quinta-feira, 30 de abril de 2015

A literatura boliviana como explosão no mundo Latino.



A integração latino-americana está longe de ser realizada nos ideais de Simon 
Bolivar, assim, se na economia estamos a passos lerdos, tampouco na literatura estamos unidos e não dialogamos, especialmente no Brasil. A Fliporto tentou mas não foi longe, dilacerou-se no seu caminho de luzes gerais para o internacional como todo ocidental, lhe dar mais flashes. Todavia, o mundo editorial- e do jornalismo literário argentino, sempre busca essa façanha de integração  e isso vem de anos. Lê-se muito no país argentino e pela facilidade da língua hispânica, a literatura dos seu vizinhos de mesma língua, circula melhor.

A última edição da Revista Ñ-grupo Clarin traz matéria interessante sobre a literatura  boliviana assinada por Edmundo Paz Soldán .Nascido em Cochabamba, na Bolívia, em 1967. Doutor em literatura hispânica pela Universidade de Berkeley e professor de literatura latino-americana na Universidade Cornell.Aqui no Brasil duas obras suas traduzidas O Norte -2011e O delirio de Thuring 2003.

O Artigo da Revista El Clarin, Revista Ñ, Literatura boliviana: una irreverente solenidade…(http://clar.in/1pAiGQk.)inicia com a reverência e referência de dois grandes autores Jaime Saenz y Jesús Urzagasti. Saenz (1921-1986)O primeiro é destaque na poesia latinoamericana do sec XX; por sua vez Jesús Urzagasti (1941-2013), nascido em Chaco boliviano. Ele é um ficionista e poeta, Urzagasti , traz em sua poética as relações e continuidades entre a vida e a morte em que figuras malignas tem seu espaço,face ao imaginário humano . Isto vamos encontrar na sua obra destacada, De la ventana al parque (1992).

A seguir, Soldan grifa  a posição dos críticos que apontam a obra  que dá início a contemporaneidade da literatura boliviana através da obra: Jonás y la ballena rosada (1987) de Wolfango Montes (1951), de Santa Cruz de la Sierra e hoje radicado  aqui, no Brasil , onde também atua na medicina como psiquiatra.

Em contiuidade, Soldan aponta uma outra obra De cuando en cuando Saturnina (2004) de Alison Spedding (1962), escritora e antropóloga inglesa -1962, que após publicar suas obras em inglés mudou-se para Bolivia em 1989 e agregou-se ao idioma espanico. Esta obra tem na ficção um olhar feminista e indigenista, tendo um aporte forte na exploração lingüística- entre o ingles e aymara, da nação  indígena, é considerada por alguns críticos -destacada ficionista boliviana contemporanea.

Por fimo articulista aponta para o nova geração de escritores das décadas de setenta e oitenta e que vem colocando a Bolivia dentro de um destaque da literatura latinoamericana. Destaca-se entre outros,  Giovanna Rivero (1972), Wilmer Urrelo (1975), Christian Vera (1977), Fabiola Morales (1978), Maximiliano Barrientos (1979), Juan Pablo Piñeiro (1979) Rodrigo Hasbún (1981), Liliana Colanzi (1981) y Sebastián Antezana (1982).

Outro destaque do articulista é a confluência do mundo rural e urbano o que vem a enriquecer essa literatura tornando-a mais viva e um retrato mais verdadeiro dos tempos contemporaneous.

Não atoa a III FILBA- Feira Internacional de Literatura de  Buenos Aires

2014, teve inúmeros autores bolivianos convidados, só ultrapassado pelos latinos  uruguaios 

Nenhum comentário: