sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Belo Horizonte tem novo evento, segundo os organizadores, para entrar no calendário cultural: o Salão Internacional de Humor Gráfico

O iraniano Massoud Shojai Tabatabai, da revista Iran Cartoon, está em BH para o evento

A partir de hoje, Belo Horizonte tem novo evento, segundo os organizadores, para entrar no calendário cultural: o Salão Internacional de Humor Gráfico, em cartaz até 18 de outubro, na Casa do Baile. A estreia traz exposições de artistas brasileiros e de outros países, mesas-redondas, projeção de vídeos, oficinas e ações visando estimular o surgimento de novos talentos. A mostra principal, cujos premiados serão anunciados às 20h, traz cerca de 150 obras – de artistas de várias nacionalidades – e tem como tema o lixo, desde o produzido cotidianamente até o espacial, passando pelo atômico, o eletrônico, o gasoso etc. O encontro, avisam os organizadores, supre lacuna significativa: Minas, com forte tradição na área, não tinha um salão dedicado ao humor.

A primeira atividade paralela será lançada hoje, na abertura, com a presença de Ziraldo: é o prêmio escola, voltado a estudantes do ensino fundamental, matriculados em instituições de Minas, que terão até o dia 30 para enviar suas obras. O melhor trabalho e a escola do autor ganharão um computador. A primeira edição BH Humor recebeu mais de 1 mil trabalhos, de 46 países, inscritos nas categorias de cartum e caricatura. “Foi uma ótima ideia a escolha de tema que atinge o mundo todo e que, até hoje, não tinha sido abordado num salão de humor”, elogiou o iraniano Massoud Shojai Tabatabai, editor-chefe da revista Iran cartoon. “Cartuns, por serem linguagem compreensível em toda parte, podem ajudar na solução do problema”, acrescentou.

“Vamos apresentar exposição com temática social relevante, que consegue mostrar que a sobrevivência da vida e do planeta está ameaçada por diversas formas de lixo”, conta o mineiro Lor, também chargista, que participou do júri de seleção. Ele elogia a qualidade do material, mas tem críticas à visão, de muitos trabalhos, do ser humano como intrinsecamente sujão – “É algo que vem do modo de vida que levamos,” diz. Conta que a onda do computador está passando e o desenho vem sendo recuperado, e saúda o prêmio escola: “É um apoio à educação, que é meta social importante e valoriza a escola, além de abrir espaço para alunos e novos talentos". Para ele, o salão de humor se soma a outros eventos internacionais da programação cultural da capital, consolidando o nome da cidade inclusive no setor turístico.

HOMENAGEM Uma penca de nomes históricos do cartum mineiro está reunida na mostra veteranos. “É uma homenagem a quem nos inspirou a ser chargistas e a criar o salão”, explica Lute, que está à frente da organização. Ele está satisfeito com o andamento de todo o processo e explica que a proposta é tornar o evento anual. A única preocupação é com a falta de verba para um catálogo. “Mas estamos na luta”, afirma. “Trata-se de uma grande exposição, que até pelo caráter educativo do tema merecia uma publicação”, explica. A escolha do lixo como tema, ele conta, deve-se inclusive ao caráter internacional do evento, que cobrava proposta de alcance universal.

BH Humor – Salão Internacional de Humor Gráfico de Belo Horizonte
Abertura hoje, às 20h, na Casa do Baile, Av. Otacílio Negrão de Lima, 751, Pampulha, (31) 3277-7443. Aberto de terça-feira a domingo, das 9h às 19h. 
Até 18 de outubro. Informações: www.bhhumor.com.

Nenhum comentário: