARA O BRASIL ,COMO É SÃO PAULO, NADA DEMAIS

SAPATADA ECOS






Dargham, irmão do jornalista iraquiano Muntazer al-Zaidi, mostra nesta segunda-feira (15) os sapatos de Muntazer na casa deles no centro de Bagdá. Muntazer ficou repentinamente famoso no domingo após
Muntazer al-Zaidi, de 29 anos, o jornalista iraquiano que ficou famoso no domingo ao lançar seus sapatos contra o presidente George W. Bush, premeditou seu ataque, disseram nesta segunda-feira (15) seus colegas de trabalho.

Al-Zaidi, que trabalha há três anos na TV Al-Baghdadiya, detesta os Estados Unidos e seu presidente faz tempo, segundo seus colegas.

Natural da cidade xiita de Nassiriyah, 350 km ao sul de Bagdá, ele mora com os irmãos no centro de Bagdá. Em novembro de 2007 foi seqüestrado na capital iraquiana e permaneceu uma semana em cativeiro.

"Ele nos preveniu faz meses, faz pelo menos sete meses, que lançaria os sapatos contra Bush se tivesse chance de estar em frente a ele", disse um de seus colegas. "Quando ele nos prometeu isso, pensamos que eram só palavras."

METRO DE SÃO PAULO - ZONA LESTE


"ISTO É UMA HUMILHAÇÃO, A QUE PASSAMOS"
ISTO É QUE OUVI DE UM PASSAGEIRO NA MULTIDÃO PARA ALCANÇAR UM VAGÃO DA LINHA DA ZONA LESTE ONTEM DIA 15.12.2008 AS 18.55, NA SÉ.
ISTO É UMA HUMILHAÇÃO MESMO E NADA SE FAZ, E NOS SUBMETEMOS COMO GADO ENFILEIRADOS"

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Luditas


Interessantísssima a reportagem do Bitniks-Espanha- exposta na Nova.e
Unabomber: os velhos luditas nunca morrem


Iñaki Arzoz e Andoni Alonso

"Ou luta ou se cala. Não é tempo de queixas". John Zerzan

Detido há 10 anos, que lições nos deixa Theodore Kaczynski

Nessa irreversível globalização tecnológica não é ouro tudo que reluz. Assim ao menos pensam alguns. Diante dos discursos triunfantes de Bill Gates ou Nicholas Negroponte, ouvem-se numerosas vozes críticas, cada vez mais severas, diante do avanço irreversível de uma impiedosa economia globalizada - segundo Manuel Castells: mais perigosa em certas ocasiões que uma bomba de neutrons - e de uma técnica desumana que arrasa tanto o meio ambiente como as distintas culturas vernáculas.

O velho rei Ludd está de parabéns, vendo como seus seguidores não somente não têm desaparecido, como também têm-se reproduzido e tentam revolucionar este estado de dominação tecnológica, amiúde, por meio da mesma tecnologia. Internet ferve de páginas "neoluditas" onde incluem-se arquivos e livros eletrônicos para os fieis súditos à causa rebelde do fantasioso Ned Ludd. Nas filas destes novos luditas podemos contar os famosos Hakim Bey ou John Zerzan e, naturalmente, Theodore Kaczynski, mais conhecido como Unabomber, cujo apelido já é um sinônimo de neoludismo do século XX.

Este é hoje o protagonista de nossa seção, um anti-herói ludita, não tanto por suas idéias – legítimas em muitos aspectos – mas por seus métodos atrozes e absurdos, que sem dúvida atingiram seu objetivo: suas críticas foram ouvidas e conhecidas popularmente.




Um intelectual brilhante

Theodore Kaczynski (1941). Este ex-professor de matemática da Universidade de Berkeley passou à história como um dos casos de intelectuais mais singulares do século (a revista People concedeu-lhe em 1996 o prêmio como uma das personalidades mais estranhas do momento). Um intelectual brilhante, segundo as declarações de seus companheiros e professores, porém de caráter antisocial, com um grande talento pela matemática, abandona sua promissora carreira universitária em 1969 sem maiores explicações, para dedicar-se a trabalhos semi-especializados, até que finalmente retira-se para os bosques de Montana, para viver como um ermitão em uma cabana.

Kaczynski confessou posteriormente que desde 1979 não havia cobrado nenhum tipo de salário, isto é, que viveu 17 anos sem remuneração, completamente autosuficiente, como Thoreau – o modelo dos luditas norte-americanos – na cabana Walden.

Ao mesmo tempo, desde 1978, e esta é a parte mais notória de sua “carreira pública”, envia pelo correio uma série de bombas artesanais – num total de 23 -, a diferentes personalidades da universidade (daí o apelido: Una-bomber) e de empresas de informática (entre eles Bill Gates), cujo resultado foram 22 feridos e mutilados e 2 mortos. A razão que argumentou para sua campanha terrorista é um tópico do neoludismo: o desenvolvimento tecno-econômico ameaça com a destruição do mundo.

Portanto, segundo seu raciocínio, todo aquele que colabore com o desenvolvimento da tecnologia é cúmplice do previsível genocídio da humanidade. 1995 foi o ano Unabomber por excelência, pois conseguiu que o “Washington Post” publicasse, pois prometeu que se isso ocorresse já não enviaria mais bombas, seu libelo entitulado:”Manifesto: Industrial Society and Its Future” (Sociedade Industrial e seu futuro), (tradução espanhola no “El manifiesto Unabomber”, Coletivo Likiniaño, 1999).

Espaço na mídia

E então o FBI enlouqueceu, começando uma campanha nacional com a distribuição de supostos retratos do terrorista, um rosto sinistro com bigode, oculto por trás de óculos negros e sob um capuz. A busca do inimigo público número 1 se estendia demasiadamente e ademais, o terrorista ganhava terreno no espaço da mídia. O contra-ataque da polícia interestadual não podia ser mais curioso: humilharam a Kaczynski chamando-o de terrorista a assassino em série, esperando com isso desacreditar seu Manifesto.

E justamente a chave do caso, mais que nos atentados, estava neste Manifesto. De estilo lacônico e severo, porém bem documentado e, segundo os especialistas, dá sequência à linha crítica contra a tecnologia do sociólogo francês Jacques Elull (com ecos de Mumford y Winner), este Manifesto não passou despercebido entre a intelectualidade norte-americana. Pois manifestava sem rodeios o desespero de uma ampla minoria alternativa – desde ecologistas a esquerdistas marginais – que vêem o progresso acabar com uma forma de vida “natural” e que vai impor outra dominação do império da tecnologia.

Por ele, este texto – um dos manifestos definitivos da nascente cibercultura junto à Declaração de Perry Barlow e o Manifesto de Dona Haraway sobre o cyborg – se começa a utilizar como livro de textos em cursos universitários (enquanto o FBI efetua infrutíferas buscas em vários campus suspeitos) onde é distribuido amplamente, tanto em papel como na Internet, o qual converteu-se em um pequeno best-seller da contracultura.

Washington Post

O Manifesto expressa, de forma radical, que nossa sociedade aproxima-se do desastre, afirmação que, por outra parte, o Clube de Roma mostra-se disposto a aceitar, apesar de que não compartilha com os remédios violentos de luditas como Unabomber. Já não adianta negociar reformas ou mudanças nos estabelecimentos tecno-industriais, e muito menos agora, envolvidos como estamos com a economia ultratecnológica e virtual dessa grande rede. Nem sequer a esquerda é capaz de encontrar um ponto de equilíbrio entre as idéias e os métodos para mitigar seus efeitos ou atrasar seu avanço, pois já faz tempo que perdeu-se o norte e conforma-se com as migalhas que o duro mercado livre lhe oferece.

Ainda que haja algo tão familiarmente norte-americano nessa visão, ao mesmo tempo populista e individualista, de Unabomber, que não é de se estranhar que algum tempo depois, mais tarde, o jornal “Washington Post” publicou um artigo com um surpreendente título “Ex ’pluribus’, Unabomber”, imitando assim a velha inscrição que aparece nas notas dos dólares: “de muitos, um só povo”. E o que acontece é que detemo-nos um instante a pensar, seguramente toma-nos um forte desejo de que Unabomber e os luditas podem ter algo de razão, e que provavelmente, de imediato ou mais tarde, dirigimo-nos até uma catástrofe global. Esta é a sensação que transmite o Manifesto, e aí reside seu particular atrativo.

La cárcel

Pode-se afirmar que Unabomber é uma espécie de “anarquista conservador”, defensor do individualismo norte-americano e muito distante de qualquer tentação comunista, o qual faz-se ainda mais interessante para a intelectualidade norte-americana. O indivíduo na solidão ou muito enrraigado em uma pequena comunidade – o neo-pioneiro ecologista -, é a única esperança para sobreviver distante dos fluxos de poder internacionais, das corporações multinacionais ou de instituições como a Organização Mundial do Comércio (OMC) ou o Fundo Monetário Internacional (FMI). Não é de se estranhar que, pouco depois da prisão de Unabomber, um dos anarquistas teóricos mais conhecidos e respeitados, John Zerzan, foi visitá-lo no cárcere.

E tampouco foi casual porque Zerzan, durante muitos anos, foi o candidato mais provável para ser o verdadeiro Unabomber (apesar de declarar-se pacifista). Muitos consideravam que sua idéia de um “Futuro Primitivista” parecia-se muito com os postulados de Unabomber, o que se confirmou realmente, segundo todos os indícios, no claro instigador intelectual das revoltas de rua de 1999 contra a OMC em Seattle e contra a recente reunião do FMI em Nova York.

Internauta e pacifista...

Estes são os herdeiros de Unabomber, a nova geração de luditas; jovens inconformados que se coordenam pela Internet para montar barricadas contra a globalização; o ludismo convervador, anti-tecnológico e sangrento, derivando até um ludismo possibilista, internauta e pacifista.

Unabomber, como se sabe, foi finalmente detido em 1998, sua exígua cabana de madeira transportada em um reboque para ser exaustivamente analisada e, diante das provas encontradas, finalmente acusado.

Depois de longo tempo do processo e um sem-fim de sutilezas legais de Unabomber e seus advogados, uma espera mais que provável pela condenação – a prisão perpétua sem indulto ou perdão, tal como foi pedido pelo juiz -, e pelo que parece, Walt Disney vai filmar o caso (suponhamos que devam incluir a delação de seu irmão, que cobrou um milhão de dólares de recompensa).

Ninguém parece defender hoje os métodos de Unabomber, moral ou estrategicamente, porém seu Manifesto seguirá inquietando-nos durante muito tempo.

Os velhos luditas nunca morrem...

Iñaki Arzoz y Andoni Alonso - São licenciados em Belas Artes e doutor em Filosofìa, respectivamente, pela Universidad del País Vasco. Tradução e adaptação do texto por Luiz Cirne.

Texto pentencente a biblioteca Bitniks.es, revista espanhola parceira há oito anos da NovaE, que os reedita e republica com exclusividade em português. O real é atual. Credibilidade não envelhece.
http://www.novae.inf.br/site/modules.php?name=Conteudo&pid=1009

MADONA


MADONA , VELHA MAGRA E NÃO FAZ MAIS SUCESSO COMO QUERIA A MÍDIA.
MADONA JÁ MADORNA E PRECISA É DE APOSENTAR!

BUSH E OS SAPATOS DO IRAQUIANO


BELA CERIMÔNIA DE ENTREGA DO CARGO
SAPATADA EM BUSH!
SERÁ QUE FOI DE TODO MUNDO?
PENSO QUE SIM

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

LUIZ GONZAGA


LUIZ GONZAGA
Aprendi a ouvir Gonzaga em casa, nas festas de rua, nos bares, nas feiras,era um cantor e compositor das classes pobres,a classe A não ouvia, como algo menor, depois da tropicália Luiz ascende a categoria dos clássicos, com gravações de GAL, E OUTRAS MAIS.
Sempre foI um clássico, seu filho , Gonzaguinha,com toda geniaLidade, nao o superou mas contribui para sua permanência numa mídia radiofônica preconceituosa, E SEM PARÂMETROS DE QUALIDADE.
paulo a c v



.Cultura .Home / Cultura









Aniversário
Luiz Gonzaga será homenageado com festa no Marco Zero
Publicado em 11.12.2008, às 15h59


Se estivesse vivo, Luiz Gonzaga completaria 96 anos





Do JC OnLine

"Parabéns pra você" é o nome da homenagem que o Rei do Baião, Luiz Gonzaga, receberá nesta sexta-feira (12), a partir das 20h30, no Marco Zero, marcando o aniversário do cantor. Se estivesse vivo, o compositor faria 96 anos de idade no sábado (13).

Em sua terceira edição, o evento, que é gratuito, será aberto com a exibição de antigos shows de Luiz Gonzaga, com imagens consideradas relíquias, contando um pouco da trajetória do cantor e transmitidas em dois telões montados ao lado do palco.

O evento será animado pelas seguintes atrações: Orquestra Criança Cidadã, Ed Carlos, Daniel Bueno, Joquinha Gonzaga, Gabriel Sá e Trio Nóis 4. Durante o show, que conta com o apoio da Rádio Jornal, o repertório dos artistas será composto exclusivamente por músicas que fizeram sucesso na voz do Rei do Baião.

Luiz Gonzaga do Nascimento, filho de Januário e Santana, nasceu na Fazenda Caiçara, em Exu, Sertão Pernambucano, no dia 13 de dezembro de 1912. Cantor e compositor, foi eleito o pernambucano do século 20, porta-voz do expoente das tradições nordestinas.

JORNAL DO COMÉRCIO RECIFE PE

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Ranking aponta USP entre as melhores universidades do mundo

Ranking aponta USP entre as melhores universidades do mundo

Portal Terra


SÃO PAULO - A Universidade de São Paulo (USP) foi a única universidade brasileira a figurar na lista das 200 melhores universidades do mundo, informa uma pesquisa feita pelo jornal britânico The Times. Segundo o relatório, intitulado Times Higher Education 2008-QS World University Rankings, a USP alcançou a 196ª posição.

Os Estados Unidos dominam o topo da tabela classificativa com 37 entre as 100 principais instituições, incluindo as duas primeiras colocadas, que são Harvard e Yale. A Universidade de Michigan, dos EUA, 18ª colocado na tabela, foi a melhor entre as universidades públicas deste país.

Entre as dez melhores instituições de ensino superior, seis são americanas e quatro britânicas.

A América Latina entra com apenas três universidades. Além da USP, a Universidade Nacional Autónoma do México, que saiu da posição 192ª no ano de 2007 para 150ª e a Universidade de Buenos Aires, na Argentina, que saiu do 264ª lugar para o 197ª em 2008. A USP no ano de 2007 ocupava o 175ª lugar, caindo 21 posições no ano de 2008.

by jb terra

Agora imaginem a a situação das universidades privadas na América Latina e Brasil.
pacv

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

sábado, 6 de dezembro de 2008

Prêmio Ludicidade/Pontinhos de Cultura

Prêmio Ludicidade/Pontinhos de Cultura
26 de Setembro de 2008 by Redação

Até o dia 8 de novembro, estão abertas as inscrições para o Prêmio Ludicidade/Pontinhos de Cultura, a ser desenvolvido no âmbito do Programa Nacional de Cultura, Educação e Cidadania - Cultura Viva, promovido pelo Ministério da Cultura, por meio da Secretaria de Programas e Projetos Culturais do MinC.

A iniciativa tem como objetivo premiar e também mapear entidades sem fins lucrativos e instituições governamentais estaduais, distritais e municipais que desenvolvam atividades sócio-cultural-artístico-educacionais que assegurem os direitos previstos no Estatuto da Criança e do Adolescente e que desenvolvam atividades relacionadas com os saberes e fazeres da Cultura da Infância.

Além disso, esta iniciativa insere-se na Ação Ludicidade/Espaços do Brincar, que tem como finalidade promover uma política nacional de transmissão e preservação da Cultura da Infância, por meio de ações que fortaleçam os direitos da criança segundo o Estatuto da Criança e Adolescente, sensibilizado e capacitando profissionais de instituições públicas governamentais para implantação e/ou continuidade de ações lúdicas em espaços denominados ‘Pontinhos de Cultura’.

Poderão ser inscritos projetos sócio-cultural-artístico-educacionais relacionados com os saberes e fazeres da Cultura da Infância, realizados em parceria com entidades que atuam ou tenham como objetivo promover uma política nacional de transmissão e preservação da Cultura da Infância. Para cada uma das 200 iniciativas escolhidas será destinada o valor de R$ 18 mil, com investimento de R$ 3,6 milhões. O número total de premiações será distribuído regionalmente, obedecendo a proporcionalidade da demanda habilitada.
A análise das propostas recebidas será realizada por uma Comissão de Avaliação composta por representantes das Secretarias e das Representações Regionais do Ministério da Cultura, da Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República (SEDH-PR), do Conselho dos Direitos da Criança e Adolescente (Conanda) e do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), além de quatro personalidades de notável experiência.

Dentre os critérios para a seleção estão: experiência inovadora e investimento da entidade no seguimento de Cultura da Infância de sua região e no projeto cultural, artístico e educativo proposto; currículo do proponente; qualidade e originalidade do projeto apresentado; e interação e integração com instituições que promovam pesquisas na área.

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

O HOMEM QUE ENGARRAFAVA NUVENS", BIOGRAFIA DE HUMBERTO TEIXEIRA.



Sérgio Gusmão
A PROPÓSITO DO FILME "O Jornal Folha de São Paulo, como sabem muitos de vocês, tem uma Revista chamada "SERAFINA". Na edição de setembro de 2008 pode-se ver uma entrevista com a filha de Humberto Teixeira, que foi produtora do Filme dirigido pelo pernambucano Lírio Ferreira, Denise Dummont, atriz que ficou famosa nos anos 80. Ainda não assisti ao filme, mas devo dizer que já o considero uma justa homenagem ao grande compositor e parceiro de Luiz Gonzaga., o Doutor do Baião. Antes que se possam levantar questões sobre esta famosa parceria, permitam-me transcrever aqui trecho do depoimento que HT deu ao comunicador e pesquisador cearense, Nirez.
É assim:
pergunta: Como foi esse contato com Luiz Gonzaga?

HT - É a história: O Luiz Gonzaga, tal como eu, como Lauro Maia estava fazendo os primeiros sucessos dele com a Mula Preta, com Xamego, com as músicas que ele fazia com Miguel Lima. Mas a vontade de Luiz era lançar a música do norte, como ele chamava. Ele não dizia do nordeste. Era a música do norte. Ele procurou o Lauro Maia e o Lauro disse:"olha rapaz, esse negócio de campanha, isso me apavora. Eu sou um homem indisciplinado, eu não guardo coisas nem compromisso de uma dia pro outro e tudo isso. De maneira que eu acho mais interessane você procurar meu cunhado Humberto Teixeira. ele também é compositor e faz músicas do norte... Ele é mais organizado". Um belo dia, eu estou no meu escritório de advogado lá no Rio, na Av. Calógeras, quando me procurou o Luiz Gonzaga. Se apresentou, eu o conhecia de nome e tal, mas foi a primeira vez que eu vi o Luiz Gonzaga pessoalmente. Ele me contou que tinha estado com Lauro Maia, o Lauro tinha me indicado... Aí falou da idéia dele de deflagrar a música do norte nos grandes centros, que ele tinha muitas idéias...Bem, nós ficamos, Nirez, naquela tarde, de quatro e meia até quase meia noite, nesse primeiro encontro. Eu fechei praticamente o escritório, como fazia sempre que vinha negócio de música e nós relembramos, retrospectamos em torno dos ritmos nordestinos, do Ceará, de Pernambuco, a terra dele... Naquele dia nós chegamos a duas conclusões muito interessantes. Uma delas é que a música ou o ritmo que iria servir de lastro para a nossa campanha de lançamento da música do norte, a música nordestina no sul, seria o baião. Nós achamos que era o que tinha características mais fáceis, mais uniformes para se lançar essa música. E outra coisa: naquele mesmo dia nós fizemos os primeiros versos, discutimos as primeiras idéias em torno de Asa Branca, não só a letra, como também melodicamente, essa coisa formidável que só dois anos depois, foi gravada, e que no dia em que gravamos, com o conjunto de Canhoto, ele disse assim: "mas puxa, vocês depois de um negócio desses, de sucessos, vêem cantar moda de igreja, de cego, aqui? Que troço horrível!!"...Mal sabiam eles que que nós estávamos gravando alí uma das páginas mais maravilhosas da música brasileira...
...Muita gente diz que eu sou o letrista das músicas de Luiz Gonzaga. Não existe isso.Muitas delas são integralmente minhas. Letra, música e tudo. Como outras são do Luiz. A nossa parceria, eu costumo dizer que não sei onde começa o poeta e termina o músico, é uma parceira indestrutível, muito amiga, muito fraterna. De maneira que o que não foi feito por ele, eu considero feito e vice-versa, a recíproca é absolutamente verdadeira. Nós temos um entendimento perfeito..."
trecho do depoimento "Eu sou Apenas Humberto Teixeira"
Equatorial Produções- 11/12/1977