sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Em RECIFE

A cidade caminha com os homens, como as pedras com o vento, como o sistema de planetas. Recife, como dizia meu amigo Orlei Mesquita,pernambucano, é uma mulher , sempre molhada, rasa e viva. A cidade e seu tempo toma nervos mais densos, o que nao sei se é bom, e é um centro cosmopolita. Os recifenses tomam hábitos novos de megalopóle e uma nova poesia lhe envolve e fica surda, como o tempo que não escuta tudo.Os ventos usam novas próteses e já nao canta como dantes.A cidade é uma mulher de dentes afiados, como a mulher de Placidus.Recife, tem novas violas e seu tônus é elétrico. Não se escuta os trens e bondes, nem ondas rasas do Capirabibe.Suas praças não mais se sentam, nem tem cheiros de águas, nem de doce do homem do algodão doce.Tem cheiro de azedo de restos de Macdonaldes,podre como os que criaram, e gosma de Colas derramadas. A cidade continua esguia carregando sua história no bolso, calada quieta e assim indo entra ela em mais um ano. Recife continua com seus arrecifes gastos pelo empurra-empurra das águas de pedra liquída,mas que liquida seus ares de praias e assim sendo, ela gasta seus dentes dizimando suas areias- engolidas pelas águas, mas há ainda esperança mesmo num ano, que diz como tal, nessa contagem quase inútil dos ponteiros. O que importa é ela é viva como os mortos calados, colados,mas amalgamado em pátios que se diz progresso, mas não como sua rua do mesmo nome. Persistem as bruxas- musas como Luzilás-linda, e os sopros poéticos de Cabral,Bandeira,Maria do Carmo.B Campelo,Lourdes Horta, Angelos, etc...Recife ainda respira forte para novo aporte de um novo calendário amassado em sua política .

4 comentários:

Paulo Gonçalves disse...

Recife: cidade submersa traíra cinzenta fria e bela. Umbigo do mundo nordestino, calcanhar dos aquiles no poder central. Cidade alienada estropiada pelos prostitutos do capital. Ah, Recife, toma tua história na mão e cumpre teu destino, noiva da revolução. Em tempo: no Recife, nunca “em”.

Anônimo disse...

Gostaria muito se a noticia que procurei da Iona Sanches fossem mais aberta pelas pessoas de bom senso. Ainda vejo um pais com seus dirigentes puchando as pessoaspara baixo de seus pes. Renferjos@gmail.com

Anônimo disse...

O mercado São Josê meu berço de infancia.Muita saudades.Estamos no terceiro Milênio e continuamos no segundo. Que fazer para mudarmos....renferjos@gmail.com

Anônimo disse...

Precisamos ver no fastão: Ioná Sanches e vermos suas afirmações concretas. Gostei da firmesa de suas palavras. renferjos@gmail.com