sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

MORRE OSWALDO LOUZADA

Morreu na madrugada desta sexta-feira, 22, o ator Oswaldo Louzada, aos 95 anos. De acordo com a Globonews, a causa da morte foi falência múltipla de órgãos decorrente de uma pneumonia.



O enterro será às 17h no Cemitério São João Batista, em Botafogo. O velório será na capela 2 do cemitério.

O ator ficou conhecido nacionalmente por interpretar Leopoldo Duarte, que era maltratado pela neta Dóris (Regiane Alves), na novela Mulheres Apaixonadas, exibida em 2003, na TV Globo.



BIOGRAFIA

Oswaldo Louzada nasceu no Rio de Janeiro, em 12 de abril de 1912. Morou com a família em anexo das instalações do Teatro Recreio, onde seu pai, o engenheiro-eletricista Guilherme, o Cadete, era iluminador.

O ator fez sua estréia no teatro em 1930 na Companhia Belmira, de Almeida-Odilon, na qual trabalhava seu irmão, o ator Armando Louzada. Aos 18 anos, foi convidado por Joracy Camargo para integrar o elenco de Cortesão e companhia, e arranca gargalhada ao contracenar com Dulcina de Moraes.

No cinema, apareceu em várias produções da Cinédia, entre as quais Alô, alô carnaval, de Ademar Gonzaga, de 1936. Na Atlântida Cinematográfica, participou do primeiro grande sucesso de bilheteria da produtora: Moleque Tião, de José Carlos Burle (1943), com Grande Otelo no papel-título.

Em 1952, fez par romântico com Fernanda Montenegro em Está lá fora um inspetor, de J. B. Priestley, no Teatro Serrador, sob a direção de João Villaret . Em 1955, ao rodar Mãos sangrentas com Carlos Hugo Christensen, é premiado pela Associação de Críticos Cinematográficos como o melhor ator do ano.

Estréia na televisão em 1956 pelas mãos de Jacy Campos, no programa Câmera Um, na TV Tupi. Participa de teleteatros na TV Continental e na TV Rio. Em 1958, recebeu prêmio da Associação de Críticos Paulistas por sua atuação em A alma Boa de Setsuan, de Bertold Brecht, dirigido por Flamínio Bolloni.

Em 1959, segue outra vez para a Europa com a Companhia Maria Della Costa, que conquista com Gimba, de Gianfrancesco Guarnieri, direção de Flávio Rangel, prestígio internacional no Grande Festival das Nações, no Teatro Sarah Bernhardt, em Paris. Em 1973, conquistou o Prêmio Molière por seu personagem Carrapato, em Botequim, de Gianfrancesco Guarnieri, peça estrelada por Marlene.

Entrou para a TV Globo em 1975, na novela Escalada, e permanece no elenco da emissora até hoje. Participou das novelas Cabocla, Locomotivas, Brilhante e Mulheres apaixonadas; nesta última, tem comovente desempenho ao lado da atriz Carmem Silva.

Em 1998, recebeu a Medalha do Mérito Pedro Ernesto, por iniciativa do vereador e ator Antonio Pitanga. Seu último trabalho na televisão foi na série Sob Nova Direção, da TV Globo.








08:58 Morre o ator Oswaldo Louzada





<




© Copyright 2007 NovaMania.com - todos os direitos reservados | Expediente | Desenvolvido por Theo Gomes


BY UOL

Nenhum comentário: