REDES

quarta-feira, 30 de maio de 2018

Audálio Dantas exemplo de jornalismo







Audálio Dantas,alagoano, há muito radicado em São Paulo. Este homem foi um guerreiro,sempre e sempre,ele além de Jornalista,escritor, poeta foi um  agitador cultural.Inesquecível na área jornalistica e sua conduta política,com destaque para o período da Ditadura militar.O poster abaixo-Facebook, via João Lopes/Ricardo Kotscho
Paulo Vasconcelos


João Lopes
1 h
MORREU O GRANDE JORNALISTA AUDÁLIO DANTAS, UM DIGNO CIDADÃO BRASILEIRO
30 De Maio De 2018 Ricardo Kotscho


Fiquei sabendo agora pela Thaís, neta dele, que trabalha com minha filha Mariana, uma notícia muito triste para todos os jornalistas e cidadãos brasileiros: morreu meu amigo Audálio Dantas, um cara que batalhou pela vida até o seu último suspiro.
Estive com ele poucos dias atrás num almoço com velhos amigos no Hospital Premier, onde ele viveu seus últimos dias, com a mesma dignidade de toda uma longa jornada de lutas, nem sei de quantos anos, porque até hoje há controvérsias, mas foram muitos, alguma coisa entre 80 e 90.
Trabalhou até onde deu, vivia com muito aperto apenas dos seus escritos, que lhe garantiam a sua sobrevivência e a da brava e unida família Dantas, comandada pela guerreira Vanira.
Audálio há tempos sofria de muitos achaques da saúde, um após outro, mas tenho certeza de que morreu foi mesmo de tristeza, ao ver o que fizeram do seu país, pelo qual sempre foi muito apaixonado.
Nas nossas últimas conversas, ele já estava desesperançado de que a nossa geração ainda conseguisse ver o Brasil com que sonhamos a vida toda, mais justo, mais humano, mais decente.
Sertanejo valente das Alagoas, este brasileiro de muito talento e firmeza foi um dos protagonistas da passagem da ditadura para a democracia, quando falar a verdade sobre o assassinato do jornalista Vlado Herzog nos porões da ditadura era correr risco de vida.
Para quem quiser saber mais sobre a sua história, é só entrar no Google, porque agora vou ao velório para ver se é verdade que ele morreu mesmo.
Homens como Audálio Dantas nunca deveriam morrer. Continuarão vivos na nossa lembrança como exemplo dos brasileiros que não se vergaram nunca.
Vida que segue para quem fica

Comentários



segunda-feira, 28 de maio de 2018

UMA RESENHA CORRETA DE PHILIP ROTH - por Mauro Donato DCM





DCM Divulgação


Fui leitor contumaz deste norte -americano P.Roth.Após sua morte, li resenhas e  resenhas sobre sua obra.Pensei até em escrever de meu próprio punho, mas encontrei esta do Mauro Donato* no Diário do Centro do Mundo,jornal a qual tenho estima.Tenho admiração, também, pelo Mauro, dentro de sua carreira jornalística , sua incursões  no  mundo fotográfico e na sua primeira obra literária que ainda não li-  “Além do pó” -Ed Chiado Books. Donato faz um mapeamento limpo, do autor principal aqui referido, cujos contornos batem com os meus, assim melhor exibí-lo pois é perfeito.Abaixo texto na integra: ......https://bit.ly/2ksH25S

Philip Roth sempre foi um antídoto contra ondas moralistas. Por Mauro Donato

Philip Roth é dos poucos autores que li toda a obra. E daqueles raros escritores que merecem releitura, pois muitos de seus livros abordam temas que se mostram atualíssimos.
Sociedade polarizada? Tem. Roth foi um mestre em descrever os habitantes de sua Newark natal, e os americanos como um todo, retratando magnificamente bem o comportamento e a personalidade de uma sociedade polarizada como os Estados Unidos nos anos imediatamente pré, durante e pós Segunda Guerra. Os republicanos, os comunistas, as perseguições, as delações que arruínam uma vida.
Já há muito tempo Philip Roth tratava – e alertava corajosamente – sobre o perigo dos julgamentos superficiais, sobre a incapacidade de se reconhecer a complexidade dos indivíduos e como precisam ser respeitados, como no romance A Marca Humana, no qual o professor Coleman Silk é acusado de racismo por ter se utilizado de um termo dúbio durante uma aula e então tem sua carreira e vida pessoal devastadas.
A obra de Roth é um tratado sobre as consequências de ondas moralistas que assolam o individualismo ao rotular e atacar sistematicamente alguém em razão de comportamentos translúcidos, mas não obrigatoriamente condenáveis e muito menos criminosos.
Nesses tempos de grande cinismo que vivemos, é sintomático que ele nunca tenha recebido um Nobel de literatura. A academia vinha levando a indicação em banho-maria, sobretudo após seu anúncio de aposentadoria em 2012. A premiação teria que vir pelo ‘conjunto da obra’ e o clube temia as patrulhas contemporâneas. O escritor seria alvo de apedrejamento por sua literatura ‘machista’ (deus ilumine essas pessoas que não sabem ler). Justo a academia, agora envolta em escândalo de assédio sexual entre seus membros. Irônico, não?
Não conceder o prêmio a alguém da estatura de Philip Roth diz muito mais sobre a academia do que sobre o escritor, cuja literatura é irreparável.
Sua literatura é de uma regularidade assombrosa, sempre um narrador onisciente, sempre um homem, quase sempre da faixa etária equivalente a do autor na época em que estava escrevendo a obra. Roth não fazia uso de recursos como narrar pelo ponto de vista de um feto, ou de um cão, ou de um defunto (e não que isso desmereça a obra de Machado de Assis, ou o genial Enclausurado de Ian McEwan, pelo contrário). Mas Roth nunca fez malabarismos para contar uma história muito bem contada, rica até a medula, através do subjetivismo. Não pode jamais, portanto, ser acusado de roubar o ‘lugar de fala’ de ninguém.
Grande parte de seus personagens – masculinos e não machistas – têm seu desejo sexual exposto a nu. O que não significa que o autor os glorifique. Muitos deles têm sua decrepitude igualmente exposta. Sim, isso se dá principalmente nos livros mais recentes dado, como já dito, a tal paridade entre idade do personagem e idade do próprio autor. Por isso é fundamental conhecer a obra de Roth como um todo e não por meio de pinças.
Uma das raras oportunidades em que Roth enveredou por uma narrativa distópica, resultou no brilhante Complô Contra a América, livro que faz a projeção de como seriam os Estados Unidos caso Charles Lindbergh, um piloto de avião (o primeiro a cruzar o Atlântico em voo solo), supremacista e anti-semita, tivesse vencido as eleições de 1940 no lugar de Franklin Roosevelt. Com amplo apoio dos republicanos, Lindbergh seria o cara certo para costurar uma aliança com os alemães no intuito de derrotar o comunismo. Os Estados Unidos tornariam-se aliados de Hitler e não teriam a imagem de guardiões do mundo com que se auto-intitulam. Embora ficcional, a obra é toda concebida sobre fatos e pessoas reais.
Philip Roth já fazia falta desde que parou de escrever. A irreversibilidade dessa condição deixou o mundo mais pobre de inteligência e humor.
*Apud Editora Chiado
Mauro Donato  por 
https://bit.ly/2xkWMkq


Nascido em São Paulo e publicitário de formação, Mauro Donato é jornalista, colunista dos sites DCM e Justificando, “Além do pó” é seu primeiro livro, fruto de pesquisas realizadas na cidade de Voghera (Italia) e baseado nos relatos de sobreviventes da Segunda Guerra e nas memórias dos momentos vividos junto ao protagonista partigiano

terça-feira, 22 de maio de 2018

A norma culta que se lasque!


E apoi, eu estou com Marcos Bagno há tempo.Concordo inteiramente.A língua é viva no certo e errado, a língua tem chupamento de razões do dizer, mode a vida, madre o contexto que se vive.E mais, há muita coisa que se desconhece na língua, falamos um português  antigo e com influências luso-espânicas. GUIMARÃES ROSA, JOSE LINS ,JORGE AMADO E MUITO OUTROS dizem o seu romance a língua viva , afora a literatura oral e  outras produções do povão que não chega ao grande público,  então que se lasque mesmo.

Vejam abaixo a entrevista em:



Marcos Bagno -
https://bit.ly/2KxWxEu

Marcos Bagno: "Toda e qualquer maneira de falar vale ouro na luta contra o fascismo!".


Uma acusação recorrente que se faz aos linguistas, especialmente aos sociolinguistas (que estudam as relações entre linguagem e sociedade), é que eles defendem o “vale-tudo” linguístico: para nós não existiria “certo” nem “errado”, apenas “variantes”, ou seja, formas alternativas de dizer a mesma coisa (por exemplo, “assistir o filme”/“assistir ao filme”). 

Nós, pesquisadores, costumamos nos defender dessas acusações com argumentos muito bem elaborados, apoiados nas teorias que orientam nossas investigações e conclusões. No caso da sociolinguística, os conceitos mais importantes com os quais lidamos são os de “variação” e “mudança”. O lema da nossa bandeira é: “Toda língua varia no espaço e muda com o tempo”. 

O espaço em que a língua varia é o espaço geográfico propriamente dito (pessoas de regiões diferentes falam de modo diferente), mas também o espaço social (pessoas de classes sociais diferentes falam de modo diferente). A mudança se processa no correr do tempo: o latim laxaremudou primeiro em leixar e depois em deixar. E, claro, a mudança não parou aí, porque deixar enfrenta hoje a concorrência de dexá, uma forma já plenamente vitoriosa na fala de todas as pessoas, sobretudo em situação informal, embora a ortografia provavelmente não venha a acompanhar a mudança na pronúncia, pois já deixou de fazer isso há muito tempo.

O que costumamos oferecer em defesa das nossas propostas de “reforma” da norma-padrão tradicional é o seguinte: quando uma forma inovadora (um "erro" na avaliação de senso comum) já alcançou a fala/escrita mais cuidada dos falantes urbanos mais letrados é porque essa inovação já se enraizou plenamente na língua de todas as pessoas, independentemente da classe social. Isso porque as inovações surgem, em geral, na fala mais espontânea das camadas médias-baixas da população. Aos poucos elas vão, como digo brincando, "subindo na vida", isto é, vão sendo incorporadas à atividade linguística das camadas superiores até que chegam ao topo da pirâmide, onde deixam de ser vistas como "erros".

Esse é um dos aspectos mais estudados na sociolinguística: a avaliação social da mudança linguística. Desse modo, muitas coisas que a tradição normativa condena como "erro" já estão plenamente incorporadas na atividade linguística de todos os falantes, incluindo os urbanos mais letrados. Nossa proposição, portanto, é do convívio dessas formas novas com as antigas: quem quiser continuar usando "assistir a X" que fique à vontade, mas não condene ninguém por usar "assistir X". 

Por outro lado (tudo isso é muito complexo, evidentemente), existem determinados usos linguísticos provenientes das camadas mais baixas da hierarquia social que jamais ultrapassam a barreira das classes, que nunca "sobem na vida". São principalmente realizações fonéticas, com destaque para "grobo", "pranta" etc. e "trabaiá", "muié" etc., ao lado de aspectos gramaticais, com destaque para a simplificação da morfologia verbal (nós fala, vocês fala, eles fala etc.).

Na sociolinguística falamos de "traços graduais" (formas que são empregadas por todos os falantes, variando apenas na frequência dos usos) e "traços descontínuos" (aqueles usos que não avançam na hierarquia social). É claro que, com o passar do tempo, essas avaliações vão mudando, e um bom exemplo é o "pra mim fazer" que comparece cada vez mais na fala de pessoas altamente letradas (cada vez mais encontro essa construção no uso de médicos, engenheiros, arquitetos, advogados e até de professores de português): assim, essa construção tem toda a chance de, daqui a 50 ou 100 anos, ser considerada correta ou mesmo a única correta.

O que eu e outras pessoas temos dito nas últimas décadas é que já passou da hora de aceitar sem mais reservas essas inovações linguísticas que constituem os “traços graduais” que descrevi acima. Por que censurar uma forma como “deixa eu entrar”, se ela é empregada por todas as pessoas no Brasil, do Caburaí ao Chuí? (Em tempo: se você acha que o Oiapoque é o ponto extremo norte do Brasil, revise sua geografia!)

Ora, pois muito bem. Uma leitora muito atenta, Ivete Santos, me escreveu há pouco para fazer uma pergunta daquelas que põem a gente contra a parede. Ela questiona se esse projeto de incorporar no padrão aquilo que já é plenamente aceito pelas camadas urbanas letradas não seria uma nova forma de elitismo, uma vez que desconsidera os usos das outras camadas sociais, infinitamente mais numerosas?

Para meu alívio, a resposta já foi dada por ninguém menos do que Carlos Alberto Faraco, um dos linguistas mais lúcidos que temos entre nós. Em texto de 2011, contido no livro Políticas da norma e conflitos linguísticos (Editora Parábola), ele escreve sem rodeios: “Nosso raciocínio de linguistas é, como se pode ver, muito sóbrio, muito ponderado, muito bem empiricamente informado e, digamos com todas as letras, conservador”.

Para muitos sociolinguistas, ser chamado de “conservador” é mais que um tapa na cara, é um soco no estômago. Mas Faraco tem toda a razão, porque, no fundo, ao querermos defender uma “norma culta” que inclua os usos já enraizados na atividade linguística das camadas urbanas letradas, o que estamos fazendo é aceitar “a hierarquização social das normas como ela está dada”, conforme ele escreve.

Ou seja: dizer “deixa eu entrar” não tem problema, é “norma culta” porque os falantes “cultos” empregam essa construção. Mas dizer “as pessoa só qué trabaiá em paz” não deve ser aceito, porque “sofre rejeição”. Sim, cara-pálida, mas rejeição de quem? Muita gente diria: sofre rejeição “da sociedade”. Mas desde quando a sociedade é um todo homogêneo, um bloco compacto? Essas formas sofrem rejeição de uma parcela da sociedade, isso sim, precisamente a parcela, ínfima, que ocupa as posições mais altas da pirâmide socieconômica, que tem acesso à boa escolarização e aos direitos da cidadania. Segundo Jessé Souza, essa parcela não chegaria a 20 por cento da população total. Faz aí as contas.

Já escrevi muito sobre essa necessidade de “reformar” o padrão de acordo com os usos das camadas urbanas letradas. Hoje estou revendo essa postura e radicalizando ideologicamente meu pensamento a esse respeito. Já sabemos que as “reformas” que não implicaram nenhum tipo de ruptura com a ordem social secularmente estabelecida acabaram nos jogando nesse abismo trágico, nesse pesadelo monstruoso que é o Brasil neste exato momento. A conciliação, o entregar os anéis para salvar os dedos, o se satisfazer com as migalhas do banquete, não permitiu nem vai permitir nunca acabar com o horror social que é ter um jovem negro assassinado a cada 27 minutos, uma mulher assassinada a cada hora e meia, que é ocupar uma liderança mundial no assassinato de LGBTs e de militantes ambientalistas, que é ter um total de 60.000 pessoas assassinadas por ano, mais que o número de civis mortos na guerra da Síria. E esse terrorismo de Estado só tende a se acentuar se a máfia que assaltou o poder permanecer nele.

Temos visto nos últimos tempos a luta e as conquistas arduamente obtidas pelas mulheres, pelas pessoas negras, pelas pessoas que vivem nas periferias pobres e violentas das cidades, pelas pessoas que se opõem à heteronormatividade sexual. Temos presenciado o crescimento de movimentos sociais poderosos como os dos trabalhadores sem terra e sem teto. Toda essa gente representa a imensíssima maioria da população brasileira. E sua visibilidade crescente, sua conquista de espaço e de voz não pode se expressar a não ser nos modos de falar que são as delas e os deles, que constituem seus corpos sociais naquilo que eles são, modos de falar que são o elemento mais importante na construção incessante de suas identidades. Se recusar a “adequar” sua linguagem ao que uma parcela da sociedade exige e espera é mais uma frente de batalha na guerra pela liberdade de existir, pela ocupação dos lugares sociais que são delas e deles de direito e que sempre lhes têm sido negados.

A norma culta que se lasque, que se dane, que se esboroe!A norma culta que vá ralar o cu nas ostras! Saber falar o “bom português” nunca permitiu a ascensão social de ninguém, ao contrário do que prega a propaganda enganosa da pequena, pequeníssima burguesia. A mulher negra pode ter absoluto domínio do “padrão culto”, mas já encontra muitas portas fechadas por ser mulher e negra. Então que jogue esse padrão, esse patrão no lixo e parta para a luta com as palavras que são dela!

A partir de hoje, quando me chamarem de defensor do vale-tudo vou dizer que sim, defendo o vale-tudo na língua. Se a elite reacionária, escravocrata e genocida se vale de tudo o que tem para não ceder um milímetro de sua riqueza obscena, e isso inclui evidentemente sua forma de usar a língua, ao lado dos golpes de Estado, das arbitrariedades judiciais e do uso explícito das armas de fogo contra o povo e seus verdadeiros representantes, não tem por que exigir dos oprimidos nenhum tipo de adequação, muito menos linguística.
Toda e qualquer maneira de falar vale ouro na luta contra o fascismo!

quinta-feira, 17 de maio de 2018

AVESSO DA PALAVRA


 
Disponível em:

https://amzn.to/2KB2xMN
                 


                              



“O que digo é um desdizer como cuspir para dentro, não reverbera”, “Tenho medo dos dicionários que dizem palavras presas”.





Um percurso pelo Avesso da Palavra
Palavra, tempo, memória: são as peças que escolho para seguir o fio que me conduz pelo Avesso da palavra.
É preciso de um fio condutor: existe um, dado pela sequência de poemas, e também vários, puxados por cada leitor, que se deixa perder na solidão da “cartografia vencida” do poeta, labiríntica como o ser.
Falo do poeta, mas falo de mim. Falo do poeta, mas do sujeito em devir. Permitem-me isso a ausência de títulos para os poemas, os movimentos que sugere cada parte do livro (uma ordem, entre outras possíveis), além do próprio jogo proposto pelo trabalho que é feito com a palavra.
Colocar a palavra pelo avesso, dobrá-la/desdobrá-la, é buscar pela “despalavra”, é “catar feijão”. É , como diria Roland Barthes, “trapacear” o tempo inteiro com a linguagem, como um jeito de não se aprisionar pelo seu “fascismo”: tentativa de dizer as coisas, o mundo, as coisas do mundo, por imagens, como no primeiro poema, em que tempo, morte e baía sem peixes e crustáceos são encadeados de forma a compor uma unidade que não se basta e é sempre movimento: “Os estômagos das palavras fazem cadeia [...] / Explosões destes estômagos e seus cais”.
O “homem palavra”, sujeito que se elabora nos poemas, reconhece que é feito de linguagem, mas anda “à procura de palavras para abafá-las”. E, embora as palavras sejam pouco para o mundo, contraditoriamente, é por meio delas que se pode “focinhar a vida e gritá-la como se assim ardesse menos”.
Assim é que Paulo Vasconcelos desnuda o teor do seu fazer poético, como é possível perceber em inúmeras passagens da travessia: “Eu lia com as mãos [...] / Eu aprendia com todo o corpo / Hoje fecharam as mãos para o mundo e se aprende só com as letras”, “O que digo é um desdizer como cuspir para dentro, não reverbera”, “Tenho medo dos dicionários que dizem palavras presas”.
Nesse jogo, entretanto, Vasconcelos faz reverberar, além da literatura oral, Manoel de Barros e João Cabral de Melo Neto, outras vozes, como a de Octavio Paz, para quem a imagem poética tem o objetivo de dizer o indizível. Escreve Vasconcelos: “Poemar é nada dizer dizendo o que é inacessível”.
É precisamente por conta dessa busca sem fim e pela impossibilidade de representar a realidade que, segundo o olhar de Barthes, existe a literatura. Dessa maneira, faz-se a poesia de Vasconcelos: “O real nos doerá para sempre” (Orides Fontela).
Por essa trilha, tempo e memória são tramados e destramados ao longo dos poemas, que, no desengasgar da palavra, expõem um sujeito que se reconhece incerto e se reelabora através da linguagem:
Meu coração não tem fibra
O poema dá-lhe franja
Mas não finjo nem digo
Apenas assoletro o que o juízo me dita
Junto com as minhas mentiras
Verdade escolhidas
No manto do homem palavra

Se a percorro de posse de uma “cartografia vencida” e colho os signos pelo avesso, a memória, o passado, com que me deparo é refeito “por imagens, por eflúvios, por afeto”:

Não sei de onde venho,
Não sei de onde fui,
Sei que sou de nada
Sou estampa desbotada entre pedaços de linhas retrós
Botões em costureiro velho

Nesse sentido, vários elementos são combinados de forma a compor uma espécie de mitologia pessoal, atravessada, além de leituras – algumas já destacadas – por diversos símbolos.
Estes remontam a tempos e espaços singulares (a infância, o Nordeste, a cidade de São Paulo...), entretanto, simultaneamente, mitificados: “No pão doce do meu pai / as abelhas estancavam [...]/ Pintando aos abanos as tardes na padaria”, “Caranguejos [...] / que silenciosamente confabulam com nichos de águas e dejetos assoletrando / Capibaribe”, “[ ...] o sol batendo nas arueira do sertão”, “Um coração vazio e aliviado como cabaça na seca”, “flores de sabugueiros”, “cianinhas brancas”, “Minha vó ao centro da máquina pedia-me / A colher e punha se a mexer o açúcar / Que coloria a casa de sabores de notas violadas”, pés de castanheiras, “E me apaulistei pouco a pouco mas nunca esquecerei / Das vogais do meu coco catolé”, “Nas vielas da cidade adotada falta cheiro de cajueiro / Tem ausências de cantares de borboletas no cio”, “Vendia abacaxi no centro e dizia o mior abacaxi de Sampalo com cheiro de me de abelha” são algumas das imagens que constituem um sujeito em devir: palavra, bicho, árvore, cidade...
O passado recuperado pelas palavras não é o espelhamento de uma sequência de fatos vivenciados por um verdadeiro eu, mas resultado de um processo de leitura e reescrita de si levado a cabo pelo sujeito múltiplo que ganha corpo nos poemas.
Sem pretender esgotar os sentidos para a poesia de Paulo Vasconcelos, esta breve travessia é, portanto, um convite para que o leitor trace seu rumo por entre as brechas da linguagem, por suas dobras. Mediante esse traçado, é possível desfrutar do prazer do texto, ao percorrer o espaço de fruição que se cria entre escritor e leitor pela dialética do desejo que entre eles se estabelece.

Antonio Laranjeira
Doutor em Teoria da Literatura
Universidade Federal da Bahia (UFBA)

-->



















Disponível em:

https://amzn.to/2KB2xMN

quinta-feira, 10 de maio de 2018

UM POVO SIMPLES-alguns- QUE SABE SE UNIR - ACAMPAMENTO MARISA LETÍCIA CAPTURA DO FACE




LUCIANA HIDALGO -sempre lúcida, clara ,direta e boa de tiro ao alvo, leiam:












Luciana Hidalgo
Hoje faz um mês da prisão de Lula e só ouço belas histórias do acampamento de brasileiros que o apoiam diariamente numa área próxima à PF em Curitiba. São camponeses, sem-terra, sem-teto, estudantes, professores, trabalhadores em geral, famílias inteiras, gente de todo o Brasil reunida em torno de um ideal: a defesa de um projeto de país mais igualitário socialmente e menos racista, implementado-simbolizado por Lula. Eles dividem comida, trocam livros, organizam shows e saraus de poesia. De manhã dão bom-dia coletivo, ao entardecer dão boa-noite. Para que Lula os saiba ali, atentos e fortes. 
O movimento de resistência é tão pacífico e encantatório que atrai moradores da cidade: uns doam alimentos e cobertores, uns abrem suas casas para que acampados lá cozinhem, uns oferecem água, uns cedem suas senhas wi-fi. Além da vigília, criaram ali perto a Casa da Democracia, que organiza debates com sociólogos, cientistas políticos e professores de Direito, projeta filmes e acolhe jornalistas e ativistas de direitos humanos vindos de países como França e Alemanha. Há também fascistas que passam, xingam e atiram (um desses acertou duas pessoas). Houve até um policial (da PF!) que surtou e entrou quebrando tudo. Mas são episódios isolados, logo ignorados por pessoas concentradas na defesa de seus direitos, que agora entendem o que têm a perder quando um governo ilegítimo assume um país na marra e vive de conluio em conluio com elites ruralistas, empresariais, legislativas e judiciárias. 
Sem o Facebook, eu não saberia de nada do que está acontecendo. Não saberia que nesse momento histórico um movimento social dessa magnitude se organiza e dá uma aula de cidadania. Diariamente leio posts das pessoas que lá estão, ouço suas histórias divulgadas em vídeos pelos honrosos repórteres da Mídia Ninja e dos Jornalistas Livres. Pela primeira vez na vida, vejo tantos camponeses, trabalhadores em geral, com tanta consciência política
Nada melhor poderia ter acontecido no Brasil do que o golpe de 2016, que expôs da forma mais escabrosa toda a ignorância e ganância de uma ideia caquética, escravocrata, de Brasil, em total desalinho com a ideia de democracia das grandes potências mundo afora. 
Essas pessoas acampadas em Curitiba não saem nos grandes jornais, tampouco seus pequenos grandes feitos, e até parecem invisíveis, mas nas pesquisas de intenções de votos são mais do que visíveis: palpáveis. Nas estatísticas dos institutos de pesquisa, são mais: gigantes. Elas não vão a Curitiba por mortadela nem por uma idolatria tola. Vão porque sabem dos seus direitos. Vão porque entenderam tudo. Tudo. E isso tem aterrorizado os machões fascistinhas que saem por aí xingando e atirando. Esse povo, que era dos interiores, dos sertões, das periferias urbanas, entendeu que não é minoria e sim maioria. Agora dá até para entender os tiros, o ódio, esse filho bastardinho do medo. A cada nova pesquisa de intenções de votos, fascistinhas tremem. Porque, sabemos todos, a melhor vitória é a das urnas.