REDES

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Londres alberga la primera exposición de arte enteramente comestible


Londres alberga la primera exposición de arte enteramente comestible
Las materias primas son azúcar, galletas y chocolate. La muestra "Cake Britain" alude a la fiesta del té de Alicia en el País de la Maravillas.
MATERIALES. Azúcar, galletas y chocolate sustituyen a los óleos y lienzos bajo el concepto "Mad Artists Tea Party" ("La fiesta del té de los artistas locos") que ha dado lugar a "Cake Britain", la muestra.
Los artistas británicos más golosos han aunado fuerzas con los reposteros más creativos para organizar una exposición de arte comestible que podrá visitarse desde hoy viernes hasta el próximo domingo en la capital británica.

Azúcar, galletas y chocolate han sustituido a los tradicionales óleos, lienzos y escayolas como materias primas para la creación artística bajo el concepto Mad Artists Tea Party (La fiesta del té de los artistas locos) que ha dado lugar a Cake Britain, la primera exposición de arte completamente comestible.

En un guiño a la fiesta del té más célebre de la historia de la literatura, una pequeña escultura con Alicia en el País de la Maravillas como protagonista preside la exposición en la galería The Future Gallery de Londres. En la pared, la cabeza de un reno de galleta con virutas de chocolate da una vuelta de tuerca a la decoración más tradicional.

En este festival de lo dulce no podía faltar la producción repostera por excelencia: una tarta nupcial con varios pisos y más de metro y medio de altura en la que, para no desentonar en originalidad con el resto de esculturas comestibles, sorprende un reloj de cuco que sobresale de uno de los pisos. Y para que los visitantes no se olviden de que no todo lo apetitoso tiene por qué tener aspecto azucarado, unas pequeñas hamburguesas con patatas fritas hechas con bizcocho y azúcar destacan entre la serie de creaciones inspiradas en la repostería.

David A. Smith, considerado por la prensa británica uno de los "artistas jóvenes más prometedores", Prudence Staite, experta en crear cualquier cosa imaginable a partir de comida, y Jellymonger-Bompar & Parr, que diseñan espectaculares montajes culinarios, a veces a escala arquitectónica, son algunos de los creadores presentes en esta exposición con fines benéficos.

Aunque la entrada es gratuita, los visitantes pueden hacer donaciones que irán destinadas a varias organizaciones benéficas británicas para objetivos como el apoyo a niños con enfermedades terminales o el comercio justo. Como muchas otras exposiciones, las obras de arte de la muestra están a la venta, aunque este es el único caso en el que, tras la compra, las creaciones tienen más posibilidades de acabar en los estómagos que en las casas de los compradores.


Fuente: EFE y La Vanguardia.

O SONHO DE DRUMMOND

O SONHO DE DRUMMOND





RAMON MELLO RAMON MELLO EM 8:02 PM 0 COMENTÁRIOS
um fã, junto com o amigo, deixou um bilhete para Renato Russo e recebeu como resposta uma carta com sugestões de leituras.

"Uma boa idéia rapazes é ler livros. Aí vocês verão que nem sou tão original"

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

O caso Sakineh Astiani


By JORNAL DO COMËRCIO RECIFE PE Publicado em 20.08.2010

O caso Sakineh Astiani
Selma Vasconcelos




A sexualidade feminina, desde a Grécia clássica, foi sempre alvo de preocupação e teorização, havendo a origem mítica da sociedade matriarcal impregnado as ideias relativas à esfera da sexualidade e do papel da mulher na criação do mundo.

No entanto, as ideias evolucionistas de Darwin, no século 19, influenciaram desde a religião à economia e ciências sociais. Na antropologia, o suíço J.J. Banhofen aplicou a linha progressista para fortalecer a ideia de evolução das primitivas sociedades matriarcais para o patriarca, atribuindo – à vitória dos deuses masculinos sobre as deusas-mães. A razão desta "progressão" não seria outra senão aquela de controlar a promiscuidade sexual das sociedades primitivas que deixavam a mulher em situação de domínio por ser a única a poder apontar a paternidade dos filhos gerados por acasalamentos circunstanciais e sem vínculo afetivo. Ao homem reservava-se o papel de mero reprodutor.

Posteriormente, Marx e Engels, desprezavam as razões míticas para explicar a origem do patriarcado e atribuíram esta mudança da ordem social, à introdução do princípio da propriedade privada. Isto porque, os homens vitoriosos em combate e defesa de seus territórios, só admitiam legar os seus bens aos filhos consanguíneos e, portanto "legítimos". Daí a criminalização do adultério como delito passível de pena capital.

A questão da terra também se relaciona com a divisão de trabalho por gênero, atribuindo ao homem maior capacidade de controle da natureza, de criar novas tecnologias e de vencer as guerras.

Para consolidar este poder masculino devemos nos remeter ao mito cristão legitimado no Gênesis da Bíblia Hebraica que atribui a "parturição" da mulher a partir da costela de Adão. O relato bíblico foi tomado, durante a inquisição, como testemunho da devida submissão do gênero feminino e (pasmem!) da propensão da mulher à maldade, uma vez que "nasceram de um pedaço curvo que seria exatamente o oposto da retidão atribuída ao homem gerador de sua vida” (O martelo da feiticeira - 1486).

O Gênesis também legitima a mulher como culpada pela desestabilização da relação do homem com Deus, sacralizando assim a cisão entre sexualidade e afeição e a relação de domínio do homem sobre a mulher e a natureza. Estava assim santificada a estrutura patriarcal que existe até nossos dias.

O caso da iraniana Sakineh Astiani condenada à morte por apedrejamento ou enforcamento, por adultério, é um exemplo contemporâneo do poderio patriarcal atávico agravado por um regime autoritário, intolerante e fundamentalista. Segundo entrevista da ré ao jornal The Guardian, o assassino do seu marido foi condenado e preso mas não lhe foi cobrado o preço do delito com a própria vida. A sociedade do século 21, particularmente o gênero feminino, por haver percorrido duro caminho para conquista de seus direitos, repudia o abuso de poder em qualquer esfera que nos perpetue na posição de inferioridade desigualdade e injustiça.

» Selma Vasconcelos é professora universitária e membro da Sociedade Brasileira de Escritores Médicos

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Fotos I Congresso- Franco Brasileiro sobre Psicanálise, Filiação e Sociedade



Professor Paulo Vasconcelos -primeiro a esquerda -dissertou sobre: Mídia e Adoção, representando a LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES: ANHEMBI MORUMBI SÃO PAULO-

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Jornalistas de língua portuguesa se reúnem na Bienal Lusofonia é um dos quatro eixos desta edição da feira

Jornalistas de língua portuguesa se reúnem na Bienal
Lusofonia é um dos quatro eixos desta edição da feira

Eventos
PublishNews - 16/08/2010 - Redação

Nesta segunda e terça, a Federação dos Jornalistas de Língua Portuguesa (FJLP), com apoio da CBL, promove a Conferência de Jornalistas de Língua Portuguesa durante a 21ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo.

O tema tem tudo a ver com esta edição da feira, que, além de homenagear os escritores Monteiro Lobato e Clarice Lispector, vai discutir o livro digital e, justamente, a lusofonia. A organização convidou ainda os africanos Mia Couto e José Eduardo Agualusa para conversar com o público.

Os temas em destaque na conferência são "O jornalismo de Língua Portuguesa nos veículos públicos e privados nos países lusófonos" e "A cobertura jornalística nos - e sobre - os países de Língua Portuguesa". Além de São Paulo, a programação se estende a Porto Alegre até o dia 22 de agosto.

Paralelamente, será realizada a exposição fotográfica “Portugal Tri-Legal”, da jornalista brasileira radicada naquele país Mônica Delicato

Programação

Dia 16
11h - Conferência: O Jornalismo de Língua Portuguesa nos veículos públicos e privados nos países lusófonos. Conferencistas: Pedro Bicudo, da Rádio e Televisão Pública- RTP Açores (Portugal); Hulda Moreira, da RTP África (Cabo Verde); Rose Nogueira, da TV Brasil em São Paulo; e Messias Constantino, do Jornal de Angola (Angola). Mediador - Eduardo Constantino, da Rádio Nacional de Moçambique

Dia 17
10h - Conferência "A cobertura jornalística nos - e sobre - os países de Língua Portuguesa". Conferencistas: Carlos Fino, jornalista português radicado no Brasil; Mônica Delicato, jornalista brasileira radicada em Portugal; Mamadu Candé, da rádio nacional de Guiné Bissau; e Amarildo Santos, do Sindicato dos Jornalistas de São Tomé e Príncipe. Mediador: Paulo Markun, da Empresa Brasileira de Comunicação (TV Brasil)

A cobertura da 21ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo pelo PublishNews tem o apoio da Imprensa Oficial do Estado de São Paulo.

domingo, 15 de agosto de 2010

Publican un diario inédito del viaje de Bioy Casares a Brasil

by REVISTA Ñ
Publican un diario inédito del viaje de Bioy Casares a Brasil
El escritor recorrió San Pablo, Río de Janeiro y Brasilia, en 1960. El libro "Unos días en Brasil" sale el próximo mes. También hizo fotos.
Por: Madrid
ATENTO. Bioy Casares documentó el recorrido que hizo con un grupo convocado por el Pen Club.
AnteriorSiguiente

1 de 1

"Ahora estoy bastante solo en el mundo porque no tengo ni mi hija ni mi mujer, entonces escribo diarios de viaje", decía Adolfo Bioy Casares en una entrevista, en 1997.

Decía la verdad, seguro, el autor de La invención de Morel. Pero también, seguro, mentía un poquito: venía escribiendo diarios de viajes desde mucho tiempo antes.

El mes que viene se publicará, en Argentina y en España, Unos días en el Brasil (Diario de viaje) : un texto en el que Adolfo Bioy Casares cuenta sus impresiones del recorrido que hizo, en 1960, invitado por el PEN Club.

No en vano, en el epílogo de este libro, el editor Michel Lafón se pregunta: "¿Y si Bioy fuera el mayor diarista del contiente? Es una idea fundada la de Lafon: Adolfo Bioy Casares es el mismo hombre que apuntó con minuciosidad durante años sus conversaciones con Jorge Luis Borges y después las publicó en Borges, ese libro enorme (1700 páginas) en las que no se salva nadie, ni siquiera el querido amigo Borges. El que escribió los relatos íntimos que se publicaron en sus Memorias (1994) y Descanso de caminantes (2001).

En fin, esta vez se trata de un volumen de unas cien páginas que saldrá el mes que viene. En nuestro país, lo publica la editorial La Compañía y en España, Páginas de Espuma. En España, además del libro, la Galería Guayasamín de Casa de América hará una exposición con las fotos que tomó Bioy durante ese viaje.

Como siempre, Bioy cruza en Unos días..

. lo que ve, lo que le pasa, lo que piensa de lo que aparece delante de sus ojos. Esta vez, lo que pasa en Río de Janeiro, San Pablo y una Brasilia que se estaba recién inaugurando.

De esa experiencia, textos y fotos, Bioy Casares hizo una pequeña edición de doscientos ejemplares que repartió entre la familia y los amigos, según contó Juan Casamayor, editor de Páginas de Espuma.

Como era un viaje del PEN Club, con él había otros autores, entre ellos Alberto Moravia o Graham Green. Parte de las anécdotas cotidianas de ese viaje incluye a estos personajes. Otros aspectos son la descripción de los ambientes que recorren o la decepción de Bioy ante Brasilia.

Lafon, el editor, dijo que no sabe por qué Bioy aceptó la invitación: "No tiene nada que decirles a los otros invitados, rechaza las amistades obligadas y los ejercicios impuestos, odia la retórica vacía, no quiere hablar en público", contó.

Quizás la respuesta esté en esa entrevista que Tomás Barna le hizo en 1997: "La aspiración es que el viaje exterior sea un viaje interior y se enriquezca con las reflexiones o con lo que valga de esa persona que está escribiéndolo".

Así fue como, se dice que dando alguna excusa, en 1967, Bioy Casares se lanzó a otro viaje: esta vez fue solo y anduvo por Europa en un auto alquilado.

Llevaba ­era un escritor­ un cuaderno en el que un cuaderno en el que iba registrando lo que le pasaba. Las cartas que les mandó entonces a su esposa, Silvina Ocampo, y su hija Marta, conformaron el libro En viaje.

Cien páginas, reflexiones, observaciones, fotos. Así es lo "nuevo" de Bioy, que está a punto de salir del horno.

Se espera, del Bioy que mira Brasil, algo de asombro y algo de desconcierto. Por lo menos será así si se atiende a las palabras que él mismo escribió en Descanso de caminante : "Es bien sabido que el viajero cuando llega a tan lejanas regiones, no sabe donde está y padece de una extraña confusión que lo mueve a reconocer, a recordar parajes que nunca ha visto. Con valerosa frivolidad afirma entonces "por aquí he pasado".

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Workshop de Samba e Forró em Lisboa


Workshop de Samba e Forró em Lisboa
Por: Rita Brandão Guerra | 25 de Janeiro de 2010 | Sem comentários |

Um Workshop de Samba e Forró com professores brasileiros terá início sábado, dia 9 de Janeiro, em Lisboa, e está aberto ao público em geral. O curso realiza-se na Associação Solidariedade Imigrante e terá a duração de quatro sábados entre as 18h30 e as 20h00, com um custo total de 30 euros, podendo os interessados frequentar sessões individuais a 8 euros cada.

Carmen Queiroz, uma das professoras e responsáveis pelo Workshop explica que «por mais que sejam ritmos que podem ser dançados a dois, o objectivo é trabalhar a nível individual». Com este curso pretende-se que «as pessoas desacompanhadas possam aprender forró num estilo mais forró pé de serra, mais tradicional, e no caso do samba o estilo samba no pé que é diferente do samba de salão ou de gafieira», acrescenta a professora.
Os mentores deste projecto em Portugal, Pedro Pernambuco e Carmen Queiroz, são investigadores, bailarinos, coreógrafos e professores de Dança Brasílica, danças inspiradas nos ritmos do Nordeste Brasileiro. A professora explica: «Somos brasileiros, estamos em Portugal há 10 anos e somos professores formados pelo método de Dança Brasílica, método desenvolvido por André Madureira, director e responsável pelo internacionalmente conhecido Balé Popular do Recife.»

Empenhada em trazer as danças populares brasileiras para Portugal, Carmen Queiroz assegura que a receptividade dos portugueses tem sido boa e que se estende também a diversas comunidades emigrantes. Para isso apostam na divulgação dos seus cursos nas universidades e na Internet e não impõem qualquer restrição de idade. As aulas terão cerca de 15 alunos, mas se as inscrições forem feitas previamente este número poderá ser excedido.

O objectivo é continuar a apostar em workshops diversificados e um dos próximos projectos apela à participação no Carnaval de Almada, como refere a professora: «Os interessados deverão inscrever-se o quanto antes. As aulas serão na Casa da Juventude em Cacilhas, às terças e quintas-feiras das 19h00 às 22h00 e aos sábados entre as 15h00 e as 17h00.»

Mas há mais. Em Fevereiro os ritmos serão também africanos, já que a associação contará com a presença de Maio Coopé, da Guiné-Bissau, para um workshop de percussão. A Associação Solidariedade Imigrante acredita prestar com os seus cursos um serviço à cultura, divulgando diversos aspectos das comunidades emigrantes residentes em Portugal através de um projecto de interculturalidade permanente.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Mundo tem 130 mi de livros, diz Google

BY FOLHA



DE SÃO PAULO

Uma pesquisa realizada pelo Google na semana passada divulgou que há 129.864.880 de livros no mundo. A pesquisa teve como base o Google Books, projeto de digitalização de livros da empresa.

Para chegar ao número, o Google coletou informações com mais de 150 fontes do mundo, incluindo bibliotecas, livrarias, catálogos coletivos nacionais e provedores comerciais.

O primeiro resultado desta triagem apontou a existência de quase 600 milhões de volumes no mundo.

A segunda etapa da contagem tentou identificar as várias edições de um mesmo livro ou então obras que são lançadas por editoras diferentes, com nomes distintos.

Segundo a equipe da pesquisa, o livro "Programando em Perl, 3ª edição", por exemplo, tem 96 registros diferentes em 46 fornecedores. Outro caso é "At the Mountains of Madness and Other Tales of Terror", de H.P. Lovecraft, lançado nos EUA por duas editoras diferentes.

Após a nova apuração, a quantidade caiu para 210 milhões de obras diferentes no mundo. Houve então uma nova avaliação, que excluiu textos impressos como relatórios, transcrição de gravações, mapas e outras publicações que não poderiam ser classificadas como livro.

O Google calculou, por fim, 146 milhões de exemplares impressos e encadernados. A última etapa da pesquisa excluiu documentos governamentais e folhetins e artigos autônomos que, na verdade, foram idealizados como um volume único.

Chegou-se ao número de 129.864.880 de livros diferentes no mundo. Os dados referem-se, porém, apenas até o último domingo.

Segundo o Google, o ISBN, sistema internacional padronizado que identifica numericamente os livros segundo o título, o autor, o país e a editora, foi apenas parcialmente considerado pela pesquisa, porque só passou a ser amplamente adotado no mundo no início dos anos 1970.

sábado, 7 de agosto de 2010

TEATRO SANTA ISABEL- RECIFE -PE.

Tese de participação dos EUA no golpe ganha força por Admin última modificação 23/07/2010 15:09

Ex-candidato à presidência afirma que governo atual é dirigido por Washington


23/07/2010



Renato Godoy de Toledo

do enviado a Tegucigalpa (Honduras)



Os EUA tentam vender a imagem de que Honduras vive um governo de conciliação, onde não há violação aos direitos humanos e a resistência praticamente não existe. Essa é a visão de Carlos H. Reyes, sindicalista hondurenho e ex-candidato à presidência da República de Honduras, em 2009. Atendendo aos movimentos sociais, Reyes foi um dos candidatos que desistiu do pleito e engrossou o boicote ao processo eleitoral.



Para o sindicalista, o governo de Honduras, desde o golpe de junho de 2009, tem suas ações baseadas nos interesses de Washington, basicamente. “O embaixador dos EUA aqui [Hugo Llorens] é quem dirige o governo. Eles tentam unificar o Partido Liberal para dividir a resistência e continuam aumentando o poder das Forças Armadas, dando- lhes mais armas e dinheiro. Além disso, há dois meses instalaram a segunda base militar no país, em meio a uma zona indígena onde há petróleo e água”, aponta.



Sob essa constatação, Reyes afirma que o golpe em seu país é parte de uma estratégia dos EUA de retomar o controle sobre a América Central.





Zelaya acusa

No aniversário do golpe de Estado em Honduras, o presidente deposto Manuel Zelaya afirmou que as ações que o tiraram do poder foram orquestradas pelos EUA. O país administrado por Barack Obama, inicialmente, mostrou-se contrário ao golpe, mas foi uma das poucas nações a reconhecer as eleições de novembro de 2009. “Tudo indica que o golpe foi orquestrado na base militar de Palmerola, pelo Comando Sul dos EUA, e executado torpemente por maus hondurenhos. O tempo e o apoio público que os EUA terminaram dando ao golpe e àqueles que o executaram confirmam sua participação”, afirma a carta enviada por Zelaya, desde seu exílio na República Dominicana.



O porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Mark Toner, limitou-se a dizer que a declaração do ex-presidente é “ridícula”.

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Morre o cineasta Joffre Rodrigues, filho de Nelson Rodrigues


Morre o cineasta Joffre Rodrigues, filho de Nelson Rodrigues
Filho mais velho do jornalista e dramaturgo Nelson Rodrigues, dirigiu 'O Vestido de Noiva'
BY ESTADAO
Roberta Pennafort

Morreu na noite desta quinta, 5, no Rio de Janeiro, o cineasta Joffre Rodrigues, filho mais velho do jornalista e dramaturgo Nelson Rodrigues e diretor de "O Vestido de Noiva" (2006), filme baseado na peça do pai. Ele tinha 68 anos - faria 69 semana que vem - e estava hospitalizado por conta de uma cirurgia no coração realizada havia duas semanas (foram trocadas válvulas do coração implantadas nos anos 1990). O corpo será cremado no Rio.
Marcelo Bravo/Divulgação
Marcelo Bravo/Divulgação
Joffre Rodrigues tinha 68 anos

Bem antes de estrear como diretor, Joffre havia trabalhado como produtor de outros filmes que se basearam na obra do pai, como "Bonitinha Mas Ordinária" (1963) e "A Falecida" (1965), ambos ainda na juventude, e "Boca de Ouro" (1990). Começou no cinema como ator, com apenas nove anos, no filme "Somos Dois" (1950), dirigido por seu tio, Milton Rodrigues, e com roteiro do pai.

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Raimundo Carrero e Edney Silvestre vencem 3ª edição do Prêmio São Paulo de Literatura

Raimundo Carrero e Edney Silvestre vencem 3ª edição do Prêmio São Paulo de Literatura
by UOL

Sérgio Figueiredo / Folhapress

O escritor Raimundo Carrero, autor do melhor livro do ano pelo Prêmio São Paulo de Literatura, na biblioteca de sua casa em Recife (08/12/2005)
BIENAL DO LIVRO: TERROR E PERSONALIDADES
ESPECIAL FLIP 2010
RESENHAS DE LIVROS
"A Minha Alma É Irmã de Deus", de Raimundo Carrero, e "Se Eu Fechar os Olhos Agora", de Edney Silvestre, foram os vencedores do Prêmio São Paulo de Literatura, anunciado esta segunda-feira (2) em cerimônia no Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo. Carrero ganhou prêmio de melhor livro do ano e Silvestre, de melhor livro de autor estreante.

Em sua terceira edição, o prêmio é concedido pelo Governo do Estado de São Paulo, via Secretaria de Estado da Cultura, e dá R$ 200 mil para cada um dos vencedores.

Os livros finalistas, todos de 2009, foram divulgados no último mês de maio no Festival da Mantiqueira, em São Francisco Xavier (SP).

Os premiados foram selecionados por júri composto por Walther Moreira Santos, Luís Felipe Pondé, Moacyr Scliar, Plínio Martins e Valentim Facioli.

Em 2009, os vencedores foram "Galiléia", de Ronaldo Correia de Brito, como melhor livro do ano, e "A Parede no Escuro", de Altair Martins, como melhor obra de autor estreante. Na primeira edição do prêmio, em 2008, venceram "O Filho Eterno", de Cristóvão Tezza e "A Chave de Casa", da estreante Tatiana Salem Levy.

Veja abaixo a lista de livros que concorriam aos prêmios, com os vencedores em destaque.

:;Melhor Livro do Ano

Bernardo Carvalho, "O Filho da Mãe" (Companhia das Letras)
Chico Buarque, "Leite Derramado" (Companhia das Letras)
João Ubaldo Ribeiro, "O Albatroz Azul" (Nova Fronteira)
Luiz Ruffato, "Estive em Lisboa e Lembrei de Você" (Companhia das Letras)
Ondjaki, "AvóDezanove e o Segredo do Soviético" (Companhia das Letras)
Paulo Rodrigues, "As Vozes do Sótão" (Cosac Naify)
Raimundo Carrero, "A Minha Alma É Irmã de Deus" (Record)
Reinaldo Moraes, "Pornopopéia" (Objetiva)
Ricardo Lísias, "O Livro dos Mandarins" (Alfaguara)
Rodrigo Lacerda, "Outra Vida" (Alfaguara)



Brisa Paim Duarte, "A Morte de Paula D." (Edufal - Alagoas)
Carlos de Brito e Mello, "A Passagem Tensa dos Corpos" (Companhia das Letras)
Carol Bensimon, "Sinuca Embaixo D'Água" (Companhia das Letras)
Cíntia Lacroix, "Sanga Menor" (Dublinense)
Claudia Lage, "Mundos de Eufrásia" (Record)
Edney Silvestre, "Se Eu Fechar os Olhos Agora" (Record)
Ivana Arruda Leite, "Hotel Novo Mundo" (Editora 34)
Ivone Castilho Benedetti, "Immaculada" (WMF Martins Fontes)
Lívia Sganzerla Jappe, "Cisão" (7 Letras)
Maria Carolina Maia, "Ciranda de Nós" (Grua Livros)

domingo, 1 de agosto de 2010

A Infância Mídia e Adoção

Escrevendo para o Congresso sobre Adoção no Recife , logo mais, me deparei com algumas questões que quero aqui dividí-las com nossos seguidores e visitantes.
O que a Mídia pensa acerca da infância?
Tem ela interesse em responsabilidade Social para com A Infância e Adoção?

Seria um contra senso sermos ingênuos e acreditar que sim, pois a mídia vende, e o que não vende não é veiculado.
A Infância vende, miséria, morte,violência, pedofilia etc.
Infância pois é mercadoria na mídia, e nada mais.
A mídia com a publicidade, sua gerente, sabe muito bem de Psicanálise no sentido-aplicá-la como estratégia, e assim acertar o inconsciente;esta psicanálise aplicada Baudrillard já nos convencia :a mídia sabe extremadamente fazer o que quer e, entende, pelo nosso bolso inconsciente.
A infância é estratégia na publicidade, para vender, para tocar-nos, no sentido de vender, a mídia como nos disse a psicanalista, Anamaria Vasconcelos acerca da Infância e adoção na mídia:" Ela é denúncia, mas jamais responsabilidade social."
A mais valia interdita-a para tanto- infância e adoção- são produtos que se vende, para quem quer comprar , audiências etc....acordos políticos com ministérios e juizados nacionais, pois é mais valia também.
Estar bem com o poder é compartilhar do mesmo e fazer trocas econômicas
O folhetim , nas mídias seu baú de ouro é microscopicamente estruturado ideologicamente, para mais vender e ajustar acordos.
Nenhum dos tantos escritores - novelistas, escrevem o que bem entende, escreve, o que pode e permitem, manda a empresa, os patrocinadores e a audiência.
O amor romântico, perverso, pouca importa se predicado desta ou de outra forma qualquer , vende, pois acerta no público, causa impacto,pega identidades, comove, mas se o faz , faz por tocar o seu consumidor, e não importa o que ele seja, equilibrado, mórbido, doente, enfim, se consome é que basta.
A adoção para eles é acordo, com o pode e forma, maneira de atingir o público, que no seu remorso cristão é pego pela mídia.Adoção é notícia, e notícia é aquela que vende que impacta e marca- na aparência e simulação.
quantos atores mirins foram consumidos pelas mídias? Muitos, e muitos estão na miséria, não lhes interessa este humanismo.
A ética midiática é uma nova invenção do mundo do consumo e não se agrega ao conceito filosófico da mesma, a mídia está se lixando para a Filosofia, ja nos lembrava Deleuze.