segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

A SERGIO BRITO PARODIANDO DRUMMOND -RESÍDUO


De tudo ficou um pouco Sérgio
Do meu medo ao saber de ti.
Dos gritos gagos. Da rosa que tanto dissestes
ficou um pouco

Ficou um pouco de luz
captada no chapéu do teu palco

Pouco ficou deste pó
de que teu branco sapato cansado
se cobriu. Ficaram poucas
roupas, poucos papeis encolhidos dos textos
pouco, pouco, muito pouco.

Mas de tudo fica um pouco.
Da ponte com teu público
de duas folhas de grama e gana
do maço
- vazio - de cigarros, ficou um pouco.em tua língua

Pois de tudo fica um pouco.

De teu áspero silêncio, nas coxias
um pouco ficou, um pouco
nos muros zangados
no tecido da ribalta, muda, que sobe.

Ficou um pouco de tudo
no pires de porcelana de tua bebida
dos teus vídeos
ficou um pouco
de ruga na vossa testa, pelo descaso que tivestes de muitos,
retrato.de um artista

Se de tudo fica um pouco Sergio
mas por que não ficaria
um pouco em Fernanda, no trem de tua esperança
que leva ao norte, no barco,
nos anúncios de jornal declarando tua ausência, agora


De tudo fica um pouco, talvez muito.
Não muito: de uma torneira
pingara esta gota absurda,
meio sal e meio álcool, de teu afastamento de nós
salta esta perna da morte que te convidou
este vidro de relógio
partido em mil desavisos
este pescoço de cisne, que não mais dançará
este segredo infantil...
De tudo ficou um pouco:
de mim; de ti; de de Natália
Cabelo na tua manga,
de tudo ficará um pouco;
vento nas orelhas minhas, me recordando
simplório arroto, gemido
de víscera inconformada,por tua partida
e minúsculos artefatos:
campânula, lápis, cápsula
de revólver... dos teus comprimidos
De tudo ficou um pouco.

E de tudo fica um pouco.
Oh!!! abre os vidros de loção
e abafa
o insuportável mau cheiro da memória, que nos atormentará por tua aesência

Nenhum comentário: